Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 03/04/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Ascensão da FIV na raça Senepol (IVB)

Informação | 07 de Abril de 2016

Parceria e Geração de Valor no desenvolvimento de novas oportunidades para os criadores

A Técnica
A Fertilização In Vitro (FIV) é atualmente a técnica mais eficiente para se realizar o melhoramento genético bovino. Seu processo consiste na seleção das melhores fêmeas do plantel (doadoras) acasaladas com os touros top disponíveis no mercado. Outro importante papel desempenhado pela FIV é a possibilidade de selecionar e reproduzir animais por características desejadas, como produtividade, fertilidade, habilidade materna, capacidade de pastoreio, ganho de peso, qualidade de carcaça, precocidade, docilidade e outras. Nos últimos anos, a demanda pela FIV tem crescido gradativamente entre os criadores da raça Senepol, principalmente por sua capacidade de reprodução em grande escala. Com a técnica é possível promover um grande salto entre gerações e além disso, permite potencializar ou modificar as características de um rebanho em apenas uma geração. A alta quantidade de oócitos por doadora, bem como a eficiência na conversão de embriões, permite aos criadores produzir um maior volume de filhos de uma determinada doadora ou de um determinado acasalamento. Os números também são expressivos, nos últimos três anos, a In Vitro Brasil produziu mais de 75 mil embriões Senepol, obtendo taxas médias de prenhez acima de 48% utilizando embriões a fresco e 43% com embriões congelados.


Embriões Congelados
Além da contribuição para o melhoramento genético da raça, a FIV também protagoniza a criação de um novo modelo de negócio para os criadores de Senepol, a comercialização de genética via embriões congelados. Os resultados satisfatórios, obtidos por meio desta técnica, também provê ao criador uma maior eficiência na reprodução de seu plantel. A possibilidade de produzir embriões durante o ano todo e armazená-los (congelados) para transferir somente na estação de monta, torna a reprodução dentro da fazenda ainda mais eficiente.

Receptoras
A utilização de receptoras é outro diferencial usufruído por criadores que utilizam a FIV. Os embri- ões produzidos in vitro podem ser transferidos em receptoras (barrigas de aluguel), que apenas desempenharão o papel de gestar o embrião até o seu nascimento. Desta forma, as principais doadoras do plantel ficam disponíveis durante um maior tempo para a aspiração (fornecimento de oócitos).

Otimização do Sêmen
Com a FIV é possível produzir até 70 embriões com apenas uma dose de sêmen. Esta otimização viabiliza aos criadores a utilização dos melhores touros do mercado, gerando uma considerável diluição do custo da genética do macho.

Sêmen Sexado
Com o sêmen sexado torna-se possível trabalhar a reprodução conforme o planejamento da fazenda. Quando a necessidade está voltada à reposição de matrizes (doadoras), utiliza-se o sêmen sexado de fêmea. Quando o objetivo é a produção de tourinhos, o criador pode utilizar o sêmen sexado de macho, obtendo desta forma em média 85% de animais com o sexo desejado.

Produção de Meio-sangue em Larga Escala
A agilidade ofertada pela FIV também pode ser utilizada em prol de projetos para a produção de animais de corte em larga escala. Com a possibilidade de aspirar as doadoras a cada 21 dias, a técnica pode ser utilizada para produzir animais destinados ao abate, utilizando animais melhoradores do próprio plantel. Isto geralmente ocorre na produção de animais meio sangue, o resultado são animais eficientes com menor tempo de abate e maior qualidade de carne e carcaça.

Crescimento
Mediante as inúmeras oportunidades que a FIV oferece, o volume de embriões produzidos, assim como o número de animais FIV registrados na Associação Brasileira dos Criadores de Bovinos Senepol, tem crescido consideravelmente. Nos dois últimos anos, foram produzidos quase 85 mil embriões FIV, enquanto mais de 15 mil animais foram registrados neste mesmo período, um crescimento de mais de 20% de 2014 para 2015.

Fonte: ivbnews, abril/16

Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais