Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 17/02/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Carlos Nabinger questiona: precisamos manter os campos?

Informação | 14 de Dezembro de 2018

* Carlos Nabinger é professor da Faculdade de Agronomia da UFRGS

Foto: Divulgação/Assessoria

Professor da Faculdade de Agronomia da Ufrgs, Carlos Nabinger comenta ameaças aos campos nativos e os riscos associados que vão além da vegetação, incluindo as águas e espécies animais 

As ameaças aos campos sul-brasileiros, não só continuam como aumentaram, apesar das restrições da legislação. Segundo a Embrapa, em 2017 os campos recobriam menos de 36% do Bioma Pampa e 11% da Mata Atlântica. Mas não apenas a supressão dessa vegetação de diversidade ímpar nos preocupa. É que, com isso, se altera também a macro, meso e microfauna associada, cujo funcionamento em interação entre si e com a vegetação, o solo e atmosfera, são responsáveis pelos imprescindíveis serviços ecossistêmicos: sequestro de carbono e qualidade do ar e do solo, regulagem e qualidade das águas, manutenção de polinizadores, entre outros. 

Não só a diminuição da área, mas, também, sua fragmentação leva à diminuição brutal na oferta destes serviços. Se a isso adicionarmos ameaças que agora ganham espaço na mídia, como as derivas de herbicidas, inseticidas e fungicidas, o problema toma proporções alarmantes, pois está afetando o pouco que resta desses campos. E, atenção, o efeito imediato e visível é sobre a vegetação, como se observa nos olivais, vinhedos e campos, mas o invisível é mais grave, pois é a qualidade das águas e a vida microbiana associada às vegetações, sem falar nos polinizadores – abelhas e pássaros –, que são afetados. 

A diversificação da agricultura é necessária, mas deve ser feita com sistemas de produção mais seguros e obedecendo às leis vigentes, como o respeito às zonas de amortecimento das unidades de conservação e Áreas de Preservação Permanentes (APPs) e às formas de aplicação de agrotóxicos. Isso sem falar na necessidade premente de contarmos com um ordenamento territorial que considere a conservação, ao menos em parte, das vegetações naturais. 

Além do mais, não podemos continuar raciocinando exclusivamente em termos de movimento financeiro imediato, como é o caso de algumas culturas altamente demandantes de insumos externos, pois a riqueza deixada aos territórios é questionável, mesmo sem entrar no mérito dos custos ambientais.

A ciência demonstra que a pecuária sobre campo nativo mantém e melhora os serviços ecossistêmicos, pode ser altamente lucrativa e deve fazer parte obrigatória dos sistemas agrícolas regionais. Mas é preciso políticas públicas que atendam o que foi dito acima, e que as lideranças do setor acreditem que nossa verdadeira riqueza está naquilo com que a natureza nos brindou. E ela foi muito pródiga em nossos pagos. Não joguemos isso fora. As próximas gerações vão nos cobrar!

* Carlos Nabinger é professor da Faculdade de Agronomia da Ufrgs

Fonte: GauchaZH, 14/12/18




Maisartigos

  • Mitos e verdades do cruzamento (Por B. Lynn Gordon, Beef Magazine)

    Informação | 26 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Os Cruzamentos e a heterose resultante têm sido utilizados por gerações. Mas ainda restam discussões.

    Há sempre muita discussão e debate na pecuária de corte sobre o cruzamento. Dois pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas se uniram para responder a algumas das perguntas mais comuns que os pecuaristas faz...
  • Idade da vaca e produtividade (Quando ela está velha demais?) - Derrel Peel (Oklahoma University, EUA)

    Informação | 16 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Outubro é tradicionalmente época de desmame dos bezerros e o descarte de vacas para a temporada de parição na primavera nos EUA. No momento de descarte de matrizes os criadores enfrentam decisões difíceis. O descarte ótimo no rebanho requer uma bola de cristal afiada que poderia ver o futuro.

    Se o regime de chuvas...
  • Carne gaúcha: uma trajetória de terra, campo e gente (Por Roberto Grecellé - SEBRAE)

    Informação | 14 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    O dia a dia da pecuária de corte brasileira tem sido em favor da qualidade da carne produzida. Nas fazendas e nas indústrias, seja pelo zelo, pelos investimentos ou pelo aperfeiçoamento nos processos produtivos, os atores desta cadeia se empenham em produzir a cada dia uma carne de qualidade superior. Sim, é possíve...
  • Pecuária de corte: uma opinião para o novo governo

    Informação | 13 de Janeiro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Júlio Barcellos, Prof. Titular, Fac. de Agronomia – NESPro/UFRGS

    Numa análise mais crítica, é preciso entender que desde que surgiu a palavra agronegócio em nosso vocabulário, é afirmado que em todas as suas dimensões só ocorrem “maravilhas”. O que é um profundo equívoco, quase viciado, de quem defe...
  • Comunicação como insumo fundamental para o agro

    Informação, Mercado | 11 de Janeiro de 2019
    Foto: AgroEffective
    Nestor Tipa Júnior
    Jornalista e pós graduado em Marketing no Agronegócio. Sócio-diretor da AgroEffective A agropecuária faz parte de um dos setores mais sensíveis à críticas e informações prejudiciais no Brasil. A opinião pública, por vezes, é severa nas cobranças aos produtores rurais e agroindústrias. Ba...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais