Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 25/01/2022

Redes sociais

Agendade eventos

Últimasnotícias

Desenvolve Pecuária: Maria-Mole pode causar mortandade de até 42 mil bovinos por ano no Rio Grande do Sul

Informação | 01 de Dezembro de 2021

Desenvolve Pecuária: Maria-Mole pode causar mortandade de até 42 mil bovinos por ano no Rio Grande do Sul

Foto: Divulgação/Assessoria

Problemas causados pela planta tóxica foram debatidos em evento virtual do Instituto Desenvolve Pecuária, Embrapa Pecuária Sul e IPVDF

Os prejuízos da intoxicação pelo consumo de Maria-Mole (Senecio) e suas formas de controle foi tema de painel virtual na noite desta terça-feira, 30 de novembro, promovido em parceria do Instituto Desenvolve Pecuária, com a Embrapa Pecuária Sul e o Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF). A planta é responsável pela intoxicação de animais à campo, causando em bovinos e ovinos uma toxicose evolutiva e irreversível.

O primeiro a falar foi o pesquisador do IPVDF Fernando Castilhos Karam. Inicialmente, o especialista mostrou que existem 131 plantas tóxicas pertencentes a 79 gêneros, sendo que em uma população de 172 milhões de bovinos, 5% morrem anualmente por diversas causas, mas de 10% a 14% desses casos são por plantas tóxicas. O especialista salientou que de 30 mil a 42 mil bovinos por ano morrem por causa da Maria-Mole no território gaúcho, o que representa 50% dos óbitos por consumo de plantas tóxicas. “Para ter uma ideia de perda econômica, fazendo uma média de valores por região, é uma grande perda. Se somarmos perdas indiretas pela baixa produção, esse valor aumenta muito”, destacou.

De acordo com o pesquisador, entre os sinais clínicos estão emagrecimento, incoordenação, diarreia intermitente, tenesmo, prolapso retal e agressividade, além de fotodermatite. No Rio Grande do Sul, de 2,97 milhões de ovinos, 15% a 30% morrem de causas naturais, e deste montante, 7,2% são por causa de plantas tóxicas. Apresentando números da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o Senecio já em 2008 era a maior quantidade de surtos registrados. “Se formos ver esta curva na atualidade se mantém de forma igual”, observou.

A lotação animal e a oferta de pasto, conforme Karam, estão entre as condições favoráveis para a intoxicação de plantas. “O Senecio tem quase 3 mil espécies no mundo. A maioria tem flor amarela e existem algumas que não são tóxicas, mas a maioria é. A intoxicação se dá por alcalóides pirrolizidínicos. A planta existe de São Paulo para baixo. No Rio Grande do Sul são 25 espécies que aparecem especialmente na primavera”, explicou, acrescentando ainda que é uma doença evolutiva e sem tratamento com morbidade de até 30% e a letalidade é de 100% sendo a causa número um de mortes de bovinos no Estado. Para controlar a Maria-Mole, o especialista salienta que entre as medidas estão as roçadas antes da floração, pastoreio ovino, o consórcio de ovinos associados com bovinos e arrancar com a raiz em dias úmidos, cuidando da propagação vegetativa.

Na segunda parte foi a vez do pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Naylor Bastiani Perez, abordando o controle integrado da Maria-Mole e seus resultados. Segundo o especialista, na percepção de anos de estudos se vê um aumento de áreas cultivadas e a redução do rebanho ovino que contribuem para este cenário. Em estudo realizado pela Embrapa, a maior perda ocorre em animais de 2 a 3 anos de idade. ‘“Existem variações de alcalóides entre as espécies, e elas encontram em algum momento oportunidade para germinar em especial no Bioma Pampa”, declarou.

Perez relatou que a germinação ocorre durante o frio, sendo que as plantas podem produzir muitas sementes que são transportadas pelo vento, água e máquinas. É necessário fazer a roçada da área, mas com determinados cuidados. “O período de florescimento é o mais recomendado para fazer o corte, pois se tem condições de fragilizar os efeitos da planta. Mas o descompasso do crescimento e o número de espécies torna difícil e muitas vezes se pega em florescimento e a roçadeira pode ajudar a dispersar outras sementes”, frisou, lembrando ainda que o ideal é tentar fazer com que as sementes da planta não entrem na propriedade.

O pesquisador da Embrapa Pecuária Sul recomenda também uma quarentena para animais que são oriundos de áreas contaminadas, a fim de excretar as sementes do trato digestivo e eliminar as sementes aderidas ao pelo e casco, além disso, é fundamental cuidar o feno contaminado pela Maria-Mole. O especialista citou um comunicado técnico da Embrapa de número de 83 do ano 2017 que lista os princípios ativos dos produtos listados no Ministério da Agricultura para combater a Maria-mole.

Perez ainda apresentou o Mirapasto, Método Integrado de Recuperação de Pastagens, preconizado pela Embrapa, que tem como pilares o controle da espécie indesejável, a construção e manutenção da fertilidade do solo, a introdução de espécies forrageiras de inverno ou de verão, se necessário, e o controle da desfolha.

Fonte: Desenvolve Pecuária

Maisnotícias

  • Gente Brangus: Evanil Pires, da ST Repro

    Genética, Informação | 21 de Janeiro de 2022
    Está disponível o quarto episódio do “Gente Brangus”!

    O convidado deste episódio é o Evanil Pires, da ST Repro, que nos conta como iniciou o seu trabalho com a raça Brangus. Confira o depoimento dele.

    GENTE BRANGUS

    Trata-se de um espaço criado para que personalidades da raça, como criadores, técnicos, peões, r...
  • Fala Angus #78 - Edio Sander, Presidente CooperAliança

    Carne, Informação, Mercado | 21 de Janeiro de 2022
    Foto: Radio Sul.net
    Neste #FALAANGUS, o Sr. Edio Sander, presidente da CooperAliança, irá contar a história da cooperativa, que se destaca como exemplo de cooperativismo no país, seu número de associados, áreas de atuação, e como veio a ideia de ter uma indústria própria. Assim como, a parceria com a Angus e a importância para a ...
  • Sabor favorável: criadores de Red Angus adicionam potencial de marmoreio

    Informação | 21 de Janeiro de 2022
    Foto: Divulgação/Assessoria
    por Tom Brink, CEO, Red Angus Association of America 

    Os criadores de Red Angus continuam aumentando o potencial de marmoreio, o que demonstra o quanto estão atentos aos sinais emanados dos mercados de carne bovina e de gado. O marmoreio é uma característica economicamente relevante. As classificações das indústr...
  • Embrapa em Ação mostra potencial do Pampa para produzir alimentos de forma sustentável

    Genética, Informação | 20 de Janeiro de 2022
    Foto: Canal Rural
    O Giro do Boi de sexta, dia 14, levou ao ar o primeiro episódio da nova série especial Embrapa em Ação. Desta vez, as gravações ocorreram na sede da Embrapa Pecuária Sul, em Bagé, na Campanha gaúcha, no coração do Pampa.

    Conforme destacou o chefe geral da Embrapa Pecuária Sul, Fernando Cardoso, as riquezas nat...
  • ANC: Registro cresce 13% e confirma expansão da pecuária

    Genética, Informação | 20 de Janeiro de 2022
    Foto: Associação Nacional de Criadores
    Alinhados com a expansão e a valorização da pecuária na economia brasileira, os registros de animais de raça aumentaram 13% em 2021. O crescimento resulta do cadastro de 72.667 exemplares ao longo do ano passado frente aos 64.271 animais de 2020, ano que também apresentou alta. Os dados constam do banco da Associa...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais