Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 31/03/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Vamos perder para a Índia? (Folha do Sul, Bagé)

Informação | 30 de Janeiro de 2013
Por mais incrível que pareça, as previsões do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) indicam que em 2013 perderemos a liderança no mercado internacional de carne vermelha para a Índia. Isto mesmo, para a Índia!
Assim como o Brasil ingressou de forma muito rápida no mercado de carnes nos últimos 10 anos, agora a bola da vez é a Índia. Para 2013, é esperado que este país participe com 25% de toda carne exportada no mundo, correspondendo a 2,16 milhões de toneladas. O Brasil deve disputar a segunda posição com a Austrália com algo em torno de 15% do mercado. Os Estados Unidos estão em contínua redução de produção de carne, mas devem seguir entre os quatro maiores exportadores do mundo (Índia, Brasil, Austrália e Estados Unidos).

A potência da Índia vem da oferta de carne com baixo custo (barata) e da capacidade de fornecer produto halal (abate religioso para os países árabes). Com rebanho de 330 milhões de cabeças (bovinos e bubalinos) é fácil ter ideia do estrago que este país pode fazer em nosso negócio. A eficiência da produção de carne e as taxas de abate (desfrute) são baixas e assim é grande é o potencial deles crescerem mesmo sem aumento no rebanho.  Por hora, os destinos da carne indiana são somente os de baixa qualidade, como Ásia e Oriente Médio, mas são também alguns dos mercados que o Brasil opera. Pelo visto, produzir cada vez mais e mais carne barata pode não ser mais a saída para a carne brasileira.

Trago essas informações para que sirvam como provocações ao nosso setor. No mercado globalizado que atuamos não há lugar para comodismo ou zona de conforto. Não há jogo vencido antes dos 90 minutos. O caso Índia tem de nos fazer pensar o nosso negócio de forma diferente. Temos que tentar nos colocar na posição que o americano ou australiano colocaram-se faz 15 anos quando o Brasil começou a figurar no mercado da carne. Naquele período estes países devem ter montado estratégias para seguirem se diferenciando dos emergentes, com sanidade qualificada, produto qualificado, marketing qualificado e por aí vai. Pelo menos, temos os cases deles para usarmos como base para nosso trabalho. Mas, temos que arregaçar as mangas já, pois não é uma possibilidade para o futuro, mas uma situação real: temos sim um competidor que já afeta muito nosso negócio Carne.

(Publicado no Jornal Folha do Sul - Bagé, 30 jan 2013)

Anexos da notícia

Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais