Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 15/10/2018

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Castrar ou não castrar seus terneiros, será que esta é a questão?

Genética, Informação, Mercado | 09 de Novembro de 2017

Nos últimos tempos tenho sido muito questionado por criadores e produtores de terneiros sobre se devem ou não castrar sua produção.

Prontamente, respondo que não tenho a menor dúvida (opinião particular minha, e espero que respeitem, apesar de alguns discordarem), de que na conjuntura atual de mercado, sou totalmente a favor de que deixem seus terneiros INTEIROS, pelo menos, nos primeiros meses até o começo da safra, até eles atingirem algum determinado peso. E digo isso por diversos motivos, entre eles a valorização que TERNEIROS INTEIROS ultimamente têm tido em relação aos castrados no RS.

O mercado gaúcho, de invernadores, principalmente, busca por terneiros castrados, mas um mercado atualmente muito aquecido, onde hoje a procura é maior que a oferta, como o mercado dos outros estados da federação que comumente vêm buscar animais aqui e o mercado da exportação de gado em pé, basicamente, só compram terneiros INTEIROS, valorizando às vezes até 20% a mais o terneiro INTEIRO em relação ao castrado. Não se baseando somente nestes aspectos, produtores que vendem terneiros, ao não castrar, permitem que sua produção não passe pelo stress, perda de peso, entre outras coisas.

Então agora eu pergunto:

-Porque não aguardar para castrar em outra fase, castrar no inverno, se caso após a época de maior concentração de vendas como a safra de março, abril, maio e até junho não tiver conseguido vender a estes mercados que citei anteriormente?

-Se os mercados melhores pagadores pedem terneiros inteiros, por que vamos nadar contra a maré, castrando ao nascer?

-Porque descartar este mercado tão prematuramente?

Por isso que sempre falo: A QUESTÃO NÃO É CASTRAR OU NÃO CASTRAR, A QUESTÃO QUE DEVE SER DISCUTIDA É A ÉPOCA EM QUE DEVEMOS FAZER OU NÃO ESTE MANEJO!!!

Se o mercado de inteiros não estiver bom até uma determinada data que não altere tanto o manejo da fazenda no dia a dia, castre, mas não perca a oportunidade de atender ao mercado de inteiros, pelo menos por algum tempo.

Após castração, não tem mais como colar suas bolas para torná-los inteiros novamente, mas se o mercado se tornar favorável aos castrados, é só fazê-la.

Portanto não vejo por que a dúvida e a discussão, em alguns casos, até ferrenha sobre isso.

Meu conselho: inicialmente não castre, não vá com tanta sede ao pote, aguarde e depois de estudar os mercados e ver como estão se comportando, aí sim, decida qual a melhor opção para você.

Por: Méd. Veterinário Eduardo Lund
Fonte: Lund Negócios

Maisartigos

  • RECALADA: Genética ANGUS para a Pecuária Intensiva

    Genética, Informação | 01 de Outubro de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O plantel ANGUS RECALADA é bem jovem e neste leilão traz a sua primeira geração de touros para comercialização. Apesar do pouco tempo de criação, a Recalada já arranca na frente de muitos dedicados a produção de reprodutores: tem muito claro seus objetivos de seleção e que genética seus animais fornecerão ...
  • Índices, a corrida pelo TOP 0,1% e o Camaro Amarelo

    Genética, Informação | 14 de Setembro de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Os programas de melhoramento genético de bovinos se popularizaram entre os selecionadores, especialmente por exigência do mercado. Nem sempre por convicção dos produtores de genética. Os compradores de touros vêm, gradativamente, valorizand...
  • EXPOINTER 2018: é a hora do touro!

    Genética, Informação | 27 de Agosto de 2018
    Foto: Zero Hora
    Med. Vet. Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha A Expointer está no nosso calendário mental como a hora de pensar no assunto “reprodutores”. É a hora do touro. Seja o touro para a monta natural ou via inseminação artificial, técnica que avança muito em função do necessár...
  • Brangus: a importância da genética nacional nas Centrais de Inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 12 de Agosto de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A Associação Brasileira de Brangus (ABB), com suporte da Assessoria Agropecuária, realizou um levantamento dos touros Brangus nacionais ativos nas centrais de inseminação. Apesar de ser uma informação simples, servirá de base para melhor ...
  • Genética Angus Rio da Paz: repetição de processos de seleção bem feitos

    Genética, Informação, Leilões | 01 de Agosto de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A construção de um bom rebanho para ofertar touros produtivos para o mercado vem da convicção em critérios técnicos. Vou repetir neste texto alguns conceitos abordados neste catálogo de touros nos últimos 3 anos, pois genética que funcio...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais