Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Os diferenciais da Carne Gaúcha (Folha do Sul, Bagé)

Informação | 13 de Fevereiro de 2013

Artigo_Folha do Sul_13 jan 13

                                                                                                                        *Fernando Furtado Velloso, 13 de fevereiro de 2013

A carne gaúcha tem diferenciais importantes, mas infelizmente exploramos pouco esta possível vantagem competitiva em relação ao resto do país.  A nossa história, tradição, a figura do gaúcho, do pampa e a relação destes fatores com a pecuária somente ocorrem no nosso estado. O produto especificamente é distinto também, pois somente aqui podemos explorar na plenitude as raças europeias (especialmente as britânicas Angus e Hereford) e assim oferecer carne com atributos valorizados pelo consumidor: maciez, sabor e suculência.
De lambuja com se diz, podemos explorar as nossas similaridades com o Uruguai e Argentina e assim colher parte dos fortes investimentos em marketing da carne feitos por estes países. Ambos os países tem gado e campos similares aos do RS, mas ostentam renome e posição de produtores de carne de qualidade que nós ainda não conseguimos galgar. O trabalho feito por eles está disponível como benchmark para o RS e basta aproveitar as experiências exitosas. Já temos um bom caminho trilhado para nós.

Como produtores gaúchos de carne competimos por espaço no mercado internacional, mas também competimos com os demais estados brasileiros e em situação de desvantagem, pois o Centro Oeste e o Norte nos ganham em volume de rebanho (escala de produção) já faz bom tempo. Desta forma, competir com produto similar não é alternativa para o RS.
Os programas de carne de qualidade no RS (Certificação Angus e Hereford) contribuíram muito com a melhoria e padronização do rebanho gaúcho. Hoje nosso gado voltou a ter um tipo mais definido e com raças que favorecem a produção de carne de qualidade. Ponto para nós.

Em função do perfil e qualidade de nosso rebanho exportamos gado vivo para o exterior (navio) e para outros estados (especialmente SP e PR). Os grandes frigoríficos (principalmente JBS) buscam novilhos no RS para terminação em SP e produção de suas linhas de carne Premium. Toda esta demanda é positiva, pois gera liquidez e valor ao nosso produto, mas deve nos gerar preocupação, pois gera pouco (ou nenhum) desenvolvimento ao nosso setor de carne.
O resto o Brasil não ficou inerte vendo este processo e os programas de cruzamento cresceram fantasticamente (vide expectativa de venda de aprox. 3 milhões de doses de sêmen de Angus em 2012) e também a disseminação das carnes ˝com marca˝ do abate deste gado cruzado muito jovem e bem terminado em confinamentos. Ponto para eles que estão produzindo carne de excelente qualidade e com volume. 

Estes temas e outros tantos são discutidos na Câmara Setorial da Carne Bovina (RS) desde a sua reinstalação em 2011. Participo deste grupo e venho defendendo desde o princípio a criação de um Instituto Gaúcho da Carne para virarmos este jogo.  Este instituto realizaria um trabalho similar ao de tantos institutos de sucesso de outros países: INAC (Uruguai), AML (Australia), Beef Board (EUA), etc. Infelizmente estamos identificando muitas resistências até mesmo em discutir o tema, mas este é assunto para minha próxima coluna. Somos pioneiros na pecuária brasileira e creio que não nos agrada a posição de ator coadjuvante.

(Publicado no Jornal Folha do Sul - Bagé, 13 fev 13)

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais