Últimosartigos

Gordura ou Desempenho? - Prof. José Fernando Piva Lobato (UFRGS)

Genética | 23 de Março de 2011
Prof. José Fernando Piva Lobato
(Caderno Campo&Lavoura, Jornal Zero Hora, 25/2/2010). 

À exceção de poucos e conhecidos remates onde compradores valorizam os índices de características importantes (AOL, cumprimento de pêlo e EGS), touros têm sido disputados e vendidos com base em condições corporais excessivas, sendo pouco valorizados no conteúdo genético para desempenho estimado por programas avançados de melhoramento como o Promebo, o Delta G e o Natura. Características fundamentais, como o peso ao nascer, pesos ao desmame e ao sobreano, área de olho de lombo, espessura de gordura, comprimento de pelo e infestação de carrapatos não são, infelizmente, valorizadas. 

Além do custo desmedido de concentrados a ser repassado, esperam os vendedores, ao comprador de touros, onera-se o sistema como um todo pela não identificação de reprodutores portadores de características para o aumento da produção e produtividade em um estado subtropical, caracterizado pelas pastagens naturais do Bioma Pampa, sobre uma diversidade de mais de 40 tipos de solos, de um total de 75 unidades existentes no Estado, com clima instável, com picos de temperatura de 35 a 40°C, de secas incertas e prolongadas, de chuvas lotéricas, de invernos úmidos e ventosos, onde a sensação térmica das temperaturas é acentuada por estas duas variáveis. Some-se a este ambiente outro restritor existente, o carrapato, cada vez mais resistente aos vermífugos e carrapaticidas. 

É sobre esta diversidade de microambientes no subtrópico brasileiro que a seleção deve identificar os reprodutores, touros e novilhas, e então serem valorizados pelos compradores como pais das próximas gerações de produtos comerciais. Por exemplo, as novilhas de reposição, pouco valorizadas, mas contribuindo com 50% da carga genética das progênies, serão as mães de novilhos (as) durante os próximos 8-10 anos!
Desempenho animal em sintonia com os ambientes típicos de produção, para maior bem-estar animal, para não ver-se aguadas e açudes como piscinas para bovinos (!) – produtividade e qualidade dos produtos. Couros mais limpos, mais valorizados (?) e carne produzida a pasto no Bioma Pampa, e rica em Ômega 3 e ácido linolêico conjugado (cla), sem resíduos de vermífugos e carrapaticidas, ambos cada vez mais concentrados e residuais.