Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 09/12/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Contribuição da transferência de embriões para o melhoramento genético do Hereford e Braford através do PampaPlus

Genética | 15 de Setembro de 2017

Produtos TE e FIV de acordo com informações da receptora

Foto: Associação Brasileira de Hereford e Braford

Por: Fernando F. Cardoso; Médico Veterinário, M.S., Ph.D., Chefe Adjunto de PD&I Pesquisador A - Melhoramento Genético Animal, Embrapa Pecuaria Sul 

O uso das técnicas de transferência de embriões (TE) e fertilização in vitro (FIV) nos rebanhos Hereford e Braford tem sido crescido nos últimos anos com objetivo de acelerar a multiplicação dos animais geneticamente superiores (ver Figura a baixo).

 

A adoção dessas técnicas pode apresentar grandes vantagens ao melhoramento genético, porque possibilita o aumento da intensidade e da acurácia de seleção das fêmeas e também a redução do intervalo de gerações, o que proporciona maior taxa de ganho genético. Também pode-se melhor aproveitar o sêmen de touros muito caros fertilizando vários embriões in vitro com uma única dose.

Entretanto, para efetivamente capitalizar o potencial dessas técnicas para o aumento do progresso genético, alguns cuidados precisam ser tomados. Os principais são:

1) Escolha das doadoras de embriões. Essas devem ser realmente superiores, de preferência com avaliação de progênie, mas se o produtor decidir usar suas novilhas top para reduzir o intervalo de gerações, deve observar sua avaliação a medida que os dados de sua progênie são gerados;

2) Seleção das receptoras e o registro completo de informações sobre elas;

3) Avaliação genética dos animais oriundos de TE e FIV, pois como os demais produtos do rebanho deverão passar pelo crivo da avaliação individual e seleção.

Do ponto de vista da avaliação genética, a principal diferença é que os produtos de TE e FIV tem duas mães. A doadora que é a mãe biológica e contribui com o desempenho de origem genética e a receptora que contribui com sua habilidade materna para o desenvolvimento do indivíduo (Figura 2).

Figura 2. Modelo de efeitos genético direto, genético materno e de ambiente permanente materno no desempenho até a desmama



 Portanto, o modelo de avaliação genética para características até a desmama precisa ser modificado para atribuir os efeitos maternos para a receptora e não para a mãe biológica. Embora há bastante tempo, Schaeffer e Kennedy (1989) e Van Vleck (1990) tenham proposto as fórmulas para correta estimação dos efeitos genéticos aditivos usando informação da doadora dos embriões ou oócitos e dos efeitos genético materno e de ambiente permanente materno utilizando a informação da receptora, muitos programas de melhoramento ainda não utilizam esses modelos por limitação de software e disponibilidade de informação adequada para as receptoras.


 

A partir de 2016, com adoção do Software Intergen 1.3, desenvolvido na Embrapa Pecuária Sul, o PampaPlus passou a considerar os dados de desmama nas avaliações genéticas dos produtos TE e FIV. O principal ganho com isso é a maior acurácia da avaliação genética das doadoras, de produtos TE ou FIV e dos touros usados nesses acasalamentos. Um estudo com os dados de Pampaplus demonstrou que além desses ganhos em acurácia, melhora-se a herdabilidade e a tendência genética para o peso à desmama dos produtos TE e FIV (Junqueira, 2014). Na Figura 3, mostramos os ganhos crescentes em acurácia das avaliações de peso à desmama de touros em função do percentual de filhos TE e FIV que possuem.

Entretanto, para que se possa usufruir desses benefícios precisamos ter necessariamente três dados das receptoras:


Identificação única dentro do rebanho, composição racial e data de nascimento.

Isso é essencial para que se reconheça a mesma receptora em partos diferentes e se ajuste as diferenças de habilidade materna devido ao grupamento genético (p.ex., entre cruzas com zebuíno vs. britânicas puras) e idade da receptora (p.ex., primíparas vs. multíparas), possibilitando a estimativa mais acurada de seus efeitos maternos. Além, disso se a receptora for registrada, isso deve ser informado e será considerado na avaliação genética, combinando seu desempenho como produto, mãe e receptora. O percentual atual de informações completas das receptoras no Pampaplusnet é inferior a 30%, portanto, somente esse percentual de animais que pode ter avaliações mais precisas. A seguir detalhamos como proceder e informar corretamente os registros de TE e FIV no Pampaplusnet:

1. Cadastrar a receptora no Pampaplusnet. Informar identificação única, composição racial e data de nascimento. Se a receptora for comprada essas informações podem ser estimadas pelas suas características fenotípicas e dentição. Se for uma fêmea controlada no rebanho ou registrada, apenas selecionar a partir da base de dados do criador. Informar a receptora somente uma vez, mesmo se ela for usada por mais de um ano.

2. Cadastrar as coberturas e os nascimentos de TE e FIV. Atentar para correta seleção da mãe e receptora.

3. Formar grupos contemporâneos de produtos TE e FIV. Sempre que possível manter no mesmo grupo de manejo e regime alimentar todos os produtos filhos de TE e FIV de cada safra. Buscar também a padronização da composição racial das receptoras dentro do grupo de manejo, para diminuir as diferença de efeito materno.

Um vez adotados rotineiramente os passos acima, os criadores de Hereford e Braford que investem em TE e FIV e participam do Pampaplus poderão contar com os benefícios de uma avaliação genética mais acurada de seus produtos e consequentemente maior progresso genético de seus rebanhos.

Fonte: Publicado na revista Pampiano da ABHB/2016

Maisartigos

  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais