Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 09/12/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

DBO: Taxa de prenhez de 90%: sonho ou realidade?

Informação | 20 de Janeiro de 2016

Para especialista, avanço genético do rebanho brasileiro passa por descarte técnico radical das matrizes com garantia de reposição

Foi-se o tempo em que o pecuarista devia ficar satisfeito com taxas de prenhez que garantissem a reposição do rebanho. “No passado, emprenhar a vaca era o desafio; depois chegamos ao estágio de querer emprenhar mais. Agora o momento é de emprenhar além do que já se faz para promover o descarte voluntário”, diz José Luiz Vasconcelos, médico veterinário e professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp-Botucatu.

E o que é descarte voluntário? É poder escolher os melhores animais, e não os melhores dentre os piores. “Isso se faz com altas taxas de prenhez, que permitam descartar mais do que fêmeas vazias”, afirma Vasconcelos.

Hoje, o primeiro critério para descarte de matrizes é a fertilidade: “Veio a estação de monta. Foi feito o toque? Está vazia? Descarto”. Depois, são levados em conta outros indicadores: idade da vaca, tipo físico e peso do bezerro na desmama são alguns deles. Todos necessários para que haja melhoramento genético do rebanho. Um cálculo simples ajuda a entender essa equação: “Vamos supor que eu estabeleça taxa de reposição de 20%. Com taxa de prenhez de 80% não vou ter folga para fazer o descarte voluntário. Mas se atingir 90% sim”, exemplifica José Luiz.

A busca pela excelência

Imagine então uma fazenda com plantel de 1.000 vacas. No primeiro cenário proposto pelo professor, de taxa de prenhez de 80%, teríamos 800 vacas prenhas ao final da estação de monta, o que deixa o produtor com descarte de 200 animais pelo critério de infertilidade. Considerando uma perda embrionária de 5% e mortalidade até a desmama de 5%, após um ano do parto haveria em torno de 700 animais – 350 fêmeas e 350 machos.

Como fica a reposição nesse caso se de início tínhamos 1.000 vacas, sendo necessário repor duzentas que foram para o abate por estarem vazias? Restam poucos animais para trocar pelas matrizes mais velhas, sem aprumo, que desmamaram bezerro leve, produziram pouco leite ou abandonaram as crias. Subtraídas as novilhas inaptas para reprodução na estação de monta seguinte ou as pernaltas, por exemplo, sobram menos fêmeas ainda.  

Em um segundo cenário, de taxa de prenhez de 90%, a situação muda. Das 1.000 vacas, 900 emprenhariam, e mesmo com perda embrionária de 5% e mortalidade infantil de 2% (considerando que falamos de uma fazenda de alto desempenho), ao final da desmama o produtor teria pelo menos 420 bezerros e 420 novilhas. Nesse caso, animais suficientes para fazer um descarte e reposição radicais.

A implicação dessa prática para estações de monta subsequentes é assunto para outra reportagem. 

Fonte: Portal DBO, por Marina Salles

 

Maisartigos

  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais