Cadastre-se no site

Cadastre-se e fique informado em primeira mão sobre os principais acontecimentos da Assessoria Agropecuária
Porto Alegre, 17/10/2019

Redes sociais

Agendade eventos

Últimosartigos

Precocidade sexual nos machos: qual a vantagem?

Genética, Informação | 24 de Janeiro de 2018

Ganhos de seleção para a característica de precocidade sexual de touros Nelore, identificados por meio da ultrassonografia testicular, coleta seminal e dosagens de Hormônio anti-Mülleriano no rebanho da Genética Aditiva, Campo Grande (MS).

Foto: Alta Genetics

Por Eliane Vianna da Costa e Silva e Luiz Carlos Cesar da Costa Filho*

Quando se busca precocidade sexual em machos bovinos, o primeiro objetivo que vem à cabeça do criador é a seleção indireta para precocidade sexual das fêmeas. Mas qual seria a vantagem para os machos?

Considerando que um macho, normalmente, passa a primeira estação de monta pós-nascimento (EM1) ao pé da mãe, a segunda (EM2) na recria e entra em reprodução na terceira estação de monta pós-nascimento (EM3), a perspectiva demonstra que um tourinho que entra em puberdade precocemente pode alcançar sua maturidade sexual em tempo de ser utilizado para reprodução ainda na EM2. Obviamente que a melhor perspectiva para um touro nessa idade será ter o sêmen coletado e criopreservado, possibilitando que, aos 24 meses, esse animal já tenha filhos nascidos, diminuindo o intervalo entre gerações.

Um touro que entra em puberdade após os 15 meses já diminui bastante a possibilidade de sua utilização na mesma EM, uma vez que a maturidade sexual, muito provavelmente, será alcançada ao final da EM2; portanto, mesmo que emprenhe fêmeas nesse período, seriam as mais tardias do rebanho e o número de filhos prováveis, muito menor. Já um animal que entra em puberdade após os 17 meses só poderá ser utilizado na EM3, tendo filhos nascidos apenas após os 36 meses de idade. A possibilidade de eliminar a fase de recria de um touro gera uma economia substancial na produção de touros, além de acelerar o processo de melhoramento genético.


Imagem inline 7
*Projeção de utilização de touros de acordo com sua precocidade sexual: SP (em verde, superprecoces, púberes até os 14 meses); P (em azul, precoces, púberes entre 15 e 16 meses) e T (tardios, em laranja, púberes acima de 17 meses).


Para os machos, o principal critério reprodutivo utilizado em programas de melhoramento genético tem sido o perímetro escrotal (PE) aos 365 dias ou 480 dias. Biologicamente, a puberdade pode ser definida no macho quando o ejaculado alcança 50 milhões de espermatozoides totais e 10% de motilidade, segundo especialistas.

Todavia, embora a correlação do PE com a alteração dos parâmetros seminais seja alta a partir da puberdade, isso não retrata a realidade do parênquima testicular, não garantindo, desta forma, que um animal com bom PE em idade precoce terá boa qualidade seminal no período de maturidade sexual. Temos observado no campo vários touros da raça Nelore, dentro da mesma idade e tamanho testicular, que apresentam motilidade espermática diferente, estando alguns púberes e outros, não. Essa variação mostrou que os testículos com tamanhos iguais podem produzir sêmen tanto de baixa como de alta motilidade.

Portanto, essa produção de sêmen se deve à funcionalidade testicular do animal, e não somente ao tamanho do PE. As classes de precocidade sexual não diferem significativamente quanto ao PE. A curva de crescimento testicular e peso inicia-se de médias semelhantes, havendo uma distinção para os animais mais tardios, a partir da segunda coleta, feita no mês de outubro.

Imagem inline 8
*Perímetro escrotal (PE) à desmama, crescimento testicular e à puberdade de touros SP (em verde, superprecoces, púberes até os 14 meses); P (em azul, precoces, púberes entre 15 e 16 meses) e T (tardios, em laranja, púberes acima de 17 meses).


Imagem inline 9
*Distribuição de Peso médio (kg) e Perímetro escrotal (PE, cm) de machos bovinos Nelore, de acordo com coletas realizadas junto às pesagens do Programa de Melhoramento Genético, sendo a primeira em julho e as outras, intercaladas de três meses. 

Observa-se que touros superprecoces, que apresentaram perímetro escrotal à desmama um pouco mais baixos que os precoces, tiveram um ganho maior, mas ainda assim apresentaram em média PE 1 cm menor à puberdade. Na última medida, o PE médio de precoces e superprecoces apresenta-se superior aos dos animais mais tardios.

Nos últimos 30 anos, o ganho de PE dos touros da raça e a queda da idade à puberdade foram significativos, mas estávamos estagnados numa idade à puberdade que não nos permitia suprimir a recria, como já vínhamos fazendo nos desafios de precocinhas das fêmeas. O desafio estava lançado. Mas a pergunta era como fazer isso? Como identificar? O Grupo de Pesquisa em Reprodução Animal de Mato Grosso do Sul desenvolve pesquisas nessa área há 10 anos e os frutos desse trabalho começam a aparecer nos Programas de Melhoramento Genético do país. Ao longo desse tempo, aumentamos de 4% para 22% a classe de touros superprecoces (púberes com menos de 14 meses identificados no primeiro ano), enquanto a de animais precoces cresceu de 25% para 45%. Este ano, já identificamos um primeiro touro Nelore púbere aos nove meses e maturo sexualmente aos 12 meses.

Aliadas à nutrição equilibrada desde a desmama, que permita aos animais expressarem a característica da precocidade e manterem o desenvolvimento corporal adequado, são realizadas avaliações periódicas de ultrassonografia testicular, coleta sanguínea para dosagem do Hormônio anti-Mülleriano (AMH) e coletas de sêmen para identificar a idade à puberdade.

O AMH tem auxiliado na identificação no sentido de permitir prever a precocidade sexual dos animais quando medido à desmama. Observa-se que touros com níveis de AMH baixos à desmama são mais precoces, sugerindo uma possibilidade de seleção quanto à precocidade.

*Médias (± desvio padrão) das variáveis Hormônio anti-Mülleriano (AMH) e testosterona (T) de machos Nelore de acordo com a classe de precocidade futura do animal (P < 0,05)

  

SP

P

Td

AMH (ng/mL)

6,13 ± 0,64a

12,14 ± 2,63b

47,64 ± 5,74c

T (ng/mL)

3,10 ± 0,92a

1,93 ± 0,22b

1,80 ± 0,43b

PE (cm)

25,93 ± 1,17a

23,08 ± 0,53b

20,83 ± 0,67c

Vol. testicular (mm3)

543,55 ± 70,31a

402,38 ± 34,13b

257,60 ±37,20c

ECOt (pixel/cm2)

128,69 ± 6,64a

125,64 ± 4,57b

118,95 ± 5,58c

 

*Letras diferentes na linha indicam diferença significativa (P<0,05) para teste t de Student: SP – superprecoces; P – precoce; Td – tardios; HAM – hormônio anti-Mülleriano; T – testosterona; PE – perímetro escrotal; Vol. Testicular – volume testicular; ECOt – ecotextura testicular.

É importante dizer que no primeiro ano de análise de um universo de 360 animais apenas um animal foi identificado como superprecoce, na coleta de outubro. No ano seguinte, iniciou-se, então, um trabalho por toda a safra, vista no gráfico como safra 1. A última safra de bezerros trabalhada mostra a evolução da característica no rebanho, em que obtivemos 22% de tourinhos superprecoces e 44% de precoces, mostrando que a pressão de seleção tem dado resultados. Observa-se que alguns touros apresentam um percentual muito maior de animais superprecoces e precoces. O efeito de fazenda pode ser notado comparando-se os touros utilizados nas duas propriedades, apresentando expressões diferentes.

 Imagem inline 10
*Ganhos de seleção para a característica de precocidade sexual de touros Nelore, identificados por meio da ultrassonografia testicular, coleta seminal e dosagens de Hormônio anti-Mülleriano no rebanho da Genética Aditiva, Campo Grande (MS). 

Obviamente que a expressão da característica de precocidade sexual demanda uma estratégia de manejo nutricional elaborada, mas, mesmo em fazendas com estratégias diferentes de nutrição, nota-se o efeito da linhagem paterna de forma evidente. Observa-se que o touro dois, na propriedade A, que aplica melhor estratégia nutricional, supera a dos touros oito e três. Na propriedade B, o touro oito apresenta desempenho superior e os filhos do touro três já não apresentam o mesmo desempenho.

Imagem inline 11

Imagem inline 12

*Efeito da linhagem paterna sobre a precocidade sexual dos filhos em duas Fazendas de Mato Grosso do Sul.

Importante mostrar que, mesmo numa raça identificada como mais tardia como a Nelore, podemos, com as ferramentas corretas de seleção, identificar animais na população com características de precocidade sexual e, em algumas gerações, dar um salto na característica, melhorando a eficiência reprodutiva e econômica.

Desta feita, o produtor pode estabelecer uma estratégia de melhoramento genético a fim de identificar animais mais precoces no seu rebanho, mas, para tanto, deve primeiro oferecer uma nutrição adequada para que os animais expressem a característica. Além disso, a busca de touros ou sêmen de animais de rebanhos precoces para o acasalamento com fêmeas do rebanho agiliza o ganho genético.

"Eliane Vianna da Costa e Silva: Doutora em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), é professora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (FAMEZ/UFMS) e integra o Grupo de Estudos em Reprodução Animal no Mato Grosso do Sul (GERA-MS/CNPq).

"Luiz Carlos Cesar da Costa Filho: Doutor em Ciência Animal pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (FAMEZ/UFMS), atua na Procriar Assistência Veterinária, em Campo Grande (MS).

Fonte: Alta Genetics 




Maisartigos

  • Touros: do Colonial ao Genômico

    Genética, Informação | 15 de Outubro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Por Fernando Furtado Velloso
    Assessoria Agropecuária FFVelloso & Dimas Rocha

    Redigo, hoje, influenciado pela atmosfera da temporada de primavera do Rio Grande do Sul, pois já foi dada alargada e ainda estou envolvido com acertos, fretes e documentos de alguns touros adquiridos para clientes no leilão da GAP Genética. R...
  • Genética Nacional: Panorama dos touros Angus e Brangus nas centrais de inseminação

    Genética, Informação, Mercado | 16 de Setembro de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Angus, Nelore e Brangus dominam o mercado de inseminação de bovinos de corte no Brasil. Exagero? Vamos aos números. Conforme a ASBIA, em 2018, as raças de corte venderam, no Brasil, aproximadamente, 9,6 milhões de doses. Da raça Angus, 4,9 milhões de doses foram vendidas; seguida por Nelore, com 3,3 milhões; e Br...
  • Touro Dupla Marca é a geladeira com selo A

    Genética, Informação | 15 de Agosto de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação cresce...
  • A internet, os acessos e a revista impressa

    Genética, Informação | 13 de Julho de 2019
    Foto: Assessoria de Imprensa ABS
    Acredito que todo aquele que escreve uma coluna, um artigo ou uma crônica tenha muita curiosidade de saber se é lido, se é lido por muitos, se o tempo dedicado em reunir palavras e ideias gerou interesse e teve utilidade para quem o lê. Não é busca por aprovação ou aplausos, mas o interesse
    real em saber a opiniã...
  • Austrália: quais touros Angus são os mais influentes da raça?

    Informação | 25 de Junho de 2019
    Foto: Divulgação/Assessoria
    Em associação com as comemorações do centenário da Angus Austrália, o Dr. Sam Clark, Professor Sênior de Genética Animal na Universidade da New England, pesquisou os touros mais influentes da raça Angus desde 1990. Veja as informações nos vídeos publicados o site da Angus Austrália. Clique aqui. 

    A publica...

Nossosparceiros

Nossosclientes

Redes sociais