Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 31/03/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Brangus: ABB e Ufrgs assinam convênio de cooperação técnica

Informação | 10 de Junho de 2019

Acordo prevê atividades de pesquisa na área de tecnologia de imagens e transferência de material genético e equipamentos

Um convênio de Cooperação Técnica entre a Associação Brasileira de Brangus (ABB) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul foi assinado nesta segunda-feira, 10 de junho, em Porto Alegre (RS). O termo assinado tem por objeto estabelecer condições de cooperação entre as partes com vistas a atividades de pesquisa na área de tecnologia de imagens, desenvolvimento na área de Avaliação Animal de Bovinos de Corte, transferência de material genético e equipamentos, por meio de doações.

O objetivo é contribuir para o avanço técnico-científico da cadeia produtiva de gado de corte, por meio da realização de trabalhos conjuntos que ampliem a disponibilidade de conhecimentos na área, de recursos humanos com maior capacitação técnico-científica para o desenvolvimento da área e contribuir para o estreitamento das relações entre a entidade e a universidade no campo do desenvolvimento tecnológico e atividades de transferência de tecnologia, por meio de esforços conjuntos que tenham a ideia de definir e executar programas de pesquisa e desenvolvimento de médio e longo prazos.

Além disso, segundo o professor do departamento de Zootecnia da Ufrgs, Jaime Tarouco, estão previstos programas de treinamento de recursos humanos e de aprimoramento de infraestrutura, bem como outras iniciativas de intercâmbio contínuo em assuntos de interesse comum e que envolvam ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa e extensão. O período do acordo de cooperação será de dois anos com renovação automática se houver interesse mútuo entre as partes.

Conforme o presidente da ABB, João Paulo Schneider, este convênio vem ao encontro de uma antiga demanda dos criatórios de genética que veem na Ufrgs uma entidade cientifica que chancela com extrema seriedade os programas de melhoramento já existentes "e enriquecerá com informações de consumo alimentar, ultrasonografia e avaliação genômica dos produtos participantes, oriundos das principais cabanhas de Brangus do Rio Grande do Sul", avalia.

O projeto objetiva consolidar as linhas de pesquisa já existentes e possibilitar a abertura de novas linhas como, por exemplo, o uso de tecnologias de imagens na área de Melhoramento Genético e Reprodução Animal. Destaca-se a importância das áreas escolhidas no projeto, uma vez que os resultados terão grande aplicação prática, com resultados relevantes para produtores, indústria e consumidores.

Já em relação aos discentes, ao final dos trabalhos, as expectativas é que os mesmos tenham adquirido experiência por participarem de programas de capacitação em instituição de ensino, pesquisa e extensão. Adicionalmente, com os resultados obtidos pelos programas de treinamentos, será possível aumentar a aplicação das tecnologias mais avançadas e complexas, trazendo informações fundamentais para orientação aos produtores e pesquisadores. Espera-se, também, que os resultados obtidos forneçam informações importantes para a indústria de carne, desenvolvendo tecnologias para garantir a qualidade da carne aos seus consumidores e para que seus sistemas de produção se tornem mais eficientes.

Outro ponto importante, segundo o acordo, será a incorporação de material genético de alta qualidade de reprodutores no rebanho experimental da Ufrgs. O acordo pode resolver em parte o grande problema de aquisição dos reprodutores, que é a necessidade de ser licitado. Este método comercial não atende as expectativas técnica e qualitativa deste material biológico, porque geralmente o valor genético destes reprodutores são baixos pelo processo basear-se no menor valor de mercado.

A finalidade em adquirir reprodutores provados geneticamente está na busca da melhoria de características de interesse zootécnico, comercialmente, importantes. A avaliação dos reprodutores baseia-se em seu desempenho, quando comparado com os demais animais contemporâneos pertencentes a um programa de melhoramento genético ou simplesmente pelo controle de desenvolvimento ponderal (CDP). Além disso, de acordo com a perspectiva do projeto, é importante a avaliação fenotípica visando que os animais tenham além de um bom mérito genético, o apelo comercial.

Fonte: ABB

Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais