Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 14/08/2022

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Rebanhos leiteiros e a importância do manejo reprodutivo

Genética, Informação | 06 de Abril de 2021

Tiago Ferreira - Gerente Técnico de Leite da Alta Genetics

Foto: Alta Genetics

Neste artigo, o Gerente Técnico de Leite da Alta Genetics, Tiago Ferreira, comenta sobre a importância do manejo reprodutivo e da coleta de dados nos rebanhos leiteiros

Acredite! Demonstrar a eficiência reprodutiva dos rebanhos leiteiros pode ser uma tarefa menos complexa do que você imagina, caso tenha, é claro, as ferramentas certas para fazê-lo. Os levantamentos de reprodutivos têm como grande objetivo demonstrar justamente essa realidade, por meio de números. Com esse tipo de estudo, é possível coletar os dados relacionados ao rebanho e o quanto a taxa de prenhez tem a chance de evoluir. A partir daí, traçar metas e indicadores torna-se uma tarefa muito mais fácil, dando ao produtor um verdadeiro raio-X de sua criação.

Mas, dentro desse contexto, por que é tão importante analisar a taxa de prenhez? Bem, a conta é a seguinte! Quanto maior a taxa de prenhez – somando as vacas gestantes a partir do total de aptas – maior será o impacto dos dias em lactação médio no próximo parto. Assim, é possível que o rebanho produza mais por cada vaca, em função dos dias em lactação médio ser menor, ou seja, mais próximo do pico de lactação. Essa estratégia tem correlação direta com a evolução da taxa de vacas prenhas e é o que o rebanho necessita para alcançar os tão fundamentais 25% de taxa de prenhez, que representam bom retorno financeiro para o produtor.

Concept Plus Leite. Esse programa, levado à frente pela Alta Genetics, traz um vasto número de informações reprodutivas e produtivas da pecuária leiteira nacional. Seu foco é estabelecer referências coerentes com a realidade brasileira, e tem como objetivo discutir estratégias reprodutivas, mostrar números, indicadores e envolver pessoas de sucesso no segmento da reprodução.

No ano de 2019/2020, o Concept Plus Leite analisou os dados de 381 fazendas leiteiras, mais de 125 mil animais e cerca de 300 mil serviços aproveitados. Neste estudo, foram levados em consideração os fatores que afetam a fertilidade, com foco em estabelecer correlações adequadas à realidade nacional.

Reprodução como fator de lucratividade das fazendas. As vendas de leite representam de 80% a 90% da receita nas fazendas leiteiras e a venda de bezerros e vacas de descarte representam de 10% a 20%. Por isso, o sucesso da produção de leite depende do sucesso do nascimento de um bezerro, que torna a reprodução um componente essencial em uma operação leiteira bem-sucedida. Outros fatores determinantes são o número de vacas ordenhadas, paridade, gerenciamento da propriedade e o mérito genético.

As vacas devem ficar prenhas entre 55 e 115 dias pós-parto para otimizar a produção de leite, aumentar a quantidade de bezerros nascidos por ano e minimizar abates devido a fracassos na reprodução. A taxa de prenhez, a taxa de detecção de cio (estro) vs. a concepção, é o fator crítico da eficiência reprodutiva. O retorno econômico associado à reprodução é ótimo quando a taxa de prenhez é superior a 25%. Para atingir esse patamar, a taxa de concepção (relação de fêmeas gestantes pelo total de fêmeas inseminadas) deve ser maior que 33% e a detecção de cio na primeira inseminação precisa ser maior do que 70%. Os gestores das fazendas devem selecionar um período de espera voluntário (PEV) entre 50 e 70 dias para otimizar a taxa de concepção e utilizar um programa de manejo para controlar a intensidade da primeira inseminação. O diagnóstico deve ser programado para controlar os dias entre as inseminações.

A taxa de prenhez determina o valor econômico da reprodução. A proporção de vacas prenhas a cada 21 dias após o período voluntário de espera (PEV) determina a média de leite produzido por dia (devido à forma da curva de lactação e ao período de recobrimento). Dois pontos de controle mais importantes para atingir uma produção de 25% são a taxa de concepção do rebanho e a taxa da primeira inseminação. Portanto, as prioridades são a concepção, a intensidade da inseminação no primeiro serviço e, em seguida, a repetição da intensidade da inseminação.

Além da saúde da vaca, altas taxas de concepção também dependem do tempo adequado de inseminação em relação ao estro, qualidade do sêmen, bom manejo e colocação, e uso de touros com boa fertilidade.

Para ilustrar e trazer tudo isso para um contexto mais prático, comparamos vários indicadores do levantamento da Universidade da Pensilvânia, dos EUA e do Concept Plus leite no Brasil. Foram divididos 4 grupos por taxa de prenhez, abaixo de 25% taxa de prenhez, acima de 25% taxa de prenhez, melhores 50% de taxa de prenhez e os 10% melhores para taxa de prenhez. Confira!

 

Universidade da Pensilvânia

Concept Plus Leite

Item

Taxa de Prenhez

P valores

Taxa de Prenhez

 

< 25%

>25%

<0001

Top 50%

Top 10%

Número de observações 

359

175

<0001

381

39

Período de espera voluntário, d

52

62

0,0718

50

70

Dias para a primeira inseminação, d

79

78

<0001

62

55

Taxa serviço primeira inseminação

64%

83%

<0001

59%

88%

Taxa de concepção Todos os serviços

35%

44%

<0001

35%

45%

Taxa de prenhez

19%

31%

<0001

17%

24%

Intervalo entre as inseminações

44

38

<0001

46

36

Intervalo de partos, dias

457

415

<0001

416

383

Idade média de lactação do rebanho, anos

2,37

2,48

<0001

2,27

2,51

Leite total produzido / vaca, kg / vaca

12.490

12.044

<0001

6.538

9.263

Leite produzido por dia, kg / vaca/ IEP

27,4

29,01

<0001

15,7

24,2

Valor anual da renda / vaca, $

1.883,00

2.166,00

<0001

   

 

 
Qual seria, portanto, o ponto crítico no manejo da reprodução do rebanho? Trata-se do controle da primeira inseminação. O monitoramento da fertilidade em vacas saudáveis estabelece a fertilidade básica no rebanho e fornece uma estimativa de bem-estar das vacas de transição e os protocolos de inseminação. Existem muitas oportunidades para esse controle, e a melhor estratégia dependerá da gestão do rebanho. Sempre importante lembrar que a evolução na eficiência reprodutiva tem impacto econômico grande no Brasil e no mundo e deve ser monitorada constantemente pelo produtor, gerente da leiteria ou veterinário.

Por: Tiago Ferreira - Gerente Técnico de Leite da Alta Genetics
Fonte: Alta Genetics
 

Maisartigos

  • Palavras ao vento? Palestras e eventos...

    Genética, Informação | 15 de Julho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Posso me considerar um assíduo frequentador de eventos, desde (e especialmente) à época de estudante de veterinária. Coloque pouco mais de 20 anos no que estou falando. Eventos “raiz”, da época da divulgação na página rural dos jornais e nos cartazes nos murais das faculdades, das agropecuárias e sindicatos ...
  • Australia: 10 dicas para melhores fotos de touros

    Informação | 13 de Julho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Enquanto existem fotógrafos profissionais de gado/reprodutores em todo o leste da Austrália que fazem um excelente trabalho, muitos produtores de touros escolhem ou, por necessidade, tirar suas próprias fotos de reprodutores, para catálogos, sites ou publicidade digital/impressa.

    O advento dos smartphones com câmer...
  • Fórum debate a campo seleção por fenótipo e genótipo

    Informação | 24 de Junho de 2022
    Foto: Carolina Jardine
    A seleção de gado de corte avançou muito no Brasil nos últimos anos e trouxe ao criador o desafio de embasar suas escolhas em dois pilares: o fenótipo (escores visuais) e o genótipo (dados e estatísticas). Na tentativa de mostrar a melhor forma de integrar as duas avaliações para maximizar resultados, a Associa...
  • Terneiro: em 2022, meu nome é 3 Dólares

    Informação, Mercado | 15 de Junho de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso

    Em junho de 2019 escrevi um texto aqui neste espaço, com título: O nome do terneiro gaúcho é R$ 6,50.

    Como ando, muito americanizado e aderindo a alguns estrangeirismos, desta vez, dolarizei o terneiro gaúcho. Agora, ele se chama 3 Dólares. Críticos criticarão. Dirão que o dólar, no ...
  • Podcast na pecuária: dos fãs do rádio para o streaming

    Informação | 15 de Maio de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso

    Nesta última semana de abril, gravamos mais um episódio dos Agronautas, podcast quinzenal  sobre a pecuária gaúcha. Discutimos um pouco sobre as informações (meio tortas) que são levadas às crianças nas escolas sobre o agronegócio. Os meus parceiros Agronautas acham que o nosso...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais