Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 03/04/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Angus Austrália: ganhos com a seleção para docilidade

Informação | 30 de Janeiro de 2020

Uma das características em que os pecuaristas dão alto nível de importância ao tomar decisões de seleção, se não a característica mais importante, é o temperamento.

Esta importância foi destacada em uma pesquisa recente com mais de 1.200 produtores de carne bovina na Austrália, que constatou que o temperamento era a característica mais importante na seleção de touros.

O temperamento de um animal tem um grande impacto em seu valor em uma operação de pecuária e quando falamos de temperamento, estamos falando sobre como os animais se comportam quando são confinados ou expostos a situações habituais (por exemplo, sendo separados do rebanho). Os benefícios do melhor temperamento em bovinos são bem compreendidos e incluem:

  • Custos de produção mais baixos;
  • Gado mais fácil de reunir e manusear;
  • Reduzir danos à instalações e cercas
  • Diminuir o risco de lesões e estresse no gado;
  • Diminuir o risco de lesões e estresse para as pessoas;
  • Diminuir a perda de peso durante o transporte;
  • Melhorar o desempenho do confinamento;
  • Diminua o risco de “cortes escuros” no abate;
  • Melhorar a qualidade da carne (carne mais macia);

Para os produtores de genética, o temperamento é de particular importância em função impacto significativo que ele tem sobre a lucratividade de seus clientes. É importante ressaltar que o temperamento é altamente herdável e não possui relações genéticas antagônicas conhecidas, o que significa que podemos fazer melhorias no temperamento sem impactar negativamente outras características.

Os produtores que buscam melhorar a genética de seu rebanho para temperamento podem conseguir isso através da implementação de duas estratégias principais de seleção: descartes para temperamento deficiente e seleção de touros com genética de temperamento superior.

Descarte para temperamento deficiente

É prática comum para os criadores descartar animais que demonstrem temperamento inaceitável. Isso pode ser feito de maneira bem simples, em que os animais são observados e seu temperamento avaliado durante o manejo ou através do uso de um processo mais formal e estruturado, envolvendo a coleta de escores de docilidade.

As pontuações de docilidade são registradas em animais no desmame ou logo após. A vantagem da pontuação no desmame é que todos os bezerros devem ter tido um manejo mínimo e, portanto, expressam variação no temperamento.

As pontuações de docilidade são coletadas em animais usando um teste de piquetes/bretes ou troncos e contenção:

  • Teste de Brete - os bezerros são colocados individualmente em um pequeno brete e o operador tenta segurar o animal em um canto por cerca de 10 segundos;
  • Teste de Tronco - os bezerros são colocados em um tronco ou e mantidos em uma balança de pesagem por cerca de 10 segundos (mas não necessariamente com a cabeça presa);

Esta informação pode não apenas fornecer informações valiosas para a decisão de reter um indivíduo, mas também pode alimentar a Avaliação TransTasman Angus Cattle (TACE) e contribuir para o cálculo dos EBVs.

Escores de Docilidade – TACE

  1. Dócil;
  2. Inquieto;
  3. Nervoso;
  4. Voador;
  5. Agressivo;

No texto original são detalhadas as características de cada tipo de escore.

Selecionando animais com temperamento superior

Em associação com os descartes, a seleção de animais com genética superior para temperamento é fundamental para melhorar geneticamente essa característica em uma rebanho.


Como outras características de produção, é importante selecionar animais para reprodução este ano que sejam geneticamente superiores aos usados ​​no ano passado. Isso é particularmente importante na seleção de touros, devido à influência geral da genética em um rebanho, tanto a curto como a longo prazo, por meio das filhas retidas.

 

As informações mais eficazes para a seleção de animais com genética superior ao temperamento são os EBVs para Docilidade. A seleção de touros com EBVs de Docilidade mais altos que os usados ​​na reprodução anterior resultará em aprimoramento genético a longo prazo.

 

Os EBVs de Docilidade fornecem uma estimativa das diferenças na porcentagem de progênie que terá temperamento aceitável devido à genética, com EBVs de Docilidade mais altos indicando que é esperado que um animal produza relativamente mais progênie com temperamento aceitável.

 

O cálculo dos EBVs para o temperamento tem várias vantagens principais em considerar simplesmente o temperamento de um animal:

 

  • Como todas as características de produção de importância econômica, o temperamento observado de um animal é uma combinação da genética herdada do pai e da mãe e do ambiente e manejo dos quais o animal foi administrado.

 

Os EBVs para características relacionadas ao temperamento (como em outras características) se concentram nas diferenças genéticas entre animais para temperamento, contabilizando quaisquer influências ambientais e de manejo.

 

Os EBVs para temperamento levam em consideração não apenas o temperamento de cada animal, mas também o temperamento de todos os animais. Dessa maneira, os EBVs fornecem uma melhor indicação da genética de um animal para temperamento do que uma avaliação apenas do temperamento do animal.

Os EBVs permitem identificar diferenças genéticas no temperamento entre animais que podem ter temperamento aceitável. Os animais que podem ter temperamento aceitável, mas que provavelmente produzem uma alta porcentagem de progênie com temperamento ruim podem ser removidos do rebanho de cria ou, inversamente, se dois animais de mérito genético semelhante para outras características estiverem sendo considerados para uso em um programa de melhoramento, o animal que provavelmente produzirá uma porcentagem mais alta de progênie com temperamento superior pode ser selecionado. 

Mensagens para levar para casa

  • Produtores de genética devem coletar notas de docilidade para todos os bezerros ao coletar seus pesos de 200 dias;
  • Deve-se considerar os EBVs da Docility ao selecionar touros
  • Selecione touros com EBVs Docility superiores aos usados no ano anterior


Fonte: Angus Austrália, traduzido e resumido pela Assessoria Agropecuária.
Publicado no site Beef Central em 30/01/2010.

 

Maisartigos

  • Produção de touros: negócio para especialista

    Genética, Informação | 15 de Março de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Na pecuária de corte, algumas pessoas dividem os produtores em dois grupos: o do pecuarista comercial, dedicado a produzir terneiros, à recria ou a animais para abate; e o do pecuarista produtor de touros, envolvido com rebanhos de gado “puro...
  • Os benefícios visíveis do quilo da carne

    Carne, Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Na segunda-feira, dia 17, o artigo “Os custos invisíveis do quilo da carne”, publicado nesta Folha, sugeriu a relação entre impostos e desmatamento, raciocínio formulado a partir de dois estudos recentes. Sem nenhuma repreensão aos autores, julgamos importante esclarecer alguns pontos para que decisões equivoca...
  • O diálogo necessário entre agricultura e meio ambiente

    Informação | 28 de Fevereiro de 2020
    Foto: Imagens da Internet
    Em vez do ‘nós contra eles’, é preciso compatibilizar as agendas globais do clima e da alimentação. Os dois setores da economia brasileira com maior visibilidade global são a agricultura e o meio ambiente. O protagonismo da agricultura brasileira se dá no comércio global de commodities agropecuárias. Nossa ...
  • Negocio Direto: fazendo em vez de esperar

    Informação, Mercado | 14 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    A ação é melhor que a inércia. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, e por aí vai. O propósito deste meu texto é compartilhar algumas informações sobre o Grupo de Produtores...
  • EAD pode causar prejuízos na formação do médico veterinário

    Informação | 09 de Fevereiro de 2020
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por João Carlos Gonzales, presidente da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária

    A recente autorização governamental para que instituições com curso de medicina veterinária utilizem 40% do tempo na forma de ensino a distância (EAD), isto é, por correspondência e/ou internet, despertou a atenção para pos...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais