Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 19/04/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Vale quanto pesa? Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio? (por CRI Genética)

Informação | 28 de Abril de 2016

Vale quanto pesa? Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio? (por CRI Genética)

Foto: Divulgação/Assessoria

Quem faz ciclo completo (cria, recria e engorda) precisa se perguntar o que o comprador espera do produto final. Seria o máximo de arrobas possível? Um animal pesado, mas com cobertura homogênea de gordura na carcaça? Ou um animal jovem, com peso moderado, apresentando gordura e marmoreio? As possibilidades de mercado atualmente são muito amplas, portanto comece por definir qual será o produto final e poderemos definir a genética.

Sabemos que cada raça tem características e potenciais diversos e, dentro de uma mesma raça, temos indivíduos com desempenhos diferentes. Isso se deve ao metabolismo deles. Dentro das raças, temos animais mais precoces e mais tardios. Os precoces são aqueles que param de crescer mais cedo e começam a depositar gordura, ou seja, estarão prontos para abate numa idade mais jovem. Os tardios têm grande potencial de crescimento e vão demorar mais para começar a depositar gordura. 

Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio?
A resposta é: depende. 

Depende do seu objetivo e do sistema de produção da fazenda. Por exemplo, dentro de um sistema intensivo, com alimento abundante, em que se remunera por arrobas, o individuo tardio ou “crescedor” é mais interessante, pois me dará mais peso na carcaça final. Em outra situação, em que meu comprador me bonifica por cobertura de gordura e carcaças de peso moderado, o indivíduo precoce será mais interessante.

Primeiramente, vamos analisar o fator raça. No geral, os taurinos britânicos têm bom potencial de crescimento e maior facilidade de deposição de gordura, como o Angus e Hereford. Já os taurinos continentais são extremamente ganhadores de peso, porém com maior dificuldade para depositar gordura, como o Simental e Charolês. Os zebuínos apresentam bom potencial de crescimento e alguma dificuldade na deposição de gordura na carcaça, sendo o Nelore a principal raça.

O segundo passo seria analisar o fator touro. Como citado anteriormente, dentro da mesma raça temos individualidades quanto ao potencial genético. Então, o que fazer para encontrar o touro certo para meu negócio? As DEPs (Diferença Esperada na Progênie) irão nos ajudar. 

Nas provas americanas, para o Angus, por exemplo, utilizamos quatro DEPs para definir o biotipo do touro. São elas: Peso à Desmama (PD), Peso ao Ano (PANO), Altura (ALT) e Gordura (G). Quando temos um touro com PD, PANO e ALT extremos, além de G negativo, estamos diante de um animal de muito crescimento que irá demorar mais para depositar gordura e, naturalmente, precisará de um sistema nutricional intensivo. Já quando temos as quatro características equilibradas, com ALT próximo a média e G positivo, teremos um animal de bom  desempenho, porém com maior facilidade de depositar gordura em idade mais jovem. Vale lembrar que as características de crescimento estão relacionadas ao rendimento da carcaça no frigorífico. Animais com maior potencial de crescimento, se não tiverem o aporte nutricional adequado, podem dar quebra de rendimento, enquanto animais mais precoces, por depositarem gordura mais cedo, podem melhorar sua eficiência no rendimento de carcaça. 

Nas provas nacionais, as do Nelore, por exemplo, também temos à disposição as DEPs para nos orientar, apenas a nomenclatura pode ser diferente. Para as características de desempenho temos Peso à Desmama (PD) e Peso ao Sobreano (P450 ou PS) e para gordura temos ACAB ou EGS. Ambas as medidas de espessura de gordura são por ultrassonografia, porém o ACAB compõe as medidas no Longissimus Dorsi (contrafilé), entre a 12ª e a 13ª costela com a medida na picanha, e EGS apenas a medida no contrafilé. Considerando o fator raça, o fator touro e fazendo uma correta leitura das DEPs, teremos plena capacidade de definir a genética levando em conta os recursos disponíveis e o mercado comprador. Por exemplo, se houver agregação de valor por qualidade da carcaça, talvez valha a pena abrir mão de mais arrobas para usar uma genética que agregue outras características ao produto final. E tenha certeza que é capaz de fornecer um sistema de produção adequado ao produto que pretende entregar. Não existe certo ou errado, existe o melhor resultado para o seu negócio!


Fonte: CRI Genética (por Juliana Ferragute e Daniel de Carvalho)

Maisartigos

  • Como produzir o Touro Jovem Angus nº1? (Ou em outra raça)

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Abril de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Envolvido em nossas tarefas rotineiras com reprodutores e, atualmente, mais com doadores de sêmen ou candidatos a tal, troquei, em 21 de março, várias mensagens com o nosso colega e cliente Ney Conti, da empresa Zebu Fértil. Em uma delas, revisando documentos de novos touros Angus que terão sêmen coletado, falávam...
  • IATF gera ganhos que superam R$ 3,5 bilhões nas cadeias de produção de carne e de leite

    Genética, Informação, Mercado | 28 de Março de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Boletim Eletrônico do Departamento de Reprodução Animal/FMVZ/USP
    Edição 2, de 21 de março de 2019

    (Cada R$1,00 investido na tecnologia gera retorno de R$4,50; Mercado conta com 3.800 especialistas no campo) Segundo estimativas do Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da ...
  • Céu de brigadeiro para a terneirada

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Março de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha Os analistas de mercado se debruçam sobre séries históricas de preços, estoque, abates, mercado futuro, mercado de grãos, precipitação, cenários políticos e econômicos nacional e internacional para traçar tendências de preço para o...
  • Embrapa: Algoritmos no comando das nossas vidas

    Genética, Informação, Mercado | 19 de Fevereiro de 2019
    Foto: Imagens da Internet
    Algoritmos fazem, cada vez mais, parte das nossas vidas, razão por que precisamos entender o que são e as possibilidades que nos oferecem. É fácil entender a função dos algoritmos quando os comparamos, por exemplo, a uma simples receita. Para fazer um bolo é necessário seguir um conjunto definido de instruções ...
  • "Debreia" nas DEPs

    Genética, Informação, Mercado | 15 de Fevereiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Não se assustem, pois não venho aqui questionar ou criticar o uso dos dados dos programas de melhoramento de bovinos, pois participo desta igreja e também sou um pregador da seleção objetiva. Talvez eu faça mais esta pregação que muitos p...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais