Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 21/02/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimasnotícias

TOP 100 Edição 2019 Zebuínos - Os Maiores Vendedores de Touros do Brasil

Genética, Informação, TOP 100 2019 | 13 de Julho de 2019

Quarta edição do trabalho revela comportamento das vendas de touros em 2018 e chega com algumas surpresas

Enfim chegamos à 4ª edição do Top 100 – Zebuínos, levantamento que apura o desempenho dos 50 maiores vendedores de touros Bos indicus na última temporada, 2018. O trabalho é fruto do esforço da Revista AG e da BrasilcomZ. Números e depoimentos demonstram que os negócios andaram como caranguejos: ora de lado, ora para frente e, em alguns casos, até para trás. Contudo, a percepção para o novo ciclo de vendas que se iniciou é otimista. Alguns dados iniciais mostram tendência de recuperação do mercado.

Marcadamente, além dos principais fornecedores de touros provados manterem seus engajamentos nos programas mais renomados de melhoramento genético e antenas ligadas na evolução tecnológica de novas ferramentas de seleção, como a genômica, nesse período de vacas magras, a preocupação com a fidelidade dos clientes tem aumentado, demandando novas ações no estreitamento das relações, ampliação de benefícios e assistência técnica. “Atualmente, não basta oferecer bons produtos. É preciso oferecer maiores garantias”, reforça Willian Koury Filho, diretor da consultoria BrasilcomZ e coordenador do Top 100 – Zebuínos.

Muitas vezes, mais ações no pós-venda implicam em aumento de custos, uma dinâmica crescente na bovinocultura de corte, desde que a atividade passou a ser afetada pela crise institucional, política e econômica que o País enfrenta. Em 2016, ela pegou a pecuária no contrapé, depois de mostrar forte blindagem no início da maior recessão já vivida pelo gigante do Hemisfério Sul. Mas como a roda não pode parar de girar, os maiores produtores de touros do Brasil desovaram quase 20 mil cabeças das raças Nelore ( e mocho), Sindi, Tabapuã, Guzerá, Brahman e Gir, sendo que o Nelore respondeu por 80% do mercado.

Especificamente por raça, então, a Nelore respondeu por 16,4 mil exemplares, enquanto a variedade mocha, por 1,8 mil; contra 539 do Tabapuã, 359 do Brahman, 75 do Guzerá e outros 75 do Sindi. Fechando, 16 do Gir dirigido ao corte. A oferta total contabilizada em 2018, 19.937 animais, é 2% inferior a de 2017 (20.472). Por unidade da Federação, São Paulo, mais uma vez, respondeu pelo maior volume de comercialização, com 4.652 reprodutores, contra 4.406 de Mato Grosso – muito próximo – e 2.074 do Tocantins. Neste levantamento, o estado mato-grossense perdeu a liderança.

Além do Nelore , nota-se escala também entre outras raças, com destaque para sua variedade mocha, na qual Carlos Viacava lidera as vendas do levantamento, com 738 reprodutores. No Tabapuã, o bastão ficou com a Fazenda Água Milagrosa, com 212 cabeças, e, na sequência, Carlos Balbino e Aldo Valente aparecem com 169 animais Brahman.

Top cinco maiores

A Agro-Pecuária CFM, de São José do Rio Preto/SP, mais uma vez, se apresentou como a maior vendedora de reprodutores, no caso, de animais Nelore portadores de Certificado Especial de Identificação e Produção (CEIP). Por meio de seu tradicional leilão, remates virtuais e vendas diretas na fazenda, comercializou 1.353 cabeças, oferta estável em relação a 2017 (1.358). O gerente de pecuária da empresa, Tamires Miranda Neto, representa um dos produtores que valoriza o pós-venda como principal artifício para manter a liquidez do negócio.

“Trabalhamos cada vez mais e melhor na fidelização dos nossos clientes, pois eles respondem por 60% de nossos negócios, ano a ano. Portanto, entendemos que, melhorando essas relações, automaticamente, reforçamos a demanda por nossos produtos”, explica. Conjunturalmente, Miranda destacou que o mercado de touros se manteve tímido, embora segurando a liquidez.

“Todos precisam de reprodutores para continuar trabalhando. O apetite por investir é que, eventualmente, fica mais tímido, já que o consumo de carne no País não sai do lugar, o que reprime o valor da arroba do boi gordo. Paralelamente, porteira adentro, os custos aumentam e os cintos apertam”, esclarece. Os preços médios dos touros CFM ficaram entre R$ 7,5 mil e R$ 8 mil.

Quanto às expectativas para esta temporada já em andamento, Miranda se mostra mais otimista, porque o próprio preço da arroba reagiu nas principais praças pecuárias, em comparação ao ano passado. Também o mercado futuro sinaliza valorização. Paralelamente, a possibilidade de um novo ciclo de alta na bovinocultura de corte já incrementou os preços praticados nos bezerros e nas fêmeas de reposição.

A análise é muito próxima à de um importante agente desse mercado de animais provados, Lourenço Miguel Campo, leiloeiro rural e diretor da Central Leilões, pioneira no setor. Até o fechamento desta edição, a Central já tinha comercializado por volta de 4 mil touros nesta temporada.

O empresário desenha o mesmo cenário de Miranda. “Nestas primeiras promoções do ano, observamos elevação dos preços. A média que menos cresceu subiu 6%, e a que mais saltou o fez em 12%.” Para Campo, porém, 2019 está caminhando segundo 2018, ano em que a atividade já demonstrou sinais de recuperação, ainda que modesta. De qualquer forma, ele avalia que o aquecimento será muito mais generalizado nesta temporada.

Quem reforçou esse otimismo, mas foi mais duro com a realidade deste mercado, foi Ilson Corrêa, diretor da segunda colocada, a Agropecuária Grendene, de Pedro Grendene, com propriedades em Cáceres/MT e Andradina/SP. Para ele, a remuneração da pecuária seletiva ficou completamente “espremida e retirou qualquer capacidade de investimento para expansão e melhorias”. “Nosso planejamento prevê crescimento na oferta, o que requer aumento de custos. Mas o momento é desfavorável para esta realidade.”

Corrêa trabalha com a leitura de grandes mudanças para 2019. No ano passado, a empresa obteve remuneração média de R$ 9,4 mil por cabeça, o que representa o mesmo valor de 2017. A princípio, o executivo destaca que pode parecer estabilidade, mas é enganoso, uma vez que o valor não repassou a inflação do setor. “Os insumos continuaram encarecendo, e entendo que até acima da desvalorização da moeda”, explica. De qualquer forma, a Grendene, neste levantamento referente às vendas de 2018, aparece em segundo lugar como maior fornecedora de touros zebuínos do País, com 1.231 animais, oferta 10% superior à de 2017, quando ocupava a terceira posição.

Com sentido oposto, quem segue cheio de otimismo é André Curado, titular da Agropecuária Terra Grande, em Bernardo Sayão/TO. A fornecedora de reprodutores promete vender, neste ano, 1,4 mil animais, após perder o segundo posto neste levantamento (1.184), em relação a 2017, quando negociou 1.124 touros. Vale observar que a empresa aumentou sua oferta em 5%. Para Curado, que já realizou negócios neste ano, com 350 cabeças leiloadas em Xinguara/PA, a média de quase R$ 11 mil já reflete a valorização do preço do bezerro, que, ao lado do consumo de carne, determina os preços praticados na genética comprovadamente melhoradora.

O pecuarista é mais um que valoriza o pós-venda, chegando a dizer que é preciso ter mais “intimidade” com os clientes, participando mais da rotina do negócio deles, com o máximo de atenção, para que os produtos mais adequados possam ser indicados. “Cada vez mais é preciso dar respostas ao mercado que, efetivamente, se traduzam em resultados no caixa de quem investe na nossa genética”, reforça. Para Curado, a produção de carne bovina está forte. “As exportações estão em alta, e a ‘vaca louca’ está devidamente enterrada”, justifica.

Na quarta posição na amostragem do Top 100 – Zebuínos, uma surpresa: a EAO Empreendimentos Agropecuários e Obras, que não participou do último levantamento, mas, anteriormente, sempre se manteve entre os cinco primeiros colocados. A empresa, com sede na Bahia, desovou 953 touros no mercado. Embora a redação da Revista AG não tenha obtido êxito em colher o depoimento do diretor de pecuária da empresa, Maurício Filho, já havia relatado que a seleção de Nelore da empresa tornou-se madura e em expansão na sua oferta de produtos, depois de fortes investimentos entre o final da década de 1990 e o início dos anos 2000. Passando alheia à crise, a EAO trabalha com a premissa de que a bovinocultura de corte está em expansão, registrando forte crescimento ao longo das últimas décadas, com grande tecnificação e profissionalização.

Fechando na quinta posição dos top cinco maiores vendedores de touros do País, uma surpresa é a Nelore Katayama, cuja gestão está sob a liderança de Gilson Katayama. A empresa possui propriedades em Guararapes/SP, com 5,5 mil matrizes Nelore avaliadas por um programa próprio de melhoramento genético, o PKGA+. A cada ano, a grife vem incrementando sua fatia de mercado. Vale lembrar que a bovinocultura é um dos negócios do Grupo Katayama, um gigante de décadas da avicultura paulista.

Em 2018, a empresa comercializou 856 reprodutores, mas o executivo planeja, em pouco tempo, alcançar oferta de 1,4 mil cabeças. Para ele, “os criadores estão cada vez mais atentos à necessidade de melhorar a rentabilidade de suas fazendas. Nesse sentido, mesmo com o setor passando por preços da arroba e de reposição ainda retraídos, em 2018, os investimentos em genética de ponta, principalmente aquela oriunda de criatórios com trabalho sério e consolidado, resultaram em preços firmes e boa liquidez, de modo geral.

Porém, Katayama também lidou com o “contínuo aumento dos custos de produção, frente a essa relativa estabilidade de preços de venda de reprodutores, que vem corroendo a rentabilidade do negócio de genética. Diante dessa erosão de margens, é imperativa a luta incessante pela redução de custos, pelo aumento da produtividade e pela escala de produção. Não há mais espaço para gastos exagerados. Na Katayama, simplicidade produtiva, custos similares aos de gado para corte, alta lotação e produtividade de pastagens, além de escala, têm rentabilizado o nosso negócio satisfatoriamente”, contextualiza.

O pecuarista concluiu expondo suas expectativas para esta temporada – em andamento – alertando, também, para o fato de que “o ciclo pecuário parece ter assumido tendência de inversão, ou seja, alta dos preços da reposição, arroba e consequente retenção de matrizes. Esse conjunto de fatores deve impulsionar a comercialização de touros em 2019 e trazer novo alento ao setor nos próximos anos. Mas, mesmo com essa sinalização, não creio em preços inflacionados em curto prazo, mas acredito em estabilidade e boa liquidez”.

Confira a lista - TOP 100 Zebuínos - Os Maiores Vendedores de Touros do Brasil 2019, clicando aqui.

* Publicado na Revista AG (Julho, 2019)

Maisnotícias

  • Uruguai sem pressa para deixar a vacina contra a Aftosa

    Informação | 20 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    El análisis con los costos y beneficios que implicaría, a futuro, dejar de vacunar contra fiebre aftosa en Uruguay, continúa avanzando. El pasado martes, en la sede de la Dilave “Miguel C. Rubino”, las gremiales de productores recibieron un nuevo informe de la consultoría independiente impulsada por el Instituto ...
  • RS: Farsul aprova continuidade das medidas para retirada da vacina contra aftosa

    Informação | 19 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Sindicatos rurais firmaram a decisão em assembleia nesta quarta-feira (19)
    Em assembleia realizada nesta quarta-feira (19), a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) decidiu apoiar a continuidade do processo de antecipação da retirada da vacina contra a febre aftosa no estado. O placar da votação f...
  • RS: comunicado acerca da posição da Conexão Delta G em relação à antecipação da retirada da vacina contra a Febre Aftosa

    Informação | 19 de Fevereiro de 2020
    Foto: Conexão Delta G
    A Conexão Delta G, após deliberação com seus associados, definiu posicionamento contrário à antecipação da retirada da vacina da Febre Aftosa no Rio Grande do Sul. O grupo, em sua maioria, levantou ponderações de questões técnicas, comerciais e políticas acerca do tema que vem preocupando os pecuaristas de c...
  • ABHB: Paranaenses apostam nas raças Hereford e Braford e comemoram resultados

    Genética, Informação, Mercado | 18 de Fevereiro de 2020
    Foto: Diego Funari Fotografia
    Estado conta atualmente com um plantel de cerca de 9,39 mil exemplares registrados, segundo a Associação Brasileira de Hereford e Braford Criadores de bovinos de corte que estão apostando nas raças Hereford e Braford colhem os resultados positivos desta decisão. No Paraná, conforme números da Associação Brasile...
  • Angus e Negócio Direto: parceria para a certificação de terneiros no RS

    Informação, Mercado | 15 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    A Associação Brasileira de Angus busca formas de equalizar a oferta de animais certificados ao longo do ano, e propôs aos produtores do Grupo Negócio Direto a Certificação de animais com padrão Racial Angus que atendam especificações do Mercado.

    A parceria visa beneficiar os produtores que conseguem entregar os a...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais