Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 20/11/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Céu de brigadeiro para a terneirada

Genética, Informação, Mercado | 15 de Março de 2019

Céu de brigadeiro para a terneirada

Foto: Divulgação/Assessoria

Por Fernando Furtado Velloso
Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

Os analistas de mercado se debruçam sobre séries históricas de preços, estoque, abates, mercado futuro, mercado de grãos, precipitação, cenários políticos e econômicos nacional e internacional para traçar tendências de preço para o nosso produto (bezerro, boi e carne). Admiro os quem têm tamanha capacidade, e sou leitor e ouvinte de seus podcasts.

Estamos bem atendidos por ótimos analistas em nossa pecuária, iniciando pelo trabalho de formação de profissionais da Scot Consultoria, do Cepea, do Imea e de tantos profissionais que queimam pestana para nos ajudar a interpretar o mercado.

Para os que rodam bastante como eu, sugiro assinar o podcast Notícias do Front, do Rodrigo Albuquerque. É uma boa forma de acompanhar o dia a dia do mercado ouvindo as análises dele e as previsões da Mãe Dinah. No Sul do Brasil, onde vivo, somos um pouco carentes de empresas dedicadas a análises de mercado da pecuária, e esse pode ser um bom filão para colegas empreendedores que buscam espaço no mercado de trabalho. Ótimos exemplos e referências de bons trabalhos estão ao alcance do teclado em português, espanhol e inglês.

Muito bem, faço este parágrafo introdutório para comentar a importância desses trabalhos dos analistas (por aqui, tínhamos o Analista de Bagé), e, sem ter a pretensão de ser um deles, me arrisco a fazer algumas considerações sobre o momento de nossa pecuária e as perspectivas para a safra de terneiros que se aproxima neste outono. Falo em safra de “terneiros” – e não de “bezerros” – não por um bairrismo de gaúcho, mas por considerar que meu alcance permite só analisar o que ocorre com o preço desse bicho aqui no Sul, me espraiando um pouco até SC e PR. Por aí já paro!

Fiz uma revisão rápida do desempenho de alguns setores de nossa pecuária em 2018 e me animei. Se permanecerem, em 2019, as condições normais de pressão e temperatura, a terneirada vai valer bem. Vamos aos fatos.

Exportação de carne bovina

O Brasil alcançou a marca de 1,64 milhão de toneladas exportadas em 2018, com crescimento de 11% em volume e de praticamente 8% em faturamento em relação a 2017. Crescemos bastante e firmamos a posição de maior exportador de carne bovina do mundo. Não é nada mal para um ano que tivemos até paralisação no País, com a famosa greve dos caminhoneiros, em maio de 2018, e outros tantos obstáculos diários para produzir e exportar no Brasil.

Exportação de bovinos vivos

O ano de 2018 foi da exportação do gado em pé. O Brasil dobrou a quantidade de bovinos exportados, totalizando mais de 800 mil animais embarcados, alcançando o maior número de animais na série histórica dessa atividade. Somente no RS, onde a atividade é forte, em função das raças europeias, alcançamos mais de 150 mil animais exportados pelo porto do Rio Grande. O navio foi quem segurou as pontas do preço do terneiro e gerou influência positiva para todo o gado de reposição e até para o gado gordo. É exagero afirmar isso?

Carne de qualidade

As marcas de carne e os programas de certificação seguem fazendo um importante trabalho pela carne de qualidade e pela diferenciação do produto. Em 2018, apesar de alguns tropeços e rupturas de frigoríficos com alguns programas, a febre da carne gourmet seguiu alta, gerando demanda por animais de qualidade. Recentemente, o JBS divulgou que a demanda por cortes nobres teve importante crescimento para essa indústria em 2018, com aumento de 45% no ano, especialmente para as marcas 1953 e Swift Black.

Cria e inseminação artificial

Do lado da cria, são bons também os indicadores que nos sugerem investimentos dos pecuaristas. De acordo com a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), a venda de sêmen de gado de corte alcançou 9,6 milhões de doses em 2018, com crescimento de 19% no ano. Para a IATF (Inseminação Artificial a Tempo Fixo), estudos da USP indicam crescimento de 16%, e a técnica responde por 86% das vacas inseminadas no Brasil. Ou seja, inseminam-se mais vacas no Brasil, e, praticamente, todas em protocolos de IATF, contribuindo para maiores taxas de prenhez e produção mais uniforme de terneiros.

Apesar de ser uma revisão ou análise demasiadamente simples, creio que muitos hão de concordar que temos bons ventos para elevar a demanda e os preços dos terneiros: crescente exportação de carne e de bovinos vivos, ampliação do espaço da carne de qualidade ou do “mercado gourmet”, investimento ocorrendo na cria etc. E, especialmente para o Sul do Brasil – onde estão as raças europeias – ou para produtores que fazem cruzamento, a força desse negócio deve ser melhor ainda. Recentemente, pude acompanhar, em Água Doce/SC, o Dia do Parceiro – Grupo AEME. Evento anual para a venda da produção de terneiros dessa fazenda dedicada à cria intensiva. Pois bem, alinhado às melhores expectativas de mercado para o terneiro em 2019, foram vendidos 610 animais com pista ágil e limpa. Os machos alcançaram média de R$ 8,20/kg, e as fêmeas superaram os R$ 8,40 kg. Observe que lá são vendidos animais pesados e que os machos foram ofertados com peso entre 250 kg e 310 kg, faturando, assim, por animal, valores entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil. Não me parece nada mal vender um “terneirinho” de seis meses por mais de R$ 2 mil. Como já escrevi em outra publicação, vender animais com esse peso e por esses valores deve nos fazer olhar o negócio da cria com outros olhos.

Esse exemplo que trago é, de fato, uma exceção em um estado onde a cria e a pecuária estão valorizadas, mas nos permite considerar que é possível produzir e comercializar terneiros de forma diferente ao que fazemos tradicionalmente. Mas esse não é um terneiro comum, pois é um produto com marketing e marca, tem qualidade superior (raça, cruzamento, genética, sanidade, peso, uniformidade de lotes) e está inserido em um negócio no qual a comercialização é muito bem pensada e trabalhada.

É possível de ser realizado e já vem sendo feito com sucesso, mas necessita dedicação e investimento dentro e fora da porteira. Sem ter a expertise de tantos analistas de mercado de nossa pecuária, tenho a expectativa de um 2019 muito positivo aos vendedores de terneiros, especialmente àqueles que estão atentos em fornecer o produto que o mercado busca, seja para a exportação de animais vivos, de carne ou para o mercado gourmet. Céu de brigadeiro para terneirada! Vamos voar até no piloto automático.

* Publicado na coluna Do Pasto ao Prato, Revista AG (Março, 2019)

Maisartigos

  • Anguistas e branguistas: é passada a hora do marmoreio

    Genética, Informação | 18 de Novembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A essa altura do campeonato da carne de qualidade no Brasil, zero novidade falar em marmoreio. Mas, para os selecionadores, especialmente das raças Angus e Brangus, é o momento de olhar e agir com mais atenção para animais superiores genetica...
  • Aliança Braford faz R$ 8,3 mil para touros em Lavras do Sul

    Informação | 27 de Outubro de 2019
    Foto: Katega Vaz
    Dando continuidade aos remates oficializados pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), foi realizado no último sábado, dia 19 de outubro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul (RS), mais uma edição do Remate Aliança Braford, promovido pelas Estâncias Cochilhas, Pontezuela, Três Marias e São Bento. ...
  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais