Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Leilões: História, suas Dinâmicas, e Psicologias - Cap. 11 - Psicologia dos leilões

Informação | 18 de Novembro de 2016

Psicologia dos Leilões

Foto: Divulgação/Assessoria

                                                                                                            Texto de: Celso Jaloto Avila Junior – 17/Nov/2016 (Capítulo Final)



Capítulo de muita importância e que merece ser analisado. Ao comprar em um leilão, normalmente existe um preço mínimo para cada item. Entretanto, em alguns lotes, o preço pago atinge valores que são questionados se realmente em uma comercialização normal aquele preço final teria sido conseguido.

Em um leilão, dependendo do leiloeiro, dos pisteiros, do público comprador, e da especificidade do produto leiloado é possível chegar a um valor final exorbitante. Se o objeto é único, como uma obra de arte, o preço final não tem limite. Em 2013, por exemplo, a pintura “Três Estudos de Lucian Freud”, de Francis Bacon, foi arrematada por US$ 142.405 milhões de dólares. Também em 2013, na Bélgica, um chinês arrematou um pombo-correio por US$ 400 mil dólares. Esse pombo recebeu o apelido de Bolt, em alusão ao atleta jamaicano Usain Bolt, pois a ave se destaca pela rapidez nos deslocamentos ao levar uma mensagem. E você? Se tivesse tanto dinheiro, pagaria toda essa fortuna por um lote leiloado?

O crítico de arte Jerry Saltz define: “Leilões são uma combinação bizarra de mercado de escravos, pregão, teatro e bordel. Eles são entretenimentos rarefeitos, onde a especulação, o transe e a caçada selvagem fundem-se a um reduto que encena um ritual altamente estruturado, no qual os códigos de consumo e de nobreza são manipulados a olhos vistos.”

No momento da compra, em um leilão importante, o “potencial comprador” pode estar interessado em tornar-se conhecido dentro do grupo de criadores de uma determinada raça. E neste momento, o leiloeiro sabe desse comportamento do comprador, e que ele pode estar influenciado por este grupo da qual deseja fazer parte.

O leiloeiro é a figura central da coreografia e a psicologia do leilão. Ele busca estabelecer o ritmo de venda. Nesse momento, a pressão psicológica aumenta conforme ele acelera as ofertas e motiva os compradores em torno de um lote. O comprador, por sua vez, em determinado momento tem poucos segundos para reavaliar a sua decisão para um novo lance. Neste momento está estabelecida uma verdadeira competição financeira entre o “ganha ou perde”.

É um equívoco supor que, em lotes de elite, o leilão irá produzir um “valor justo”. Em determinado momento o leiloeiro saberá colocar dois compradores interessados em uma disputa um contra o outro. Neste momento o ego conduzirá as negociações. Inconscientemente, neste momento, os compradores comportam-se de forma “irracional”, a vezes egoisticamente e deixam de agir de forma racional. Na verdade, eles não percebem que estão em um jogo e que a “vitória” nos impulsionam para a recompensa final.

Porém, pesquisas mostram que não é esse o motivo. Especialistas de economia, neurociência e “behavioural economics” (profissionais que estudam os efeitos de fatores psicológicos, sociais, cognitivos, e emocionais nas decisões econômicas de indivíduos e instituições e as consequências para preços de mercado), chegaram a conclusão que não é a sensação de vitória o estímulo, mas sim o “sentimento de perda”. Ou seja, a possibilidade de perder a oportunidade de compra que leva alguém a dar o último lance.

Muitos aconselham, escolha o seu lote e faça uma avaliação de quanto você está disposto a pagar. Anote o seu valor de mercado e o “seu valor máximo”. Acima disso é pura emoção. Você estará entrando em um “terreno minado” onde o martelo do leiloeiro é a batuta do maestro que irá conduzir a sua ópera para o ritmo que ele desejar.

“......eh!....eh!... parou!!! ........ (o martelo é percutido) ........Vendido para o Sr. Fulano de Tal”

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais