Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 03/04/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Crime de abigeato: Prejuízos no campo, consequências na cidade

Informação, Mercado | 23 de Outubro de 2017

Crime de abigeato: Prejuízos no campo, consequências na cidade

Foto: Divulgação/Assessoria

Por: Fernando Tonet

No dia 25 de agosto do corrente ano, me reuni na 40° Expointer com o Deputado Estadual Sérgio Turra, o Deputado Federal Jerônimo Goergen, o Médico Veterinário representante do Simvet/RS João Júnior, a Médica Veterinária Gabriela Zancanaro, e representante da radiosul.net Leôncio Severo, para discutir o aumento dos números referentes ao crime de abigeato no estado do Rio Grande do Sul, e propor novas medidas de proteção ao produtor e ao consumidor.

Após nosso debate, na segunda-feira dia 28 de agosto, a casa da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, decidiu de forma favorável a novas medidas contra o crime de abigeato. Na quinta-feira dia 31 de agosto, o Governador do estado, sancionou Lei criando delegacias especializadas em crimes rurais.

O crime de abigeato, ou furto de animais, tem como vítima direta o produtor rural, suprimindo bens que garantem sua subsistência e de sua família, mas o produtor rural não é a única vítima do crime, visto que a prática comumente submete a carne a má conservação/cuidados durante e após o abate, o que coloca no mercado um produto de baixa qualidade e possivelmente nocivo à saúde do consumidor – isso sem contar com a crueldade com que os animais são abatidos, muitos sendo carneados ainda vivos.

Resultado do crime também é o encarecimento da carne de qualidade no mercado, visto que o abigeato diminui a quantidade de carne nas mãos do produtor idôneo o que acaba por tornar a criação de gado mais custosa.

O abigeato representa a perda de ativos para o produtor rural, o aumento do custo proporcional de produção, a perda da qualidade para o consumidor desatento, e o encarecimento da carne de qualidade para o consumidor atento à origem da carne que compra. Dados recentes demonstram que o abigeato é responsável por 20% dos abates clandestinos de animais, no Rio Grande do Sul, segundo a Secretaria de Agricultura.

É verdade que no Estado do Rio Grande do Sul existem diversas delegacias especializadas, porém não tínhamos delegacias especializadas em crimes rurais, o que caracteriza um flagrante descaso em relação ao assunto, visto que a agricultura do estado é das mais fortes e representativas do país.

Essa era uma das principais e mais antigas demandas do setor produtivo gaúcho, e o objetivo da delegacia especializada é intensificar o combate aos delitos na área rural, que comumente não são observados pelos olhos da lei. Segundo dados obtidos com base na Lei de Acesso a Informações Públicas, nos anos de 2015 e 2016, as 10 cidades em que esse tipo de crime mais ocorreu registraram 3.358 casos, mas apenas 198 inquéritos com indiciamento foram remetidos ao judiciário, ou seja, 5,9% do total.

No estado de Goiás, após a criação das delegacias especializadas houve uma redução de 60% no número de crimes de abigeato. Porém, não bastam apenas delegacias especializadas, a prática já demonstrou que sem a ajuda direta das Associações e Cooperativas, as ocorrências não cessam, assim, uma boa gestão participativa, entre Associações Rurais, Cooperativas Agrícolas, Polícia Civil e Brigada Militar, podem ser o próximo passo para diminuir ainda mais, e, quem sabe, erradicar os crimes rurais.

Fonte: Bertol Mosena Tonet Advogados Associados 

Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais