Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Genômica aplicada à pecuária

Informação | 10 de Abril de 2015
Por Fernando F. Velloso

A genômica já é (ou será no Brasil) um grande passo tecnológico em melhoramento animal utilizado em rebanho de bovinos. A rápida obtenção de informação sobre o perfil de genética de indivíduos baseados em coleta de material de DNA (pelo, sangue, etc.) cada vez mais se incorporará às rotinas e aos dados dos programas de melhoramento genético. Internacionalmente, essa tecnologia iniciou-se em rebanhos leiteiros e demonstrou-se muito eficaz em antecipar a identificação de “pais superiores”, reduzindo em alguns anos o tempo necessário para provar um touro. No método tradicional, os touros jovens são usados em “testes de progênie” para somente após ter seu uso mais massivo. Com a genômica, a identificação dos melhores touros jovens foi antecipada e esses passaram a ter uso mais amplo nos rebanhos e com idade bem menor, ou resumindo, incorporam nova genética de forma muito mais dinâmica. Em pecuária de corte, a raça Angus (nos EUA) é a que está mais avançada no uso de genômica (ou marcadores como também chamamos), e atualmente todos os animais registrados também contam com informação genética obtida por testes de DNA. Dessa forma, as DEPs geradas pela American Angus Association incorporam informação genômica para a sua formação e não somente a informação de genealogia e dos próprios indivíduos.

O tema apresentado no parágrafo anterior foi discutido no 5º Workshop Internacional: Genômica Aplicada à Pecuária – Cadeia da Carne, no mês de março, em Araçatuba/SP. O assunto aparentemente tão novo para nós já vem acumulando história no Brasil e muito se deve a esses encontros realizados continuamente pela Unesp. Vou tentar aqui mostrar alguns exemplos de aplicações práticas dos temas apresentados neste workshop e das mudanças (e grandes avanços) que a tecnologia da genômica vem obtendo. 

A palestra realizada pela Angus americana, por Tonya Armen (Angus Genetics Inc.), mostrou como a tecnologia foi incorporada na rotina da avaliação genética dos animais nos últimos dez anos, iniciando com uma ferramenta mais restrita a questões de paternidade e defeitos genéticos, avançando para a performance de reprodutores e, agora, já sendo oferecida também para produtores comerciais para fins de orientação de acasalamentos. As DEPs dos animais passaram a ser chamadas de “GE – EPDs” e incluem informações de pedigree, performance, progênie e genômica. Um argumento prático que justifica a genômica é de que os marcadores equivalem à informação de 15 a 20 filhos de um reprodutor. Dessa forma, a tecnologia substitui ou antecipa a valiosa informação das progênies e, assim, torna os dados de um reprodutor jovem muito mais confiáveis. 


Representando os criadores de Angus nos EUA, Dick Beck (Three Tress Ranch) relatou os avanços obtidos em sua criação, especialmente na busca de animais com maior tolerância ao calor e com alto valor de carcaça. O rebanho trabalha com a seleção de Angus e Brangus e coleta informações de DNA para o programa  de seleção desde 2005. Com muita convicção, entusiasmo e dados de campo, o criador defendeu o uso da genômica e sustenta que essa tecnologia foi a responsável pelo grande salto de qualidade genética de seus animais nos últimos anos. A ferramenta mostrou-se eficaz na seleção de animais mais produtivos e na diferenciação de seu rebanho em relação a outros que fazem menor uso da técnica.
O diferencial competitivo obtido não se deve somente ao marketing do uso da genômica (como ainda vemos em alguns rebanhos brasileiros),mas ao avanço genético superior em relação a outros rebanhos de seleção da raça.

Os usos para rastreabilidade de produtos (especialmente carne) foram informações trazidas por um palestrante do Reino Unido. Alguns exemplos práticos da aplicação para esse fim foram listados: 

  1. carne Aberdeen Angus no Reino Unido – a genômica é usada como um garantidor da genética dos animais abatidos e, atualmente, mais de 90% da carne desse programa é controlada ou assegurada por DNA;

  2. no Canadá, a National Grocery Chain utiliza-se da genômica para atender o desejo dos consumidores de relacionar o produto (carne) com o produtor; 

  3. nos EUA, a US Food Service Distributor já usa as informações de DNA para dar mais confiabilidade à marca “Braveheart Brand”;

  4. na Irlanda, a National Producer Organization faz mão da genômica para garantir e ampliar o valor do produto local.


O episódio recente da carne de cavalo misturada na de bovinos na Europa exigiu novas medidas para preservar a confiança do consumidor e o DNA passou a ser uma importante ferramenta nesse sentido. Observa-se claramente que a tecnologia deixou de ser algo pensado somente para fins de melhoramento genético e para também se incorporar às exigências do consumidor em relação à segurança e à origem do produto.

Em relação ao uso da tecnologia no Brasil, foram apresentados trabalhos e informações recentes da Unesp, USP e Embrapa. Cabe destacar aqui que esses trabalhos todos estão muito avançados no mundo com taurinos (especialmente Angus e Holandês) e coube ao Brasil produzir informações (genotipagem) para a raça Nelore. Na programação do workshop foi visitado o rebanho “Nelore do Golias”, uma das fazendas mais envolvidas com todas essas pesquisas de genômica no Brasil, pois um de seus touros foi escolhido para a realização do “genótipo do boi Nelore” no país. Esse rebanho foi escolhido por ser considerado um dos mais fechados geneticamente desde a importação de animais Nelore da Índia. Comprovando que as possibilidades em genética são praticamente ilimitadas, o Nelore do Golias está provando que é possível obter carne com marmoreio na raça Nelore. O rebanho vem selecionando intensivamente para essa característica e está se tornando uma referência e fonte de genética de carne de qualidade em zebuínos. As evidências estão na ultrassonografia de carcaças, nos marcadores moleculares e em uma prova que nunca ficará obsoleta: a degustação da carne.

Publicado na colunda do "Pasto ao Prato" (Revista AG, Abril/2015) 

 



Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais