Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 15/11/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Combinação imbatível: IATF, cruzamento e touros melhoradores

Informação | 30 de Julho de 2017

Por Fernando Furtado Velloso
Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha 



Para a boa eficiência reprodutiva dos rebanhos de corte precisamos emprenhar a vaca no máximo até 85 dias pós-parto, assim manteremos o intervalo entre partos limitado a 12 meses, produzindo então 01 bezerro/vaca/ano dentro da estação reprodutiva.

Nos EUA, os rebanhos de cria tem alta eficiência reprodutiva, pois as matrizes são mantidas com ótima condição corporal o ano todo, sendo possível ter altas taxas de prenhez sem necessariamente usar de algum protocolo hormonal. É uma opção por maximizar o desempenho animal (alta taxa de prenhez e altos pesos ao desmame) em detrimento do desempenho por área.

No Brasil, na maioria das vezes, a vaca de cria sofre restrições alimentares em alguns períodos do ano, necessitando algum manejo diferenciado (ex: Desmame Precoce) ou “apoio” hormonal para repetir cria no período de até 85 dias pós-parto. É um sistema de produção que opta por buscar a combinação de desempenho animal e desempenho por área.

A situação descrita de forma bem simplificada aqui explica o porquê do crescimento impressionante do uso de protocolos hormonais para indução e sincronização de cio, a IATF (Inseminação Artificial à Tempo Fixo), nos últimos 15 anos no Brasil. Observe os seguintes dados:

  • a)       Em 2002 apenas 1% das vacas eram inseminadas com IATF.  A participação alcançou 85% das matrizes inseminadas em 2016;
  • b)       O incremento de IATF permitiu que saíssemos de 5 a 6 % de vacas inseminadas no Brasil (no início dos anos 2000) para                   aproximadamente 10 a 12 % atualmente;
  • c)        Em 2016, mesmo em um mercado de inseminação que reduziu 7%, o uso da IATF aumentou em 5,1 %;
  • d)       O mercado de genética de raças taurinas (especialmente a Angus) cresceu ativamente com o uso da IATF. Em 2005 vendeu-se aprox. 1 milhão de doses deste grupo, alcançando mais de 5 milhões de doses em 2015. Um crescimento de praticamente 500% em 10 anos. 
Confira esta evolução no gráfico - Mercado de IATF no Brasil – (Pietro Baruselli, USP - 2016) 

O produtor brasileiro venceu a resistência ao uso da técnica e os resultados de campo vêm tornando-se cada vez mais consistentes. Os trabalhos do Grupo GERAR (Zoetis) mostram resultados médios de prenhez (na primeira IATF) de 48% em 2007, subindo para 52% em 2016. Deve-se observar que no último ano, os dados são a media de mais de 800 mil matrizes inseminadas.

O sucesso dos protocolos de IATF depende de múltiplos fatores. Alguns dos itens mais importantes tornaram-se mais acessíveis nos últimos anos no Brasil, considerando a relação de troca do kg boi versus o custo do insumo. Esta afirmação é verdadeira e facilmente comprovável para vacinas reprodutivas (IBR/BVD/Lepto), protocolos hormonais e também para o custo do sêmen.

O incremento de produtividade dos rebanhos através do uso de touros melhoradores está fartamente demonstrado pela pesquisa e por dados de campo. Na Argentina, o pesquisador Cutaia (2003) demonstrou superioridade de 35 kgs no desmame para filhos de IATF, obtendo 169 kgs para os filhos de monta natural e 204 kgs para os filhos de IATF.  As diferenças foram consideradas como 21 kgs devidos à idade (nascidos mais cedo) e 14 kgs devidos exclusivamente à genética superior dos pais. Trabalhos da EMBRAPA mostram claramente que é possível obter um Ganho Genético (Delta G) de 5 a 10% no peso ao desmame com touros melhoradores comparados com touros comuns. No exemplo prático usado a desmama partia de 180 kgs (touro comum) para 200 a 210 kgs com o uso de touros provados. Este ganho deu-se exclusivamente pelo mérito genético dos animais e pode ainda ser melhorado com kgs adicionais propiciado pelo nascimento mais cedo dos animais de IATF. 

O cruzamento é uma das poucas tecnologias em pecuária com “custo zero” e com impactos elevados em produtividade. O uso dele depende somente da decisão do produtor e da definição de um sistema simples e bem conduzido. O peso ao desmame pode ser elevado em 10 a 12 % num produto F1 (Europeu x Zebuíno) através da heterose do produto. Se a matriz for cruzada e o touro também (Sintético) o peso ao desmame pode ser elevado em até 20%, somando-se os efeitos da heterose individual e maternal. A IATF é um grande facilitador para programas de IATF, pois podemos trabalhar com mais que uma raça via inseminação, mas podemos simplificar o repasse com touros usando somente a raça mais apropriada ao ambiente de produção.
O uso de IATF, touros melhoradores e programas de cruzamento bem conduzidos é a combinação técnica perfeita para grandes ganhos em produtividade. São técnicas conhecidas dos produtores, comprovadas pela pesquisa e com custos mais acessíveis nos últimos anos. Insemine e cruze com touros superiores!

*Artigo publicado no Catálogo Select Sires do Brasil - 2017/2018

Referências bibliográficas:
- Estimativa do Mercado de IATF no Brasil (USP, 2016)
- Relatório Index ASBIA 2016;
- Benchmarking Gerar - Corte;




Maisartigos

  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...
  • A internet, os acessos e a revista impressa

    Genética, Informação | 13 de Julho de 2019
    Foto: Assessoria de Imprensa ABS
    Acredito que todo aquele que escreve uma coluna, um artigo ou uma crônica tenha muita curiosidade de saber se é lido, se é lido por muitos, se o tempo dedicado em reunir palavras e ideias gerou interesse e teve utilidade para quem o lê. Não é busca por aprovação ou aplausos, mas o interesse
    real em saber a opiniã...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais