Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 14/08/2022

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Vamos perder para a Índia? (Folha do Sul, Bagé)

Informação | 30 de Janeiro de 2013
Por mais incrível que pareça, as previsões do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) indicam que em 2013 perderemos a liderança no mercado internacional de carne vermelha para a Índia. Isto mesmo, para a Índia!
Assim como o Brasil ingressou de forma muito rápida no mercado de carnes nos últimos 10 anos, agora a bola da vez é a Índia. Para 2013, é esperado que este país participe com 25% de toda carne exportada no mundo, correspondendo a 2,16 milhões de toneladas. O Brasil deve disputar a segunda posição com a Austrália com algo em torno de 15% do mercado. Os Estados Unidos estão em contínua redução de produção de carne, mas devem seguir entre os quatro maiores exportadores do mundo (Índia, Brasil, Austrália e Estados Unidos).

A potência da Índia vem da oferta de carne com baixo custo (barata) e da capacidade de fornecer produto halal (abate religioso para os países árabes). Com rebanho de 330 milhões de cabeças (bovinos e bubalinos) é fácil ter ideia do estrago que este país pode fazer em nosso negócio. A eficiência da produção de carne e as taxas de abate (desfrute) são baixas e assim é grande é o potencial deles crescerem mesmo sem aumento no rebanho.  Por hora, os destinos da carne indiana são somente os de baixa qualidade, como Ásia e Oriente Médio, mas são também alguns dos mercados que o Brasil opera. Pelo visto, produzir cada vez mais e mais carne barata pode não ser mais a saída para a carne brasileira.

Trago essas informações para que sirvam como provocações ao nosso setor. No mercado globalizado que atuamos não há lugar para comodismo ou zona de conforto. Não há jogo vencido antes dos 90 minutos. O caso Índia tem de nos fazer pensar o nosso negócio de forma diferente. Temos que tentar nos colocar na posição que o americano ou australiano colocaram-se faz 15 anos quando o Brasil começou a figurar no mercado da carne. Naquele período estes países devem ter montado estratégias para seguirem se diferenciando dos emergentes, com sanidade qualificada, produto qualificado, marketing qualificado e por aí vai. Pelo menos, temos os cases deles para usarmos como base para nosso trabalho. Mas, temos que arregaçar as mangas já, pois não é uma possibilidade para o futuro, mas uma situação real: temos sim um competidor que já afeta muito nosso negócio Carne.

(Publicado no Jornal Folha do Sul - Bagé, 30 jan 2013)

Anexos da notícia

Maisartigos

  • Palavras ao vento? Palestras e eventos...

    Genética, Informação | 15 de Julho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Posso me considerar um assíduo frequentador de eventos, desde (e especialmente) à época de estudante de veterinária. Coloque pouco mais de 20 anos no que estou falando. Eventos “raiz”, da época da divulgação na página rural dos jornais e nos cartazes nos murais das faculdades, das agropecuárias e sindicatos ...
  • Australia: 10 dicas para melhores fotos de touros

    Informação | 13 de Julho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Enquanto existem fotógrafos profissionais de gado/reprodutores em todo o leste da Austrália que fazem um excelente trabalho, muitos produtores de touros escolhem ou, por necessidade, tirar suas próprias fotos de reprodutores, para catálogos, sites ou publicidade digital/impressa.

    O advento dos smartphones com câmer...
  • Fórum debate a campo seleção por fenótipo e genótipo

    Informação | 24 de Junho de 2022
    Foto: Carolina Jardine
    A seleção de gado de corte avançou muito no Brasil nos últimos anos e trouxe ao criador o desafio de embasar suas escolhas em dois pilares: o fenótipo (escores visuais) e o genótipo (dados e estatísticas). Na tentativa de mostrar a melhor forma de integrar as duas avaliações para maximizar resultados, a Associa...
  • Terneiro: em 2022, meu nome é 3 Dólares

    Informação, Mercado | 15 de Junho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso

    Em junho de 2019 escrevi um texto aqui neste espaço, com título: O nome do terneiro gaúcho é R$ 6,50.

    Como ando, muito americanizado e aderindo a alguns estrangeirismos, desta vez, dolarizei o terneiro gaúcho. Agora, ele se chama 3 Dólares. Críticos criticarão. Dirão que o dólar, no ...
  • Podcast na pecuária: dos fãs do rádio para o streaming

    Informação | 15 de Maio de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso

    Nesta última semana de abril, gravamos mais um episódio dos Agronautas, podcast quinzenal  sobre a pecuária gaúcha. Discutimos um pouco sobre as informações (meio tortas) que são levadas às crianças nas escolas sobre o agronegócio. Os meus parceiros Agronautas acham que o nosso...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais