Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 15/12/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

A Genômica na Pecuária de Corte brasileira

Informação | 28 de Outubro de 2015

Por José Bento Sterman Ferraz, professor titular de Genética e Melhoramento Animal da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo

 

A pecuária de corte tem enfrentado vários desafios, como os constantes aumentos de produtividade e rentabilidade da agricultura, quem vem progredindo ano a ano em produtividade. Isso obriga o empresário da pecuária de corte a buscar o aumento da produtividade e da rentabilidade. Uma das formas de conseguir isso é pelo melhoramento animal.

 

A seleção de reprodutores consiste na escolha dos animais que serão os pais das  próximas gerações e contribuam de forma diferenciada para o patrimônio genético dela, alterando a frequência gênica. Mas como escolher reprodutores e matrizes de maneira adequada a determinados objetivos, com o menor risco de erro possível?

 

A pergunta chave: para que servem os reprodutores e as matrizes?

Eles são verdadeiras “máquinas” e valem pelos produtos que conseguem produzir, os bezerros. Seu valor é medido pelos seus produtos, e eles produzem esses descendentes somente pela união de seus gametas (espermatozoides e óvulos). Infelizmente, não é possível conhecer com precisão o valor genético dos animais, pois o desempenho deles (fenótipo) é resultado do patrimônio genético (genótipo) e dos efeitos do meio ambiente, existindo ainda uma interação entre eles.

 O processo de estimação dos valores genéticos aditivos dos animais é conhecido como avaliação genética, que torna possível estimar esses valores, isolando-os dos efeitos não genéticos. Essas estimativas mostram o quanto a média dos filhos de um animal seria desviada em relação à média de todos os filhos dos reprodutores utilizados na mesma avaliação, o que é conhecido pelos criadores como Diferenças Esperadas na Progênie (DEPs), as verdadeiras especificações técnicas genéticas dos animais. Seu uso correto no momento de decidir qual material genético será adquirido aumenta de maneira acentuada o progresso genético dos rebanhos. 

Além da predição do valor genético, é importante avaliar a acurácia associada a essa estimativa, medida de quanto a estimativa é relacionada com o “valor real” do parâmetro. Ela

nos informa o quanto o valor estimado é “próximo” do valor real e nos dá a “confiabilidade” daquela estimativa. Esse conceito de acurácia é muito importante, pois indica o “risco”

da alteração da estimativa do valor genético com a entrada de novas medidas de sua progênie ou de outros parentes na avaliação genética. Uma informação essencial para o criador é que o ganho genético por ano, que na verdade é o que gera recursos para o pecuarista, é calculado tendo a acurácia no numerador, mas o intervalo de gerações no denominador.

O balanço entre o uso de animais de acurácia mais alta, mas com a menor idade possível, maximiza esse ganho genético. Uma das formas de aumentar a acurácia de animais jovens é a seleção genômica, uma metodologia que integra as tecnologias genômicas e as  ferramentas da genética quantitativa e do melhoramento, propiciando um grande salto qualitativo nos sistemas de avaliação genética. Essa nova abordagem vem rapidamente mudando os paradigmas do melhoramento genético de animais domésticos e plantas, causando uma verdadeira revolução na nossa capacidade de prever fenótipos e, com isso, aumentar a acurácia de seleção em idade precoce. Um dos principais aspectos da seleção genômica é pré-selecionar animais antes mesmo de seu desempenho ser medido, minimizando custos e economizando tempo.

O uso de marcadores moleculares serve para ajudar o criador a identificar animais, ainda jovens, que têm potencial para transmitir alelos favoráveis aos rebanhos, assim serão alteradas as frequências desses alelos em detrimento de outros menos favoráveis ou até mesmo desfavoráveis que existam.

O Quadro 1 apresenta a relação entre acurácia e risco de alguém comprar material genético e, no futuro, ele não corresponder à informação do momento da compra.

Juntamente com as DEPs, os marcadores genéticos serão de grande valia para:

  • Identificação de paternidade ou parentesco correto de animais;
  • Adquirir material genético para reprodução ou até mesmo de lotes para terminação;
  • Escolha de doadores de sêmen ou oócitos;
  • Escolha de matrizes que produzam maior sobrevivência embrionária e produzam mais prenhezes nas transferências de embrião;
  • Orientação acasalamentos;
  • Classificação de animais em grupos de melhor desempenho, com alimentação, medicação ou vacinação diferenciada, com as novas ciências, a nutrigenômica, a farmacogenômica, a vacinogenômica, etc;
  • Identificação de reprodutores com qualidades específicas, como carne mais macia, cobertura adequada de gordura, características de mensuração cara e/ou difícil;
  • Antecipação à tomada de decisões, descartando-se, precocemente, animais de menor produtividade;
  • Escolha de animais pela presença ou ausência de chifres ou cor dos descendentes
  • Agilização do progresso genético, pela escolha de animais com avaliações genéticas (DEP) interessantes, jovens, sem progênies, mas com acurácia mais alta.

 

Marcadores moleculares, em conjunto, explicam uma parcela, normalmente de 10 a 30% da variância genética e essa, por sua vez, explica uma parcela, normalmente de 20 a 30% da variância fenotípica. Assim, é muito comum uma avaliação molecular, denominada valor genético molecular (VGM) ser diferente e até mesmo de sinal contrário e magnitude muito diferente do valor genético aditivo estimado pelas avaliações genéticas.

 

Fonte: Revista Pecuária em Alta (Out/Nov 2015)

Maisartigos

  • ANGUS: touros com mais de 500 filhos avaliados

    Informação | 15 de Dezembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Os sumários de touros são boas fontes para compreendermos os movimentos que as raças vivem. As informações disponíveis vão muito além de saber a DEP do touro A ou B para peso ao nascer, perímetro escrotal e diferentes índices (desmam...
  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais