Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/06/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Carlos Nabinger: Carne não é cigarro

Carne | 17 de Setembro de 2017

Carlos Nabinger: Carne não é cigarro

Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS

Ser vegetariano ou vegano é uma decisão individual à qual não cabe contestação. Respeito a posição manifestada pela jornalista Claudia Laitano em seu artigo “Verde é a cor mais quente” no caderno Doc. de Zero Hora do último fim de semana. Mas, para isso não se deve culpabilizar hábitos alimentares que acompanham o ser humano ao longo de sua evolução. Somos milenarmente onívoros, pois nossos genes se adaptaram a diversificados hábitos alimentares através de pelo menos 100 mil gerações como caçadores-coletores, e mais 500 gerações como também agricultores. Não mais do que 10 gerações decorreram depois do advento da moderna sociedade industrial. 

E o mais dramático ocorreu nas duas a últimas gerações, isto é, menos de 50 anos
, quando passamos a ingerir alimentos cada vez mais processados (açúcar refinado é um bom exemplo). Nosso genoma precisará de outras milhares de gerações para se adaptar a essa nova condição. A dieta de nossos ancestrais continha de cinco a 10 vezes mais fibras, ácidos graxos n-3, antioxidantes, vitaminas e outras substâncias nutricionais valiosas, além de três vezes mais proteínas. O verdadeiro problema então não é o consumo de carnes, mas sim a dieta desequilibrada destes tempos do “tudo pronto”. Obviamente que a qualidade da carne depende fundamentalmente da dieta dos animais e das condições de processamento e conservação, da mesma forma que a dos vegetais depende de como foram cultivados e também processados e conservados.

Além do mais, cabe lembrar que a alimentação humana sempre esteve ligada às ofertas do território em que vivemos. Os dois biomas presentes no território rio-grandense ou são eminentemente herbáceos (Pampa) ou contém encraves também campestres (Mata Atlântica), ou seja, são pastoris. Foi essa condição natural o determinante para que a pecuária se tornasse a principal atividade econômica pós-colombiana e também a nossa base alimentar. E isso sem necessidade de desflorestar, pois o pasto já estava pronto e naturalmente equilibrado pela presença de uma riqueza ímpar no mundo.

Nessa condição, em que os animais são criados de forma extensiva, com possibilidades de selecionar uma dieta muito diversificada, a composição da carne é altamente salutar, com uma relação n-6, n-3 (ácidos graxos) similar a de alguns peixes, com alta proporção de CLA (ácido linoleico conjugado), com proteína de alta qualidade e nutrientes fundamentais como ferro, zinco, magnésio, vitaminas E e do grupo B. Os produtos assim obtidos, desde que certificados, provêm de animais criados dentro de regras das boas práticas agropecuárias (que não incluem confinamentos), abate humanizado, sob rígidos padrões sanitários e sem prejuízos ao ambiente. Essa pecuária, bem praticada, é mitigadora de impactos ambientais causados por outras atividades antrópicas, sobretudo as urbanas. E ela provém do verde de nossos campos, ou seja, daquela que “é a cor mais quente”.

Queiramos ou não, somos seres heterotróficos e dependemos de outros seres vivos: plantas e animais. E quem pode afirmar que vegetais não sofrem, que foram produzidas sob as mais rígidas condições sanitárias e que não possuem resíduos tóxicos? Portanto, nem tanto ao céu e nem tanto à terra: precisamos de uma dieta equilibrada e sem riscos para a saúde. Carne não pode ser comparada ao cigarro. Essa figura de linguagem, utilizada pela ilustre jornalista, provém de um documentário nada científico e altamente tendencioso. Sua utilização é irresponsável, sensacionalista e traz e pouca reflexão sobre o que isso pode significar para o público leigo. 

Carne não é veneno: cigarro sim!

Por: Carlos Nabinger, mestre em Fitotecnia e doutor em Zootecnia, professor da Faculdade de Agronomia da UFRGS 

Fonte: Zero Hora (16/09/17)

Maisartigos

  • O nome do terneiro gaúcho é R$ 6,50

    Informação | 14 de Junho de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na data que redijo este texto (23/05), está praticamente encerrada a temporada de outono das feiras de terneiros no Rio Grande do Sul. Restam ainda alguns leilões neste final de maio e início de junho, mas estamos quase no fim. Quando os a...
  • Brangus: ABB e Ufrgs assinam convênio de cooperação técnica

    Informação | 10 de Junho de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Acordo prevê atividades de pesquisa na área de tecnologia de imagens e transferência de material genético e equipamentos Um convênio de Cooperação Técnica entre a Associação Brasileira de Brangus (ABB) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul foi assinado nesta segunda-feira, 10 de junho, em Porto Alegre ...
  • Santa Maria sediou a III Exposição Nacional de Rústicos Brangus

    Exposição, Informação | 07 de Junho de 2019
    Foto: Bezier Filmes
    A III Exposição Nacional de Rústicos Brangus, promovida pelo Núcleo Brangus Sul, ocorreu nos dias 15 a 17 de maio no Parque de Exposições da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e integrou a programação da 28ª edição da Encorte. O julgamento, realizado no dia 17, contou com a participação de dez criat...
  • MAPA: Avançam negociações para exportação de gado vivo para Laos

    Informação | 03 de Junho de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Secretário adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Mapa esteve no país na última semana em missão oficial
    O governo de Laos vai enviar cartas oficiais aprovando integralmente os requisitos propostos pelo Brasil para a exportação de animais vivos (bovinos para reprodução, engorda e abate) e carne de ave...
  • EUA: Uso crescente de sêmen de corte em vacas de leite (Por Dr. Bob Hough)

    Informação | 29 de Maio de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Manter-se rentável ano após ano nos negócios agropecuários não é tarefa fácil. Talvez não haja um caso maior disso do que com os produtores de leite, lutando com baixos preços do produto por anos. No entanto, os produtores de leite estão percebendo que  a cerca de 5 milhões de novilhas em idade reprodutiva e...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais