Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 09/07/2020

Redes sociais

Agendade eventos

Últimasnotícias

FAESC: a agricultura e a indústria de alimentação não podem parar

Informação | 26 de Março de 2020

“Se faltar comida, a situação que é dramática ficará caótica”, advertiu o presidente do Sistema Faesc/Senar-SC José Zeferino Pedrozo.

Foto: Divulgação/Assessoria

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) fez um apelo para que o governo, a sociedade, os organismos estatais de fiscalização não criem nenhum obstáculo ao pleno funcionamento das atividades agrícolas e pecuárias, dos frigoríficos e da indústria de alimentação.

“Se faltar comida, a situação que é dramática ficará caótica”, advertiu o presidente José Zeferino Pedrozo. Ele disse ser incompreensível e insensata a crítica de alguns setores ao normal funcionamento da cadeia de produção de alimentos.

“Esse momento grave requer que todos ajam com senso de dever. Nos campos e nas indústrias será imperioso flexibilizar alguns normativos em face dos gigantescos óbices que surgem e surgirão. Não é hora de sindicato promover greve ou de órgão estatal radicalizar em exigências formais. É hora de união e de muita responsabilidade”, reforça Pedrozo.

Assinalou que os principais atores da longa cadeia de alimentos – produtor rural e agroindústria – seguem cumprindo o papel de setor essencial e indispensável, produzindo com qualidade e abastecendo o mercado. “A população brasileira pode ficar tranquila: não importa a duração dessa crise, não haverá falta de alimentos”, assegurou.

Pedrozo considera de importância vital que a agricultura e a agroindústria trabalhem sem percalços e mantenham a regularidade da produção de alimentos para que a segurança alimentar do Brasil seja garantida. “A maior preocupação neste momento é garantir que não falte alimento à população, o que certamente agravaria a crise”.

Para evitar a interrupção do processo produtivo e problemas de abastecimento nas cidades, a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), da qual é vice-presidente de finanças, criou um grupo de monitoramento para avaliar os impactos da crise no Agro. A CNA estabeleceu uma rede de contato com todos os segmentos produtivos, incluindo o escritório na China, e cobrou medidas do Governo Federal para incluir o setor produtivo como atividade essencial durante a pandemia, assim como o setor da saúde.

No último dia 20, atendendo solicitação das entidades, o Governo Federal publicou a Medida Provisória 926 que altera a lei de enfrentamento do novo Coronavírus, inserindo procedimento para aquisição de insumos de emergência e permitindo que as atividades essenciais não parem. Todas essas atividades foram detalhadas no Decreto 10.282, também de 20 de março, no artigo 3º, inciso XI: “produção, distribuição, comercialização e entrega realizadas presencialmente ou por meio de comércio eletrônico de produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas”. Desta forma, tanto a produção de alimentos quanto sua cadeia de suprimentos foram contempladas, assegurando o abastecimento, o que não justifica a necessidade de fazer estoques.

O Decreto 10.282 (artigo 3º, inciso XX) também considera o transporte e a entrega de cargas em geral como atividade essencial, o que assegura a logística do setor, tanto das fazendas para os centros de distribuição, quanto das empresas e portos às propriedades rurais. De acordo com o presidente da Faesc, a busca agora é por medidas de apoio referentes ao crédito e à tributação aos setores que estão sendo diretamente afetados.

UNIÃO E RESPONSABILIDADE

“O momento é de união. Vamos garantir o abastecimento nas cidades brasileiras e nenhuma interrupção no processo produtivo. O Agro contribuirá na construção de medidas necessárias para contenção do Coronavírus e a segurança alimentar da população. Vamos superar isso juntos”, sublinha Pedrozo.

O presidente da Faesc assegura que, em Santa Catarina, com o apoio dos Sindicatos Rurais e Cooperativas Agropecuárias, a base produtiva no campo está operando normalmente para geração das matérias-primas essenciais, como aves, ovos, suínos, leite, grãos e frutas, com medidas preventivas e protetivas implementadas para evitar a disseminação da Covid-19.

A produção, distribuição, comercialização e consumo de insumos agrícolas em território catarinense estão em situação de normalidade. Não há escassez de nenhum produto, nem descontrole de preços. Também é tranquilo o abastecimento de produtos como sementes, fertilizantes, vacinas, corretivos de solo, genética e rações. Nesse estágio, o setor rural está ocupado com a colheita das lavouras de arroz, soja e milho, além da maçã. É, portanto, um momento de baixo emprego de insumos. Mesmo assim, grande parte dos produtores rurais já adquiriu os insumos para a próxima safra. Em razão dos bons preços internacionais, boa parte dos produtores assinou contrato de venda futura.

A previsão da safra brasileira de grãos 2020/2021, divulgada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), deve bater recorde em 251,9 milhões de toneladas, 4,1% acima da colheita anterior.

Fonte: FAESC

Maisnotícias

  • ABS: Produtor e especialistas explicam como a genética pode contribuir para a redução de custos na fazenda

    Genética | 09 de Julho de 2020
    Foto: Assessoria de Imprensa ABS
    Além dos aumentos já conhecidos da produtividade e eficiência na pecuária, a genética também apresenta o seu valor enquanto uma ferramenta mais que adequada para a redução de gastos nas propriedades. Seja no corte ou no leite, a escolha dos touros certos pode promover grandes economias na fazenda Quando se fala ...
  • Uruguai: forte queda na exportação de gado em pé

    Informação | 09 de Julho de 2020
    Foto: Blasina y Asociados
    El ejercicio que cerró al final de junio no solo trajo una muy baja faena, menor a dos millones de cabezas. También una muy baja exportación de ganado en pie. Con 125 mil vacunos el dato es menos de la mitad que la exportación del ejercicio anterior y suma a un muy fuerte aumento en el stock vacuno de este Dicose. Ad...
  • Wagyu e sua presença destacada em uma boutique de carnes na Argentina

    Carne | 09 de Julho de 2020
    Foto: CarneTec
    Em 1096, em Paris, foi criado o primeiro estabelecimento de venda de carnes (atual Place du Châtelet) e, assim, se iniciou a linhagem da Grande-Boucherie na França. Oitocentos anos depois, teve início a onda de imigração europeia até a Argentina, que trouxe consigo raças continentais e britânicas juntamente com a...
  • ABHB: Começa a edição 2020/2021 da Prova de Avaliação a Campo Hereford e Braford

    Genética, Informação | 08 de Julho de 2020
    Foto: Associação Brasileira de Hereford e Braford
    Animais passaram por manejo sanitário, identificação e pesagem inicial na Embrapa Pecuária Sul em Bagé (RS) Iniciou nesta terça-feira, dia 7 de julho, em Bagé (RS), mais uma Prova de Avaliação a Campo (PAC) edição 2020/2021, realizada pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) em parceria com a...
  • Premix se une à ABCZ em projeto que visa aprimorar qualidade da carne de raças zebuínas

    Carne | 08 de Julho de 2020
    Foto: Premix
    Seguindo o seu compromisso de contribuir para o desenvolvimento de uma pecuária cada vez mais sustentável, a Premix uniu forças com a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) no projeto “Zebu, carne de qualidade”, cujo objetivo é incentivar a produção sustentável de carne bovina de alto padrão das...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais