Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 27/02/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimasnotícias

Disparada da carne bovina testa limites da demanda

Informação | 02 de Dezembro de 2019

Na boca do povo, a disparada do preço da carne não é sustentável e já enfrenta resistências no atacado e até na China, apontada como a principal responsável pela escalada do boi gordo em novembro – o animal alcançou valor recorde. Entre analistas e traders, é consenso que a cotação está fora da realidade e há quem diga que um rápido movimento de ajuste nos preços deverá ocorrer ainda em dezembro, apesar da demanda de Natal.

Ontem, os contratos futuros de boi gordo negociados na B3 registraram forte desvalorização, o que foi interpretado como um presságio do que estaria por vir. Os papéis para dezembro – os mais negociados – recuaram quase 5%, cotados a R$ 215,25 por arroba. Trata-se de um nível bem aquém do registrado no mercado físico. Na quarta-feira, o boi gordo era negociado perto de R$ 230 a arroba no Estado de São Paulo, de acordo com o indicador Esalq/B3.

“Acho que já chegou o momento da ressaca”, avaliou a sócia-diretora da consultoria Agrifatto, Lygia Pimentel. Na última segunda-feira, em evento promovido pela Minerva Foods, o economista Alexandre Mendonça de Barros também usou o termo “ressaca” para se referir ao ajuste de preços que tende a ocorrer para equilibrar o mercado. Na ocasião, ele estimou que isso deve acontecer depois da virada do ano.

Para Lygia, os frigoríficos já não conseguem repassar a alta do boi, matéria-prima responsável por 80% dos custos de produção, aos atacadistas. Na semana passada, negociações engasgaram e o preço fechou em R$ 15,50. “E agora está saindo a R$ 15”, ressaltou ela.

Vale notar, porém, que esse ainda é um nível elevado para os padrões normais. De acordo com o consultor de agronegócios do Itaú BBA, César Castro Alves, o preço histórico da carcaça bovina é de R$ 11 o quilo. “Não tem como sustentar”, disse Alves, lembrando que 70% da carne bovina produzida no Brasil fica no mercado doméstico – a China responde por 35% das exportações.

Nesse cenário de ajuste das cotações da carne- ainda que para um nível acima da média história -, os preços do boi gordo terão de ceder mais, indicou o sócio-diretor da consultoria Athenagro, Maurício Nogueira. Pelos cálculos do especialista, o atual preço da carne remuneraria bem um frigorífico se a cotação do boi estivesse entre R$ 190 e R$ 195 por arroba. “Para pagar R$ 230 pelo boi, o preço da carne teria que subir muito mais”, acrescentou o agrônomo.

Como o atacado já está demonstrando resistência, o contrário deve ocorrer, acredita Michel Tortelli, da Finpec, que atua na engorda de gado em confinamento. Segundo ele, os próprios frigoríficos farão pressão nesse sentido, dado que as indústrias sem habilitação para exportar à China já trabalham com margens baixísismas. “Quem opera só no mercado interno está provavelmente com a corda no pescoço”, concordou Alves, do Itaú BBA.

Além disso, os próprios chineses começaram a fazer jogo duro para reduzir os preços. O preço do dianteiro bovino exportado para a China, que chegou a ser negociado por US$ 7,5 mil tonelada – patamar extremamente rentável -, recuou para US$ 6,5 mil, disse um executivo de um grande frigorífico. No mercado interno do país asiático, os preços também cederam ligeiramente na última semana. Nesse cenário, há relatos de que os preços do dianteiro bovino poderão cair a US$ 5,6 mil em 2020, o que ainda seria bom para os frigoríficos, mas insuficiente para sustentar a euforia do boi a R$ 230.

Para a indústria processadora de carnes, a acomodação dos preços da carne bovina é fundamental para recompor as margens. Em entrevista ao Valor, o diretor executivo da Wessel – especializada em hambúrguer -, Cleberson de Souza, disse hora para a outra”, afirmou ele, que só repassou a alta dos preços da carne nos contratos com varejistas e atacadistas.

Pelos sinais que sente no mercado, o diretor da Wessel, que trabalhou muitos anos na Marfrig Global Foods, acredita que a resistência do atacado aos preços da carne bovina deve chegar às cotações do boi gordo já em dezembro. “Acho que, quando a arroba assentar, vai ficar entre R$ 180 e R$ 190”, projetou ele.

A acomodação de preços, porém, não significa que a carne voltará aos níveis do primeiro semestre, ponderaram os analistas. “O patamar mudou”, disse Lygia, da Agrifatto, ressaltando que o preço médio do boi e da carne ficará mais caro em 2020 na comparação com este ano. O ciclo da pecuária, com maior retenção de vacas, também colabora para um animal mais caro, em média, acrescentou Lygia.

Para os pecuaristas eufóricos com o cenário – o preço do boi subiu 34% em novembro -, a cautela é uma boa conselheira, disse Alves, do Itaú BBA. Segundo ele, não se deve comprar bezerros esperando que o boi gordo continue sendo negociado a preços recorde nos próximos anos.

Fonte: Valor Econômico (29/11/19)

Maisnotícias

  • Uruguai sem pressa para deixar a vacina contra a Aftosa

    Informação | 20 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    El análisis con los costos y beneficios que implicaría, a futuro, dejar de vacunar contra fiebre aftosa en Uruguay, continúa avanzando. El pasado martes, en la sede de la Dilave “Miguel C. Rubino”, las gremiales de productores recibieron un nuevo informe de la consultoría independiente impulsada por el Instituto ...
  • RS: Farsul aprova continuidade das medidas para retirada da vacina contra aftosa

    Informação | 19 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Sindicatos rurais firmaram a decisão em assembleia nesta quarta-feira (19)
    Em assembleia realizada nesta quarta-feira (19), a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) decidiu apoiar a continuidade do processo de antecipação da retirada da vacina contra a febre aftosa no estado. O placar da votação f...
  • RS: comunicado acerca da posição da Conexão Delta G em relação à antecipação da retirada da vacina contra a Febre Aftosa

    Informação | 19 de Fevereiro de 2020
    Foto: Conexão Delta G
    A Conexão Delta G, após deliberação com seus associados, definiu posicionamento contrário à antecipação da retirada da vacina da Febre Aftosa no Rio Grande do Sul. O grupo, em sua maioria, levantou ponderações de questões técnicas, comerciais e políticas acerca do tema que vem preocupando os pecuaristas de c...
  • ABHB: Paranaenses apostam nas raças Hereford e Braford e comemoram resultados

    Genética, Informação, Mercado | 18 de Fevereiro de 2020
    Foto: Diego Funari Fotografia
    Estado conta atualmente com um plantel de cerca de 9,39 mil exemplares registrados, segundo a Associação Brasileira de Hereford e Braford Criadores de bovinos de corte que estão apostando nas raças Hereford e Braford colhem os resultados positivos desta decisão. No Paraná, conforme números da Associação Brasile...
  • Angus e Negócio Direto: parceria para a certificação de terneiros no RS

    Informação, Mercado | 15 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    A Associação Brasileira de Angus busca formas de equalizar a oferta de animais certificados ao longo do ano, e propôs aos produtores do Grupo Negócio Direto a Certificação de animais com padrão Racial Angus que atendam especificações do Mercado.

    A parceria visa beneficiar os produtores que conseguem entregar os a...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais