Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 31/03/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

E se foi a tourada

Leilões | 05 de Dezembro de 2013

E se foi a tourada...

Foto: Divulgação/Assessoria

Por Fernando Furtado Velloso 
 
A temporada de leilões de primavera 2013 foi considerada por muitos como a melhor dos últimos anos. Os levantamentos do Correio do Povo, Revista DBO e Assessoria Agropecuária indicam a venda de mais de 4,6 mil touros em leilões com média acima de R$7 mil, ou seja, valor superior a quatro bons novilhos (de 460 a 480 quilos). Esta primeira informação já é positiva aos produtores de genética, pois, usualmente, um bom reprodutor corresponde entre três a quatro novilhos e, em 2013, superamos esta referência.

As variações de valores foram extremas neste ano e alguns leilões chegaram a médias impensáveis, em torno de R$ 12 mil (ex: GAP Genética com Angus e Brangus, Bela Vista e Reculuta & São Bento com Braford) e, na outra ponta, alguns leilões tiveram dificuldade de se aproximar dos R$ 6 mil (mesmo em leilões ditos tradicionais). Esta grande variação de resultado para o mesmo tipo de produto nos dá algumas sinalizações: o comprador de touros está mais exigente e disposto a pagar mais por um produto considerado superior, é possível agregar bastante valor na produção de reprodutores, a construção de marcas fortes em pecuária é uma realidade (e muitas cabanhas com marcas de valor colheram resultado nesta temporada), a intensificação dos sistemas de produção em pecuária estão gerando mais valor para os reprodutores.

Na condição de técnico, inserido no meio da produção de genética, fico muito satisfeito em ver estes resultados positivos. Também considero positivo perceber a grande diferenciação que alguns plantéis estão alcançando em nosso mercado. Para aqueles que obtiveram boas vendas e valores remuneratórios para a produção de touros ficam os nossos parabéns. Este sucesso não é moda e nem fato isolado, mas sim colheita da construção de marcas fortes e sérias, da fidelização de clientes satisfeitos com touros de qualidade e da expectativa e necessidade de cada vez produzir melhores terneiros.


Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais