Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 14/11/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Sincronização de Cios e Inseminação Artificial a Tempo Fixo ? IATF

Científicos | 10 de Março de 2010
por Andrei Beskow, Médico Veterinário.


É comprovada a utilidade da inseminação artificial como técnica difusora de material genético superior, além de proporcionar um melhor controle produtivo aos rebanhos que dela fazem uso. São muitos os benefícios alcançados com a técnica, dentre eles, o avanço genético através da utilização de touros selecionados e melhoradores, o que proporciona o aumento do retorno econômico da atividade pecuária. 

Porém, um pequeno percentual do rebanho bovino brasileiro é inseminado. Dados recentes mostram que apenas 1,2% das multíparas e 9,4% das novilhas são inseminadas. Esta técnica é utilizada por cerca de 25% dos criadores, fato devido às dificuldades enfrentadas para a execução e para o alcance do sucesso com a técnica, onde a falha na detecção de estros mostra-se como a principal. Com o intuito de minimizar os efeitos negativos das falhas na detecção de cio, foram elaborados os protocolos de sincronização de cios e inseminação artificial a tempo fixo (IATF), os quais oferecem a possibilidade de trabalhar um grande número de fêmeas, em um período curto de tempo, inseminando-as em um momento pré-determinado sem a necessidade de observação de cios. 

Além dos grandes benefícios referentes à eliminação da detecção de cio e da concentração dos serviços e otimização da mão-de-obra na propriedade, a técnica proporciona a padronização dos lotes de terneiros, que nascerão em um curto período de tempo (concentração da parição) e cedo na temporada de partos. Esse fato leva a uma melhor recuperação das fêmeas em termos de condição corporal, com maiores probabilidades de concepção dentro da temporada reprodutiva e a maiores pesos ao desmame desses terneiros, que serão mais velhos e, portanto, mais pesados. 

Existem muitos protocolos de IATF postos em prática e esses se dividem entre os que utilizam combinações do hormônio liberador de gonadotropinas (GnRH) e prostaglandina F2, e os que utilizam dispositivos com progesterona ou progestágenos e estradiol. De acordo com a aptidão (corte ou leite), a categoria, os grupos raciais (zebuíno ou taurino), a condição corporal e o manejo das fêmeas a serem trabalhadas, o médico veterinário decide qual o tratamento mais adequado.
Todos os animais a serem sincronizados passam por uma seleção prévia. As vacas com cria ao pé são selecionadas de acordo com a data de parição, a condição corporal e o exame ginecológico. É respeitado um período de pelo menos 45 dias de puerpério (pós-parto) e exige-se a condição corporal mínima de 2,5 (escala de 1 a 5, onde 1 é um animal extremamente magro e 5 um animal obeso), sendo importante que as fêmeas estejam em regime alimentar positivo, ou seja, ganhando condição corporal e peso. No exame ginecológico, são descartados animais com quaisquer distúrbios reprodutivos e com ovários pouco desenvolvidos sem estruturas palpáveis. 

As novilhas são selecionadas de acordo com a condição corporal, o peso e o escore reprodutivo. Os pesos mínimos de 60% do peso médio da vaca adulta para raças taurinas e 65% para raças zebuínas e suas cruzas são adotados como referência na seleção das novilhas, juntamente com o adequado desenvolvimento corporal aliado a uma condição corporal mínima de 3. Na avaliação do escore reprodutivo, são selecionadas somente as novilhas classificadas como 2 e 3 (púberes, que já estão ciclando).
A maioria dos protocolos para IATF leva em torno de 9 a 10 dias para serem concluídos, sendo que os animais necessitam vir até a mangueira pelo menos três ou quatro dias durante esse período. A figura 1 representa um esquema que ilustra um protocolo de IATF padrão para vacas com cria ao pé bastante utilizado na atualidade. São mencionados alguns nomes comerciais de produtos utilizados, porém, somente a título de ilustração, todos os demais produtos da linha reprodutiva das diversas marcas do mercado disponíveis podem ser usados, dependendo da preferência do produtor. (Vide Figura 01)


No dia 0 (início do tratamento) todos os animais são submetidos ao exame ginecológico (em torno de 50 a 60 dias após o parto) onde são selecionados os animais aptos a serem sincronizados. Os animais selecionados recebem um dispositivo intra-vaginal de silicone (Primer) impregnado com 1 g de progesterona e uma aplicação intramuscular (i.m.) de 2 mL (2 mg) de Estrogin (Benzoato de Estradiol, BE). No oitavo dia (D8), os dispositivos são retirados e os animais recebem uma aplicação i.m. de 2 mL (500 µg) de Sincrocio (prostaglandina, PGF) uma aplicação i.m. de 1,5 mL (300 unidades internacionais - UI) de Novormon (E.C.G., NOV), sendo que os terneiros são apartados e passam por desmame temporário de mangueira de 48 horas. No dia 9 (D9) os animais recebem aplicação i.m. de 1 mL (1 mg) de Estrogin (BE). As inseminações ocorrem no dia 10 (D10), entre 52 e 56 horas após a retirada dos dispositivos intra-vaginais, quando se encerra o desmame temporário dos terneiros. Recomenda-se a entrada dos touros de repasse entre 7 e 10 dias após a inseminação, período usado para certificar que os mesmos somente trabalharão as fêmeas no cio subseqüente ao da sincronização.
Após a inseminação, é importantíssimo que as vacas permaneçam em um bom regime alimentar, ganhando ou pelo menos mantendo a condição corporal do início do tratamento, visto que um balanço nutricional negativo (perda de peso e condição corporal) resulta em um elevado índice de perdas gestacionais precoces. 

A eficiência do protocolo é avaliada através da realização do diagnóstico precoce de gestação, 30 dias após a IATF, onde o índice de prenhez de cada lote é constatado, sendo que somente serão passíveis de diagnóstico as prenhezes oriundas da inseminação, visto o curto período de gestação das prenhezes oriundas da monta natural dos touros (no máximo 23 dias de prenhez). As médias das taxas de prenhez à IATF dos mais diversos grupos que trabalham com a técnica giram em torno de 45 a 55% (50%). É importante ressaltar que se trata de 50% das vacas do lote que ficam prenhas em um único dia, em uma única inseminação/chance de concepção, e que os índices de prenhez finais, após o repasse com os touros chegam a 75-85%, sendo bem manejado o restante do período. 

A sincronização de cios e inseminação a tempo fixo é uma excelente ferramenta disponível aos que trabalham com a pecuária de cria, porém deve ser usada com muito critério. Todos os rebanhos a serem trabalhados devem preencher determinados pré-requisitos, caso contrário, a técnica não se mostrará eficiente. Esses pré-requisitos dizem respeito, principalmente, à nutrição, à suplementação mineral e ao status sanitário dos rebanhos. Utilizada em larga escala no Brasil central, a técnica é uma das principais ferramentas dos produtores que fazem uma pecuária de cria eficiente, otimizando a cada ano que passa a atividade. (Vide Figura, 02, 03, 04 e 05)

Maisartigos

  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...
  • A internet, os acessos e a revista impressa

    Genética, Informação | 13 de Julho de 2019
    Foto: Assessoria de Imprensa ABS
    Acredito que todo aquele que escreve uma coluna, um artigo ou uma crônica tenha muita curiosidade de saber se é lido, se é lido por muitos, se o tempo dedicado em reunir palavras e ideias gerou interesse e teve utilidade para quem o lê. Não é busca por aprovação ou aplausos, mas o interesse
    real em saber a opiniã...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais