Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Leilões: História, suas Dinâmicas, e Psicologias - Cap. 8 - Qualificação técnica dos leiloeiros

Informação | 17 de Novembro de 2016

Diário Oficial da União

Foto: Divulgação/Assessoria

                                                                                                             Texto de: Celso Jaloto Avila Junior – 17/Nov/2016

Em 1844, o Decreto Nº 361 já regulamentava a arrecadação e fiscalização dos impostos a que estavam sujeitas as lojas, casas de comercio e as CASAS DE LEILÃO. Isso nos mostra, que já naquela época a atividade leiloeira estava em franca atividade em nosso País. Primeiro trataram do fisco, para depois regulamentar a atividade leiloeira.

O Código Comercial Brasileiro, promulgado em 1850 pela Lei Nº 556 regulou algumas obrigações profissionais. Ele já distinguia a figura do comerciante dos agentes auxiliares do comércio, tais como corretores, agentes de leilões (LEILOEIROS), guarda-livros etc., e todos estavam sujeitos às leis comerciais vigentes na época.

E para estabelecer critérios e regulamentar a atividade daqueles “Agentes de Leilões”, foi promulgado, em 1851 o Decreto Nº 858 em que se estabeleceu o “Regimento para os Agentes de leilões da Praça do Rio de Janeiro”.

Porém, tal qual conhecemos hoje, a profissão de leiloeiro no Brasil, só foi regulada em 1932 com o Decreto Nº 21.981. E já no seu Art. 1º estabelecia: “A profissão de leiloeiro será exercida mediante matricula concedida pelas Juntas Comerciais, do Distrito Federal, dos Estados e de acordo com as disposições deste regulamento”. Hoje, estas Juntas Comerciais dos Estados são órgãos subordinados ao Departamento Nacional de Registro do Comércio.

Com a evolução desta profissão e com a especificidade da atividade desempenhada no meio rural, em 1961, pela Lei Nº 4.021 foi criada a profissão de LEILOEIRO RURAL. Hoje, entre outras exigências o profissional deve ter a sua matrícula registrada na Federação da Agricultura do Estado onde ele desempenhará a sua atividade funcional. No caso do Rio Grande do Sul, a FARSUL.

O profissional pode trabalhar em casas de leilão, ou em qualquer local onde ocorra o arremate dos produtos oferecidos. Para isto, ele pode ser contratado por bancos, instituições públicas e judiciais ou ainda por particulares que desejam vender seus bens.

A principal atividade desenvolvida pelo leiloeiro é a intermediação na venda de bens, que podem ser: antiguidades, relíquias e objetos históricos, objetos de arte, carros, imóveis, animais e etc.. Para tanto, exige a norma da profissão que o leiloeiro confirme a venda para aquele que oferecer melhor proposta financeira.

Apenas para ilustrar, no Canadá e USA, a atividade é tão difundida, que existem competições anuais de leiloeiros. É uma competição séria onde se escolhe o melhor daquela temporada. Muitos jovens leiloeiros participam do certame, como uma forma de serem conhecidos. O leiloeiro usa de gestos e muita rapidez nas palavras. Veja um vídeo que mostra uma competição desta. É julgado a rapidez e o conhecimento genético e fenotípico do gado que está sendo leiloado. Este vídeo é de 2012, feito na cidade de Turlock, Califórnia.

Ilustrações:
• Young Cattle Auctioneer Champion - America's Heartland
https://www.youtube.com/watch?v=Ea7gn8hhEFA

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais