Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Reposição de matrizes F1 e Tri-Cruzadas (CRI Genética)

Informação | 01 de Junho de 2016

Reposição de matrizes F1 Tri-Cruzadas (CRI Genética)

Foto: Divulgação/Assessoria

A fêmea zebu é a matriz que se adapta melhor às condições climáticas e nutricionais do Brasil, o que permitiu o grande sucesso do cruzamento industrial. Quando usamos sêmen de Angus em uma vacada Nelore somos beneficiados pela heterose e pela complementaridade. O zebu é Bos Indicus e os taurinos Bos Taurus, ambos bovinos, porém com características muito diferentes e que, no cruzamento, se complementam. 

Os animais F1, provenientes do cruzamento do zebu com o taurino, possuem 50% de sangue zebu e 50% de sangue taurino, ou seja, possuem o máximo de heterose. O F1, ou ½ sangue, apresenta ótima capacidade de ganho de peso, qualidade de carne, precocidade de terminação e sexual, características provenientes do taurino, e adaptação a altas temperaturas, baixa exigência nutricional, resistência a endo e ecto parasitas e habilidade materna, provenientes do zebu. 

Inicialmente, era muito comum ver todos os produtos F1, machos e fêmeas, serem destinados ao abate, porém com o melhoramento dos programas nutricionais e a necessidade de se produzir mais bezerros, alguns pecuaristas começaram a usar as fêmeas F1 como matrizes. Essa fêmea tem características maternas muito interessantes,pois produz muito leite e é muito precoce sexualmente (podendo apresentar cio aos 12 meses, ou antes). Cabe lembrar que essa matriz F1, quando adulta, será uma vaca pesada, perto de seus 600 kg, por isso muitos optam por tirar apenas duas crias e depois descarta-las. 

Nesse momento esbarramos em uma pergunta:qual raça usar na F1?

Antes de definir o que usar na F1, devemos ter em mente que o produto deste cruzamento não terá o máximo de heterose e complementaridade, pois naturalmente apresentará composição de sangue pouco maior de meio sangue até ¾ zebu ou ¾ taurino. Assim, a definição da raça para uso na F1 depende do objetivo final do produtor, ou seja, se irão todos para abate ou se há necessidade de repor matrizes.

Se pretende levar ao abate todos os produtos tri-cruzados e possuir um sistema de produção intensivo (confinamento), pode-se optar pelo uso de raças taurinas. No caso de abate de todos os produtos, porém com sistema menos intensivo (suplementação a pasto), pode-se usar raças bi-mestiças, como Braford, Brangus ou Bonsmara, que não é bi-mestiço,
mas apresenta metabolismo similar. 

Quando há necessidade de se repor matrizes, a escolha da raça para usar na F1 deve considerar outros aspectos. As fêmeas tricruzadas passarão toda sua vida em regime de pastagem, por isso devem ser adaptadas ao clima e terem resistência a endo e ecto parasitas, além de, logicamente, terem de produzir um bezerro anualmente. Nesse caso, raças zebuínas são boas opções, pois vão produzir uma fêmea ¾ zebu ou até raças adaptadas, como Caracu e Senepol, que também apresentarão adaptação avantajada em relação à outros compostos ou sintéticos taurinos. 

Para qualquer das raças citadas e seu uso em novilhas F1, precisamos observar a facilidade de parto. Originalmente, zebuínos não nascem pequenos, logo para novilhas devemos restringir ao uso das raças Nelore e Sindi. Em ambas, deve-se preferir, se disponível, touros com DEP (diferença esperada na progênie) para Peso ao Nascer (PN) negativas, pois indicam baixo peso ao nascimento e, se já for um touro provado com alta acurácia, teremos ainda mais confiança. Para vacas, pode-se usar todos os zebuínos. Cuidado com a suplementação no terço final de gestação, pois aumenta o peso do feto e pode gerar problemas de parto mesmo com touros de PN negativo.

Vale lembrar que os machos tri-cruzados, ¾ zebu ou tri-cruzados com raças adaptadas são animais de menor exigência nutricional, então podem ser recriados a pasto, porém terão desempenho inferior aos produtos F1. Pelo grau de sangue é normal ter carcaças mais leves e não apresentarem marmoreio, característica pouco encontrada nos zebuínos ou adaptados. 

Fonte: CRI Genética, por Juliana Ferragute e Daniel de Carvalho 

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais