Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 16/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Brangus: a importância da genética nacional nas Centrais de Inseminação

Genética, Informação, Mercado | 12 de Agosto de 2018

Brangus: a importância da genética nacional nas Centrais de Inseminação

Foto: Divulgação/Assessoria

Por Fernando Furtado Velloso
Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

A Associação Brasileira de Brangus (ABB), com suporte da Assessoria Agropecuária, realizou um levantamento dos touros Brangus nacionais ativos nas centrais de inseminação. Apesar de ser uma informação simples, servirá de base para melhor entendimento e acompanhamento da raça no mercado de sêmen. Em 2017, o Brangus comercializou, no Brasil, aproximadamente 350 mil doses de sêmen, e há uma expectativa muito positiva em relação ao mercado de reprodutores e crescimento da participação da raça na inseminação artificial.

O levantamento foi realizado de forma muito simples: pedido de apoio à ASBIA (para que todas as empresas participassem), contato direto com as centrais e consulta nos sites e catálogos das empresas. Assim, agrupamos as informações referentes a touros, genética, origem, centrais etc. Apresento, aqui, algumas informações obtidas deste primeiro trabalho e, em breve, pretendo tabular mais informações sobre a genética dos animais.

– A raça Brangus tem 71 touros nacionais ativos em 15 centrais de inseminação;
– As empresas com maior número de touros Brangus nacionais são: C.O.R.T. Genética (13), Alta Genetics (10) e GENEX (9), totalizando 32 touros e 45% do total;
– Os touros pretos são a maioria, com 51 animais (72%), e os vermelhos totalizam 20 animais (28%);
– A idade média dos touros é de seis anos, sendo o mais velho nascido em 1998 (20 anos) e o mais jovem, em 2016 (dois anos);

Algumas fazendas têm destaque como fornecedores de genética, e apenas quatro criadores participam com 45 touros ou equivalente a 63% do total. Por ordem de quantidade, estão: GAP Genética – Uruguaiana/RS (25 touros); JMT Agropecuária – São Gabriel/RS (7 touros); Brangus Guapiara – Castro/PR (7 touros); e Brangus Santa Cruz – Tapejara/PR (6 touros).

Revisando os touros pais mais influentes e o país de origem, é possível notar que os pais nacionais são bem utilizados:

– Touros pais do Brasil com filhos em centrais de inseminação: GAP F825 “Ninja” (8 filhos); e Sta Cruz 3475 “Malibu” (3 filhos).
– Touros pais da Argentina: Quilpo 2014 Don Raul “Soberano” (3 filhos); e Tres Cruces Cardenal 4312 “Don Ciriaco” (3 filhos).
– Touros pais dos EUA: Csonka of Brinks “Csonka” (3 filhos).

A maioria dos touros listados participa de programas de melhoramento genético em maior número, no programa Natura, e, em segundo lugar, no Promebo. A informação positiva é que a maioria dos selecionadores Brangus participa desses programas usando, assim, critérios objetivos na seleção dos animais. Especificamente em relação às informações técnicas sobre Peso ao Nascer e Facilidade de Parto, nota-se uma carência, pois apenas metade dos doadores apresentam dados de DEP para Peso ao Nascer. Esta é uma característica que o mercado de inseminação vem buscando, pois o sêmen de Brangus está sendo bastante direcionado para o uso em novilhas F1 (Angus x Nelore). Selecionar animais e linhagens com facilidade de parto e disponibilizar essa informação ao mercado é uma boa dica aos produtores de genética Brangus, pois é uma demanda do mercado e uma necessidade dos rebanhos. A ABB pretende, também, estimular os seus associados a coletarem informações de carcaças de seus reprodutores para qualificar ainda mais o cruzamento com zebuínos ou novilhas F1.

A realização contínua (anual) deste levantamento de touros Brangus nacionais no mercado de inseminação poderá gerar boas informações e compreensão sobre o mercado da raça. A Associação Brasileira de Brangus tem como objetivo valorizar e demonstrar a qualidade da genética Brangus nacional, e somente com informações atuais e transparentes irá alcançar este objetivo. Li e também ouvi de algum bom palestrante: a informação é transformadora. Acredito e repito: a informação é transformadora.

Baixe a lista completa clicando aqui.

* Publicado na coluna Do Pasto ao Prato, Revista AG (Agosto, 2018)

Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais