Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 18/02/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Revolução na qualidade e na produtividade na pecuária de corte – o papel da Embrapa (Antonio Maciel Neto)

Informação, Mercado | 30 de Julho de 2018

Revolução na qualidade e na produtividade na pecuária de corte – o papel da Embrapa (Antonio Maciel Neto)

Foto: Embrapa

...na verdade, o certo mesmo seria pensarmos grande, com a

visão do Brasil como líder global em qualidade e produtividade do setor agropecuário como um todo. Nesse caso, a Embrapa

teria que ser transformada na Nasa da agropecuária mundial...

Por que não?

Todos os brasileiros devem agradecer à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) pelos excepcionais serviços prestados ao agronegócio brasileiro nos últimos 45 anos. Uma parte significativa do saldo da balança comercial do agronegócio, US$ 76 bilhões [1] no ano de 2016, só aconteceu porque a Embrapa desenvolveu tecnologias que viabilizaram o crescimento espetacular da produção brasileira dos produtos do agronegócio. Nos grãos, evoluímos de 78 milhões [2] de toneladas na safra 1996/1997, para 184 milhões [3] de toneladas na safra 2016/2017. Mais impressionante é a produção por hectare, que evoluiu de 2.144[4] toneladas para 3.220 [5], ou 50%. Diversos estudos mostram que o Brasil já alcançou níveis muito próximos da produtividade americana na produção em grande escala de soja e de milho.

Embora tenhamos evoluído na produção de carne bovina – já que passamos de 18,9 milhões [6] de cabeças abatidas em 1996 para 29,7 milhões [7] em 2016, ou 57% de incremento –, ainda estamos muito longe da produtividade alcançada pelos nossos principais competidores. Outro fator muito importante é a qualidade da carne, refletido no preço da tonelada da carne exportada.

Dados do ano de 2016 indicam que o Brasil exportou 1,351 milhão [8] de toneladas com o preço médio de US$ 4 mil/t [9]. A Austrália exportou 1,200 milhão [10] de toneladas com preço médio de US$ 5 mil/t [11]. Os Estados Unidos exportaram 1,187 milhão [12] de toneladas, com o preço médio de US$ 5,3 mil/t [13]. Claro que esses preços podem sofrer pequenas alterações em função do mix das exportações de cada país.

Essa diferença de preços, que varia de 25% a 33%, não deixa dúvidas de que precisamos da ajuda urgente da Embrapa. Se a nossa carne fosse vendida com 20% a mais no preço, adicionaríamos mais de US$ 1 bilhão na receita das nossas exportações, o que viabilizaria mais investimentos, mais salários e mais renda no campo.

A carne de qualidade que o mundo quer é muito saborosa e muito macia. Para isso, a carne deve contar com microveias de gordura entremeadas no músculo, o que chamamos de marmoreio. Para evoluirmos nessa direção, teremos que avançar na utilização das raças europeias no Brasil e, em particular, da raça Angus.

A dificuldade maior na utilização da raça Angus no Brasil é decorrente da presença do carrapato-de-boi e não do calor, que é a razão mais mencionada entre os pecuaristas. Existem regiões dos Estados Unidos onde a temperatura supera 40 °C durante alguns meses, no entanto a presença da raça Angus é predominante. Isso também ocorre em diversas regiões da Argentina. A diferença é que, nos Estados Unidos e em várias regiões da Argentina, não existe carrapato-de-boi.

Além das perdas mencionadas na receita que temos nas exportações da carne em função da qualidade – cuja solução seria o combate mais eficaz ao carrapato-de-boi –, também precisamos considerar os prejuízos que esse carrapato causa à pecuária brasileira, como os custos do tratamento, perda de peso, danos ao couro e diminuição dos nascimentos, em razão de índices de prenhez menores e índices de abortos maiores. O carrapato-de-boi ainda causa doenças graves nos bezerros, especialmente a chamada, popularmente, de tristeza, que, na verdade, é a anaplasmose e, em menor escala, a babesiose.

Voltando à grande diferença, para menos, dos preços das exportações da carne brasileira, quando comparados com os preços dos Estados Unidos e da Austrália, alguém pode argumentar que a produção de bovinos Angus no Brasil é mais cara, e, assim, precisaríamos verificar as margens dos pecuaristas nos países considerados. É verdade. No entanto, se for encontrada a solução para diminuir significativamente a presença do carrapato-de-boi aqui no Brasil, os custos da produção da raça Angus cairão fortemente.

Vale destacar que a produtividade brasileira na produção de leite também poderia melhorar significativamente se utilizássemos mais a raça Holandesa. Poderíamos diminuir o enorme gap existente entre a média da produção anual de leite no Brasil e a dos principais países produtores mundiais atacando a mesma causa: a presença do carrapato-de-boi por aqui.

Estudos da Embrapa estimam que o prejuízo causado pelo carrapato-do-boi pode alcançar R$ 9 bilhões [14] por ano no Brasil.

O cruzamento entre as raças Angus e Nelore tem sido uma alternativa intermediária nesse processo. Em 2016, a venda de sêmen de touros Angus superou 4 milhões [15] de doses, mais que 52% do mercado total. A Marfrig Foods foi a primeira empresa a incentivar, em grande escala, o cruzamento Angus x Nelore. A Associação Brasileira de Angus (ABA) desenvolveu e implementou, com muita competência, o Programa da Carne Angus Certificada, que atraiu diversas outras empresas do setor, o que também impulsionou o crescimento do interesse por esse cruzamento. Gosto de dizer que o cruzamento Angus x Nelore é o verdadeiro casamento por interesse. Os neloristas utilizam suas fêmeas para agregar valor ao produto final e os anguistas usam sêmen ou touros em campo. A qualidade da carne já melhora efetivamente e a produtividade da atividade também cresce.

A Embrapa já vem utilizando o estado da arte mundial no campo da biotecnologia para desenvolver alternativas de combate ao carrapato-de-boi. Se tiver sucesso, a Embrapa poderá revolucionar a pecuária nacional, contribuindo fortemente para a melhoria da qualidade da carne brasileira.

A melhoria da qualidade e da produtividade da pecuária nacional também depende da melhoria da performance dos bovinos. O incremento forte da inseminação artificial por tempo fixo (IATF) com o uso de sêmen de touros nacionais provados ajudaria bastante nesse caso.

O mesmo vale para o caso da identificação e certificação dos touros nacionais mais competitivos. A Embrapa já executa esse trabalho, mas ainda em pequena escala. Conhecimento, pessoal e estrutura para levar adiante esse desafio a Empresa já tem. Mais ainda, as associações de criadores poderiam contribuir muito mais ainda nessa jornada. Muita gente não sabe que das 4 milhões [16] de doses de sêmen da raça Angus comercializadas no ano de 2016, cerca de 3 milhões [17] foram de touros importados. Escuto dos vendedores de sêmen que os pecuaristas brasileiros querem ver as DEPs e outros números dos touros. Certo. Mas os números dos touros americanos foram obtidos em condições climáticas completamente diferentes das nossas.

Claro que o preço da carne brasileira poderá crescer se também aumentarmos a confiança dos nossos clientes externos no Sistema Brasileiro de Vigilância Sanitária. Deixo então aqui a pergunta: não seria o caso de a Embrapa participar mais desse tema, tanto na definição e avaliação dos padrões adotados bem como na qualificação e certificação dos nossos inspetores?

A Embrapa também vem utilizando, há muito tempo, todo o seu conhecimento no desenvolvimento de variedades mais adequadas de pastagens para as diferentes regiões do Brasil. Agora, com a biotecnologia mais acessível em função do aumento da capacidade dos computadores e do desenvolvimento de softwares específicos, os saltos de produtividade poderão ser enormes nos próximos anos.

No manejo da pecuária nacional, a Embrapa já iniciou outra revolução, que é o sistema Balpass, desenvolvido junto com a Coimma, que permite a pesagem do gado no campo, sem stress, e a transmissão automática de dados para os computadores da fazenda. No futuro, esse mesmo sistema poderá medir a temperatura dos bovinos, provocando então outro ganho excepcional no manejo.

A utilização dos modernos métodos de gestão na pecuária de corte nacional ainda não ganhou a tração necessária. Os resultados nesse campo também podem ser muito grandes, no aumento da receita e na diminuição das despesas. A Embrapa conhece o assunto, e já desenvolve um programa de capacitação com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). Dessa forma, poderia liderar um grande movimento de modernização da gestão da pecuária nacional, incluindo também as universidades e empresas de consultoria já estabelecidas, sempre considerando o ensino a distância como parte do processo.

Dados mais recentes indicam que temos um rebanho de 218,23 [18] milhões de cabeças de gado em uma área de pastagem de 167,49 milhões [19] de hectares. Assim, a lotação média é de 1,33 animais por hectare. Com o desenvolvimento das providências mencionadas acima, poderíamos adicionar, no mínimo, 30 milhões de cabeças – um pouco mais que o rebanho total da Austrália – sem qualquer aumento da área de pastagem. Nesse caso, a lotação média passaria de 1,33 animais por hectare para 1,50 animais por hectare.

O quadro técnico excepcional da Embrapa e a experiência acumulada nos últimos 45 anos garantem as condições necessárias para que a Embrapa possa contribuir, ainda muito mais, com a revolução que precisamos fazer na pecuária de corte nacional. Cabe então ao governo federal definir, com os pecuaristas brasileiros, as metas que serão buscadas, simplificar os processos e incentivar as parcerias da Embrapa com as empresas privadas, e garantir os recursos necessários para a Embrapa entregar, um a um, os ambiciosos resultados esperados.

Termino dizendo que a revolução da qualidade e da produtividade na pecuária de corte proposta neste artigo contribuirá decisivamente para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) – Agenda 2030.

Fonte: Embrapa  Por: Antonio Maciel Neto (FSL Angus ITU, Biotick e Quero ser CEO)

Maisartigos

  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...
  • SC: Verdi realiza bonificação dos primeiros animais Hereford e Braford

    Informação | 06 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Frigorífico catarinense e ABHB fizeram abate certificado pelo programa Carne Pampa Aconteceu no dia 4 de fevereiro o primeiro abate experimental certificado pelo Programa Carne Pampa, da Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) do Frigorífico Verdi, localizado no município de Pouso Redondo (SC). Foram reu...
  • ABS NEO: Produtor comemora taxa de prenhez acima de 55% com o uso de embriões

    Informação | 06 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Resultado foi registrado na Fazenda Maranata, no norte do Tocantins O ABS NEO vem se tornando um produto cada vez mais popular entre os produtores. Após decidir investir na solução genética da ABS, um produtor do norte do Tocantins obteve resultados impressionantes já na primeira aplicação - com 204 embriões tra...
  • Angus Austrália: ganhos com a seleção para docilidade

    Informação | 30 de Janeiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Uma das características em que os pecuaristas dão alto nível de importância ao tomar decisões de seleção, se não a característica mais importante, é o temperamento. Esta importância foi destacada em uma pesquisa recente com mais de 1.200 produtores de carne bovina na Austrália, que constatou que o temperamen...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais