Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Leilões: História, suas Dinâmicas, e Psicologias - Cap. 7 - Leilão de pecuária mais antigo do Rio Grande do Sul

Informação | 17 de Novembro de 2016

                                                                                                           Texto de: Celso Jaloto Avila Junior – 17/Nov/2016

Faz-se necessário uma pesquisa mais aprofundada para se afirmar exatamente quando se deu o primeiro leilão de bovino no Rio Grande do Sul. Eu acredito que deve ter ocorrido algum leilão de bovino, entre 1910 e 1950, mas não pude confirmar. Entretanto, segundo muitos afirmam, o leilão de bovinos de uma Cabanha, mais antigo do Brasil, e que desde o primeiro ano até hoje, nunca foi interrompido, é o “Remate da Cabanha Santo Ângelo”. Estância que está localizada no município de Barra do Quaraí-RS, próximo da fronteira com a Argentina é um leilão anual, que iniciou sua atividade desde o ano de 1956. Consequentemente, este ano, no dia 05/Nov/16 ocorreu a 60ª edição deste leilão.

Como disse no início do texto, eu não posso afirmar, mas como as feiras agropecuárias no Rio Grande do Sul, começaram a partir de 1901 e se organizaram tornando-se oficiais, a partir de 1937, custa acreditar que desta data até o ano de 1956 ou 1957 não tenha ocorrido nenhum leilão de bovinos aqui no Estado.

Sabe-se também, que a Cabanha Julieta, localizada em Uruguaiana, e que pertencia ao Sr. Flodoardo Martins da Silva, realizou o seu “1º Remate anual de sua produção” em 1956. Constava como leiloeiro no ano de 1960, o Sr. Trajano de Lima e Silva. Mas, como observei, o Remate da Cabanha Santo Ângelo, teve seu início em 1957 e nunca deixou de realizar o seu evento, completando 60 anos neste ano de 2016.

O grupo “Irmãos Bastos Ltda”, fundado na década de 1930, era composto pelos sete filhos do casal Ângelo Martins Bastos e Corinta Carvalho Bastos. Eram eles: Felisbina, Hilda, Antonio, Telmo, Francisco, Ângelo e Luiz. A sociedade foi organizada para explorar as cinco estâncias da família: Pai Passo, Santo Ângelo, Umbu, Palma e Camoati. No início dos anos 40 a Cabanha Santo Ângelo começa a ser organizada com animais da raça Hereford, ovinos das raças Merino e Ideal, e cavalos Crioulos.

Em 1957 é realizado o primeiro remate da família Bastos. Dois dias de remates, um dia de bovinos e outro de ovinos. No primeiro dia Hereford e Aberdeen Angus. No outro dia ovinos Corriedale e Ideal. O remate era realizado na Estância Nazareth e naquele ano vendiam as Cabanhas (Santo Angelo, Camoati, São Bibiano e Paineiras). Este leilão ocorreu sendo realizado na Nazareth até o ano de 1962 e durante todo esse período o Leiloeiro era o uruguaio Juan Victor Ica.

Nesta época este remate era um grande acontecimento para a pecuária gaúcha. Vinham pecuarístas de todo o Estado. Carros e aviões surgiam de todos os lados.

A sociedade dos irmãos Bastos, formada em 1930, terminou em 1962 e a Cabanha Santo Ângelo passou a pertencer ao Dr. Ângelo Martins Bastos Filho. A partir deste ano a Santo Ângelo construiu o seu próprio local de remates e seus leilões permaneceram naquele local, até hoje. Neste ano, surge o Escritório Rural dos Irmãos Bastos Ltda. Trajano Silva assumiu como leiloeiro dos ovinos e Carlos Alberto Martins Bastos (Cabeto) era o leiloeiro dos bovinos.

Nas décadas de 1960 o Rio Grande do Sul, se destaca como pioneiro em leilões rurais do Brasil. Surgem grandes leiloeiros como Trajano Silva, Jarbas Knorr, entre outros, que fundaram suas empresas leiloeiras e que até hoje estão em atividades através de seus filhos e netos.

De 1972 a 1985, todo o remate da Santo Angelo passou a ser realizado unicamente pelo leiloeiro Carlos Alberto Martins Bastos (Cabeto). Porém, a partir de 1985 assumiu como leiloeiro, Fabio Crespo. Lá ele permanece até hoje como leiloeiro daquele remate. Exatamente a partir da década de 80 o cavalo crioulo é incorporado aos remates da Santo Angelo.

Ângelo Martins Bastos Filho ao falecer, em 1983, deixou a propriedade para seus sobrinhos (filhos de Luiz Martins Bastos) Jorge, Luiz Antonio, Carlos Alberto, Cristina e Paulo. Após fazerem uma composição das áreas, a Cabanha Santo Ângelo passou a ser de propriedade de Jorge Martins Bastos, que está a sua frente até hoje.

Hoje o Leilão da Santo Angelo com três parceiros, que estão juntos há mais de 15 anos. Agropecuária Santa Ana e Condomíno Odair Gonzales vendendo animais da raça Braford, e Estância Parayso com Aberdeen Angus.

Ilustrações:
• Fotografias dos Leilões da Cabanha Santo Ângelo – Barra do Quaraí-RS, década de 50 a 60.

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais