Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 15/12/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Por que touro TOP 0,1 nem sempre é o melhor?

Genética | 21 de Março de 2017

Luiz Antonio Josahkian é Superintendente Técnico da ABCZ.

Foto: Assessoria de imprensa ABCZ

Mudamos a forma de selecionar os animais. Destaque para o quase total abandono da percepção humana para inaugurar a era do computador. Computadores ajudam, mas sozinhos não resolvem nossos problemas porque ainda é um ser humano que toma a decisão final. Computadores também não saem por aí observando e interpretando o mundo à sua volta. Quem faz isso é gente.

Um programa de seleção deve seguir alguns passos, entre eles, conhecer o sistema de produção até enxergar qual é o tipo de animal adequado e analisar o mercado para saber se esse produto tem demanda. Pronto, já sabemos o que podemos e o que devemos produzir e agora estamos habilitados a definir os critérios de seleção. É sempre bom lembrar que as características ligadas à reprodução são inegociáveis e precedem quaisquer outras, simplesmente porque não se seleciona o que não existe.

Agora sim, podemos determinar o que medir, como medir e em quem medir, adotando características com boa resposta à seleção, fácil mensuração, baixo custo para obtenção e reconhecimento pelo mercado. Bom, mas até agora discorremos sobre como deve ser feito. Mas será que fazemos assim? O mais provável é que (sem generalizar) negligenciamos ou subestimamos todos esses passos, o que nos traz novamente a nossa pergunta: por que TOP 0,1 nem sempre é o melhor? Primeiro, é preciso entender como se obtém o TOP. Ele é baseado em um índice de seleção, é expresso em percentual e representa a posição de um determinado indivíduo em uma população.

O que se faz é obter o índice de cada animal, considerando todas as características, e depois classificá-lo em uma segmentação que vai de 0,1 (os melhores) a 100 % (os piores). Mas isso ainda diz pouco. Isso é só matemática. Biologicamente, sobre o que estamos falando? Índices de seleção traduzem um agregado genético onde atribuímos diferentes ponderações para cada característica, sempre tentando dar maior peso às características biologicamente mais efetivas e de maior valor de mercado.

Como atribuímos diferentes ponderações para as características, é possível que um animal seja negativo em uma característica dentro do índice e seja muito bom em outra. Neste caso, ele pode chegar a ser um TOP 0,1 porque houve uma compensação. E finalmente chegamos à resposta para o questionamento do por que nem todo TOP 0,1 é sempre o melhor. Isso não faz do conceito TOP o vilão da história.

Como qualquer informação, ela precisa ser bem utilizada. Índices são necessários para lidar com muitas características e com muitos animais. O que precisa ser mudado é a interpretação do TOP. Sempre que se deparar com essa informação, lembre-se que ela está indicando a posição do animal em uma população, com base em um critério. Isso é muito eficiente para uma primeira apartação, mas depois você precisa analisar todos os valores genéticos dos indivíduos que te interessaram. Ao fazer isso, temos dois benefícios imediatos:

1) conhecer quais características foram analisadas e se elas interessam à sua seleção e,

2) saber se o animal é negativo para alguma característica. Por fim, é preciso admitir que não temos avaliação numérica para todas as características e, por isso, uma vez feitas as análises dos dados objetivos, volte a olhar para os animais e avalie o que não foi contemplado com números (e nem por isso menos importante), tais como a funcionalidade, os aprumos, a pelagem, o valor adaptativo ("fitness"), a harmonia.

Top 0,1 é um bom começo, mas não é um fim em si mesmo. Então, da próxima vez que se deparar com um Top 0,1 pergunte-se: "certo, e o que mais temos aqui?".

Por Luiz Antonio Josahkian | Superintendente Técnico da ABCZ

Fonte: Revista Globo Rural, ed. Fevereiro 2017

Maisartigos

  • ANGUS: touros com mais de 500 filhos avaliados

    Informação | 15 de Dezembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Os sumários de touros são boas fontes para compreendermos os movimentos que as raças vivem. As informações disponíveis vão muito além de saber a DEP do touro A ou B para peso ao nascer, perímetro escrotal e diferentes índices (desmam...
  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais