Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 19/04/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Sistema de produção de touros ANGUS: “in english” ou português?

Genética | 12 de Fevereiro de 2015

Por Fernando Furtado Velloso
Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

Recentemente foi publicado pela revista BEEF nos Estados Unidos uma listagem com os maiores vendedores de touros daquele país em 2014. Este levantamento traz importantes informações sobre os mais influentes produtores americanos de genética. O tema me motivou a comparar as principais diferenças entre a produção de reprodutores Angus nos EUA e aqui. O ranking apresentado denomina-se “Seedstock Beef 100” e nesta relação figuravam apenas rebanhos que venderam 200 ou mais touros em 2014, confira abaixo uma amostra dos top 25:


1.Jorgensen Land & Cattle - Angus, 3.750 touros

2. Gardiner Angus Ranch - Angus, 2.300 touros

3. Express Ranches - Angus, Hereford, 2.000 touros

4. Leachman of Colorado - Red Angus, Angus, Charolês, Stabilizer, 1.500 touros

5. Thomas Angus Ranch -  Angus, 1.000 touros

6. Powerline Genetics - Sim/Angus, Angus, 900 touros

7. DeBruycker Charolais - Charolês, 875 touros

8. Seedstock Plus -  Angus, Gelbvieh, Balancer, Red Angus, 800 touros

9. Pharo Cattle Company - Angus, Red Angus, Tarentaise, Hereford, 800 touros

10. Sitz Angus - Angus, 800 touros

11. Fink Beef Genetics - Angus, 700 touros

12. Ludvigson Stock Farms - Red Angus, 650 touros

13. R.A. Brown Ranch - Angus, Hotlander, Red Angus, Sim-Angus, 650 touros

14. Connealy Angus - Angus, 600 touros

15. Profit Maker Bulls - Angus, Hereford, 550 touros

16. Riverbend Ranch - Angus, 550 touros

17. Wulf Cattle - Limousin, Angus, 550 touros

18. 44 Farms - Angus, 525 touros

19. HeartBrand Beef --- Akaushi, 500 touros

20. Diamond Peak Cattle Company - Angus, SimAngus, 500 touros

21. Eaton Charolais - Charolês, 500 touros

22. KG Ranch - Angus, 500 touros

23. Schaff Angus Valley --Angus, 500 touros

24. Stevenson Angus - Angus, 491 touros

25. Edgar Brothers - Angus, 450 touros


Fonte: “Seedstock Beef 100”, publicado pela Beef Magazine e adaptado pela Assessoria Agropecuária.


Nos últimos 10 anos, a nossa empresa teve a oportunidade de visitar mais de 100 rebanhos produtores de genética nos EUA e assim nos sentimos confortáveis para realizar algumas avaliações e comparações neste artigo.


O grande volume de touros vendidos por estes produtores ocorre em alguns rebanhos de Nelore no Brasil, porém é uma situação muito diferente da nossa produção de taurinos (concentrada no Sul), pois produtores com mais de 400 touros vendidos por ano são muito poucos. A escala dos rebanhos e o volume de touros produzidos já figura como um dos diferencias entre o “negócio touro” lá e cá. A figura dos “rebanhos cooperados” é uma das explicações para os grandes volumes de touros produzidos, pois é comum a ampliação da cria através de parceiros com Transferência de Embriões (TE), ou do preparo final de touros com parceiros confinadores. O sistema mais usual é realização de TE em rebanhos parceiros e a posterior compra de bezerros puros ao desmame. Desta forma, um rebanho com 300 matrizes pode ofertar 500 ou mais touros anualmente.


As raças ANGUS e RED ANGUS somadas lideram a venda de reprodutores nos EUA. No levantamento da BEEF, Angus e/ou Red Angus estão presentes em 95 dos 104 rebanhos apresentados na lista TOP 100. Situação muito similar ocorre no Brasil para programas de cruzamento, pois a genética Angus e Red Angus lidera com grande vantagem neste segmento, principalmente através de inseminação, mas também com o uso de touros em monta natural.


O uso da Transferência de Embriões é aplicado para a máxima multiplicação de fêmeas superiores e normalmente estes nascimentos ocorrem em rebanhos parceiros, deixando o rebanho de seleção em condições regulares de reprodução para identificação das melhores matrizes e acasalamentos. No Brasil o uso de TE (e FIV) é também muito frequente, porém ocorre muitas vezes a substituição de matrizes puras em reprodução por um rebanho praticamente só de receptoras. Com o passar dos anos, muitos destes plantéis estão com alta participação de matrizes envelhecidas e com poucos avanços em melhoramento genético. Neste item vemos uma das diferenças mais marcantes entre o sistema de seleção americano e brasileiro na atualidade.


A “pressão de seleção” (ou % de machos descartados) é uma diferença muito clara entre o realizado no Brasil e nos EUA. A cada safra de nascimentos em nosso país um grande volume de machos registrados é descartado para engorda e o mesmo não ocorre nos selecionadores americanos, pois lá o % de descarte é muito baixo. Já está na cultura da maioria de nossos selecionadores que animais “negativos” (abaixo da média) devem ser descartados com os dados da avaliação de desmame ou ano e assim levamos ao mercado um alto % de animais superiores geneticamente. Neste muito importante ponto os selecionadores brasileiros estão fazendo muito bom trabalho, pois na grande maioria dos rebanhos é aplicado um bom nível de pressão de seleção (ou descarte de machos). De outra parte, o uso e valorização dos Índices Técnicos e da Avaliação Genética (DEPs) está bem mais avançados nos EUA do que aqui. Pode-se comentar que está é uma posição válida em todas as situações relativas a dados objetivos de desempenho, desde Índices de rebanho (% em relação aos contemporâneos, passando pelas DEPS de crescimento, dados de carcaça e até mesmo para marcadores moleculares ou informações de DEP Energia Metabólica e de eficiência alimentar). Observa-se de forma geral que os americanos incorporam as tecnologias auxiliares à seleção animal de forma gradual. Já por aqui, muito selecionadores apresentam ao mercado resultados de marcadores moleculares, porém ainda sem possuir um programa básico de  avaliação de desempenho do rebanho ou sem a participação em qualquer programa de melhoramento genético.


Os touros são vendidos nos EUA na maioria das vezes com 1 ano (entre 12 e 16 meses) e as fêmeas também entram em reprodução com esta mesma idade. Por aqui, o mais frequente é a venda de touros 2 anos e o entoure de suas irmãs na mesma idade. Esta situação traz grandes diferenças no giro do rebanho e na velocidade do melhoramento genético, pois o rebanho de cria “cresce” no sistema 1 ano e o intervalo entre gerações está praticamente no limite biológico dos bovinos. De outra parte, para que os animais sejam vendidos tão jovens é necessário oferecer condições alimentares para ótimo desempenho (ganho de peso) e assim as diferenças individuais (genéticas) são mais evidentes. O uso massivo de Touros Jovens nos rebanhos de seleção é também um diferencial da pecuária americana e o mesmo ocorre ainda timidamente no Brasil, pois os reprodutores mais usados são aqueles mais “badalados” ou pais de grande campeões, ou seja, touros mais velhos. O uso limitado de touros jovens em rebanhos de seleção leva negativamente a um “freio” aos ganhos genéticos.


A seleção para “adaptação” ocorre nos rebanhos americanos e são buscados os animais mais eficientes para cada clima ou micro clima do país, porém estas condições são muito distintas das brasileiras, especialmente ao nosso sub-trópico. A necessária seleção no Brasil para animais de “pelo fino”, com maior tolerância a combinação calor: umidade e com maior resistência a ectoparasitas (especialmente carrapatos) é um possível grande trunfo para a genética produzida aqui. Ainda neste tema, o uso de touros nacionais é pequeno no Brasil (aprox. 30% na venda de sêmen) e deixamos de aproveitar o potencial de genética selecionada e adaptada em nossas condições de produção. Até mesmo para as Centrais de Inseminação o produto “touro nacional” pode ser uma boa alternativa de negócio em momentos de dólar alto.


Principais características da produção de touros ANGUS no Brasil e EUA: 



Item

Brasil

EUA

Volume de touros vendidos/ano

Maiores vendedores – acima de 150 touros

Maiores vendedores – acima de 400

Uso de Avaliação Genética

Baixo – Médio

Alto

Pressão de Seleção (Descarte de machos)

Alta*

Muito baixa

Uso de Ultrassonografia de Carcaça

Muito baixo

Alto

Uso de Marcadores Moleculares

Muito baixo

Alto

Seleção para Eficiência Alimentar

Nulo/Muito baixo

Médio – Alto

Uso de TE e FIV

Alto (como técnica reprodutiva usual)

Médio – alto (para ampliação do número de nascimentos)

Trabalho com rebanhos cooperados

Muito pouco

Muito frequente

Idade da venda do touro

2 Anos

1 Ano

Peso de venda do touro

500 a 750 kgs

500 a 750 kgs

Importância relativa do visual (tipo)

Alta

Baixa

Seleção para adaptação ao trópico (calor, parasitas, etc)

Em desenvolvimento

Ocorre em ambiente distinto ao BR

Seleção para desempenho em cruzamento com Zebuíno

Em desenvolvimento

Praticamente não ocorre

Elaborado pela Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

Como fechamento fica evidente que existem grandes diferenças no sistema de produção de touros nos EUA e Brasil.


As etapas já vividas pela pecuária americana e pelo segmento de genética é um grande “benchmark” disponível para os produtores de touros no Brasil, pois provavelmente enfrentaremos muitos degraus já passados pela cadeia da carne bovina americana. A necessidade de genética adaptada para as condições brasileiras e especialmente para máximo desempenho em programas de cruzamento é uma grande área de oportunidade para o segmento de genética brasileiro. 

* Publicado na Revista AG, Fev/2015. 

Maisartigos

  • Como produzir o Touro Jovem Angus nº1? (Ou em outra raça)

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Abril de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Envolvido em nossas tarefas rotineiras com reprodutores e, atualmente, mais com doadores de sêmen ou candidatos a tal, troquei, em 21 de março, várias mensagens com o nosso colega e cliente Ney Conti, da empresa Zebu Fértil. Em uma delas, revisando documentos de novos touros Angus que terão sêmen coletado, falávam...
  • IATF gera ganhos que superam R$ 3,5 bilhões nas cadeias de produção de carne e de leite

    Genética, Informação, Mercado | 28 de Março de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Boletim Eletrônico do Departamento de Reprodução Animal/FMVZ/USP
    Edição 2, de 21 de março de 2019

    (Cada R$1,00 investido na tecnologia gera retorno de R$4,50; Mercado conta com 3.800 especialistas no campo) Segundo estimativas do Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da ...
  • Céu de brigadeiro para a terneirada

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Março de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha Os analistas de mercado se debruçam sobre séries históricas de preços, estoque, abates, mercado futuro, mercado de grãos, precipitação, cenários políticos e econômicos nacional e internacional para traçar tendências de preço para o...
  • Embrapa: Algoritmos no comando das nossas vidas

    Genética, Informação, Mercado | 19 de Fevereiro de 2019
    Foto: Imagens da Internet
    Algoritmos fazem, cada vez mais, parte das nossas vidas, razão por que precisamos entender o que são e as possibilidades que nos oferecem. É fácil entender a função dos algoritmos quando os comparamos, por exemplo, a uma simples receita. Para fazer um bolo é necessário seguir um conjunto definido de instruções ...
  • "Debreia" nas DEPs

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Fevereiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Não se assustem, pois não venho aqui questionar ou criticar o uso dos dados dos programas de melhoramento de bovinos, pois participo desta igreja e também sou um pregador da seleção objetiva. Talvez eu faça mais esta pregação que muitos p...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais