Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 19/07/2018

Redes sociais

Agendade eventos

Últimasnotícias

Rio Grande do Sul abre portas para raças sintéticas

Informação | 16 de Junho de 2018

Rio Grande do Sul abre portas para raças sintéticas

Foto: Carolina Jardine

Potencial do mercado é demonstrado pelo aumento de remates por pecuaristas da região

De um lado, a tradição das raças europeias e do gado criado a campo nativo no Pampa, famoso pela carne apreciada mundialmente. De outro, o imenso rebanho de gado Nelore, dotado da rusticidade necessária para enfrentar o Cerrado. O “casamento” entre estes dois sistemas de produção tem provocado uma demanda crescente por genética de qualidade – que tem no Rio Grande do Sul um dos principais fornecedores – no Centro-Oeste, região que concentra 34,2% do rebanho bovino do país. O potencial deste mercado é demonstrado pelo aumento dos remates voltados a esses pecuaristas; pela iniciativa das associações de raça, que têm fomentado o cruzamento por meio dos seus programas de carne; e pela formação de novos núcleos de criadores em regiões tropicais.

Depois de ser influenciada pelo aumento do consumo de carne, a expansão da genética também sofreu impactos da instabilidade econômica dos dois últimos anos. Entre 2014 e 2016, por exemplo, a venda de reprodutores do Rio Grande do Sul para outros estados saltou de 1,5 mil exemplares para 3,1 mil. No entanto, no ano passado, o número caiu para 2,7 mil. Os dados são do Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (Nespro) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). “A compra de reprodutores é puxada pelo preço do terneiro, e em 2017 houve uma queda expressiva no Brasil Central. A queda do preço do boi gordo também contribuiu para um desaquecimento”, observa o coordenador do Nespro/Ufrgs, Julio Barcellos.

Apesar do impacto da crise, o prêmio por carne de qualidade de raças britânicas e suas cruzas nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília foi um grande “puxador” para a pecuária gaúcha, segundo Barcellos, o que incentivou a aposta em raças como a Brangus e a Braford no Cerrado. “É um aumento de demanda com um potencial que ainda não conhecemos, mas que é muito superior ao que imaginamos, pois o Brasil tem no Centro-Oeste aproximadamente 50 milhões de vacas à espera do cruzamento”, comenta Barcellos.

Segundo o especialista, o fato de o Rio Grande do Sul ser um “celeiro de genética” cobra a obrigação de buscar inovação e produtividade. “O cliente do Brasil Central quer reprodutores oriundos de fazendas eficientes, que tenham boas práticas de produção, bons resultados e indicadores invejáveis”, observa.

A entrada do sangue taurino ocorre principalmente via inseminação artificial. Isso porque as raças europeias – como Angus, Hereford e Devon – enfrentam problemas de adaptação fora do Sul do Brasil, devido à diferença de clima e dificuldades de combate ao carrapato. “Em função disso se fortaleceu o mercado para os sintéticos, principalmente Brangus e Braford”, afirma o consultor Fernando Velloso, da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha . A inseminação, porém, responde pela maior fatia deste mercado. Além disso, cerca de 70% da genética comercializada no país – 4 milhões de doses por ano no caso do Angus – ainda é importada.

O crescimento deste mercado foi influenciado pela demanda por carne de qualidade também de fora do Brasil. Assim como ocorre no Rio Grande do Sul, os pecuaristas do Centro-Oeste também exportam terneiros vivos, em especial para o Oriente Médio. Os embarques ocorrem principalmente pelos portos de Santos (SP) e Belém (PA). “Para atingir os mercados de carne de qualidade, tanto nacional quanto internacional, é necessária a genética taurina”, explica o pesquisador Fernando Cardoso, chefe de pesquisa e inovação da Embrapa Pecuária Sul, de Bagé. Se por um lado, conforme o especialista, o zebuíno encontra-se altamente adaptado às condições tropicais, a sua carne é mais dura, o que justifica o intercâmbio genético.

Na opinião de Cardoso, é possível o Rio Grande do Sul se consolidar como repositório de genética do Brasil Central e, ao mesmo tempo, aumentar a sua produtividade de carne. “Nosso grande desafio é focar a seleção, nos nossos criatórios, em animais que tenham boas características de carcaça e adaptação, ou seja, resistência ao carrapato, pelo curto e maior tolerância ao calor”, acredita. O aperfeiçoamento desta genética pode favorecer a abertura de mercado para outras regiões tropicais. Cardoso cita que o continente africano e a Austrália são vistos como algumas das próximas fronteiras da pecuária.

Fonte: Correio do Povo 


Maisnotícias

  • Confira a entrevista de Marcelo Selistre no Canal Rural nesta quinta-feira

    Entrevista, Genética, Informação | 19 de Julho de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    “Nós temos hoje opção dentro da pecuária de ter maior produtividade com rentabilidade”, declarou hoje em entrevista ao Giro do Boi o médico veterinário pela UFRGS Marcelo Selistre, gerente de produto corte europeu da ABS e coordenador do programa da central genética que avalia o desempenho de animais frutos de...
  • Morre touro Macuni do Salto, maior vendedor de sêmen da história da Alta

    Genética, Informação | 19 de Julho de 2018
    Foto: Alta Genetics
    Reprodutor chegou a comercializar 450 mil doses, alcançando a liderança da raça por seis anos
    A Alta Genetics comunica o falecimento do touro Macuni do Salto, reprodutor da raça Nelore que se consagrou na bateria da Central. Vindo do criatório Nelore da Nana, propriedade de Ana Luiza Consoni Guimarães, em Goiás, ...
  • Pampas Prime, uma porteira aberta entre o consumidor e o produtor do bioma pampa

    Carne, Informação, Mercado | 19 de Julho de 2018
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Aberta desde outubro de 2017, a Pampas Prime, que tem atuado como uma vitrine da pecuária gaúcha e do bioma pampa, contando sua história e tradição como produtora de uma das melhores carnes bovinas do mundo, concretizou na última semana o passo a passo de um futuro da pecuária que já está, com muito planejamento...
  • Carne 1953 recebe certificação internacional de qualidade

    Informação | 19 de Julho de 2018
    Foto: CarneTec
    A JBS informou por meio de nota que a carne 1953, lançada pela empresa no início deste ano, acaba de ser reconhecida com o prêmio International Taste & Quality Institute (iTQi), um dos mais exigentes órgãos de certificação, com sede em Bruxelas, na Bélgica, que regulamenta e reconhece os produtos com maior índic...
  • Senepol: cota de 50% do touro Drone da Ilha é adquirida pela Central Senepol Lab FIV

    Genética, Informação, Mercado | 18 de Julho de 2018
    Foto: Pec Press
    Conformação, padronização de carcaça e qualidade de carne são apenas alguns adjetivos que traduzem a eficiência do touro Senepol Drone da Ilha, filho de uma das melhores doadoras do criador Alberto Dinis, de Uberlândia (MG). Segundo técnicos da Central Lab FIV, empresa que adquiriu 50% da propriedade do animal ...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais