Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 20/11/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Vale quanto pesa? Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio? (por CRI Genética)

Informação | 28 de Abril de 2016

Vale quanto pesa? Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio? (por CRI Genética)

Foto: Divulgação/Assessoria

Quem faz ciclo completo (cria, recria e engorda) precisa se perguntar o que o comprador espera do produto final. Seria o máximo de arrobas possível? Um animal pesado, mas com cobertura homogênea de gordura na carcaça? Ou um animal jovem, com peso moderado, apresentando gordura e marmoreio? As possibilidades de mercado atualmente são muito amplas, portanto comece por definir qual será o produto final e poderemos definir a genética.

Sabemos que cada raça tem características e potenciais diversos e, dentro de uma mesma raça, temos indivíduos com desempenhos diferentes. Isso se deve ao metabolismo deles. Dentro das raças, temos animais mais precoces e mais tardios. Os precoces são aqueles que param de crescer mais cedo e começam a depositar gordura, ou seja, estarão prontos para abate numa idade mais jovem. Os tardios têm grande potencial de crescimento e vão demorar mais para começar a depositar gordura. 

Então, qual é melhor? O precoce ou o tardio?
A resposta é: depende. 

Depende do seu objetivo e do sistema de produção da fazenda. Por exemplo, dentro de um sistema intensivo, com alimento abundante, em que se remunera por arrobas, o individuo tardio ou “crescedor” é mais interessante, pois me dará mais peso na carcaça final. Em outra situação, em que meu comprador me bonifica por cobertura de gordura e carcaças de peso moderado, o indivíduo precoce será mais interessante.

Primeiramente, vamos analisar o fator raça. No geral, os taurinos britânicos têm bom potencial de crescimento e maior facilidade de deposição de gordura, como o Angus e Hereford. Já os taurinos continentais são extremamente ganhadores de peso, porém com maior dificuldade para depositar gordura, como o Simental e Charolês. Os zebuínos apresentam bom potencial de crescimento e alguma dificuldade na deposição de gordura na carcaça, sendo o Nelore a principal raça.

O segundo passo seria analisar o fator touro. Como citado anteriormente, dentro da mesma raça temos individualidades quanto ao potencial genético. Então, o que fazer para encontrar o touro certo para meu negócio? As DEPs (Diferença Esperada na Progênie) irão nos ajudar. 

Nas provas americanas, para o Angus, por exemplo, utilizamos quatro DEPs para definir o biotipo do touro. São elas: Peso à Desmama (PD), Peso ao Ano (PANO), Altura (ALT) e Gordura (G). Quando temos um touro com PD, PANO e ALT extremos, além de G negativo, estamos diante de um animal de muito crescimento que irá demorar mais para depositar gordura e, naturalmente, precisará de um sistema nutricional intensivo. Já quando temos as quatro características equilibradas, com ALT próximo a média e G positivo, teremos um animal de bom  desempenho, porém com maior facilidade de depositar gordura em idade mais jovem. Vale lembrar que as características de crescimento estão relacionadas ao rendimento da carcaça no frigorífico. Animais com maior potencial de crescimento, se não tiverem o aporte nutricional adequado, podem dar quebra de rendimento, enquanto animais mais precoces, por depositarem gordura mais cedo, podem melhorar sua eficiência no rendimento de carcaça. 

Nas provas nacionais, as do Nelore, por exemplo, também temos à disposição as DEPs para nos orientar, apenas a nomenclatura pode ser diferente. Para as características de desempenho temos Peso à Desmama (PD) e Peso ao Sobreano (P450 ou PS) e para gordura temos ACAB ou EGS. Ambas as medidas de espessura de gordura são por ultrassonografia, porém o ACAB compõe as medidas no Longissimus Dorsi (contrafilé), entre a 12ª e a 13ª costela com a medida na picanha, e EGS apenas a medida no contrafilé. Considerando o fator raça, o fator touro e fazendo uma correta leitura das DEPs, teremos plena capacidade de definir a genética levando em conta os recursos disponíveis e o mercado comprador. Por exemplo, se houver agregação de valor por qualidade da carcaça, talvez valha a pena abrir mão de mais arrobas para usar uma genética que agregue outras características ao produto final. E tenha certeza que é capaz de fornecer um sistema de produção adequado ao produto que pretende entregar. Não existe certo ou errado, existe o melhor resultado para o seu negócio!


Fonte: CRI Genética (por Juliana Ferragute e Daniel de Carvalho)

Maisartigos

  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais